Você Está Comendo Plástico com Frango Assado?

Ah! O mundo moderno!

Cheio de facilidades… Tudo é muito mais prático e rápido… E a indústria consegue soluções pra tudo!

Antes, quando você queria fazer um frango assado, ele ficava muito tempo no seu forno.

Sem contar na dificuldade para lavar depois a louça, já que a assadeira ficava simplesmente cheia de gordura.

Mas, seus problemas acabaram! Você talvez já tenha visto aqueles saquinhos de plástico / nylon para assar seu frango com muito mais rapidez e sem sujeira…

É só temperar, colocar na dentro, fechar e levar ao forno. Rapidinho você tem um frango assado!

Ótimo, não é mesmo?

Acho que não. A menos que você seja um fanático por comer plástico!

O perigo oculto nos sacos para assar

Quando algo é muito fácil, talvez seja melhor desconfiar.

E se esse algo envolve misturar sua comida com plásticos a altas temperaturas… Desconfie mais ainda!

Pesquisadores da American Chemical Society fizeram um teste simples.

Eles pegaram vários desses sacos para assar e copos de papelão revestidos de plástico (polietileno) e encheram de água.

Depois eles colocaram esses produtos em aquecimento por 1 hora. 

E o que aconteceu? Eles analisaram a água e encontraram…

  • 35 trilhões de nanopartículas de plástico

Então eu te pergunto… Será que ao usar esses produtos você também não este ingerindo plástico?

É evidente que sim, ainda que sejam pedaços microscópicos.

E o mais curioso é que os órgãos regulatórios sabem disso. 

Essa quantidade de partículas é considerada “dentro da aceitável”.

Mas se você pudesse escolher, escolheria comer plástico ou apenas o seu frango assado de domingo sem esses “aditivos” escondidos?

Acredito que a segunda opção, certo?

Fugindo dos microplásticos

Olha, não é de hoje que venho falando do problema dos microplásticos.

Trata-se de partículas minúsculas que chegam até nós de variadas formas.

O que os estudos mostram é que elas estão principalmente nos peixes e frutos do mar.

Todas as micropartículas plásticas cedo ou tarde acabam nos oceanos e são ingeridas pelos peixes… Que são comidos pelos peixes maiores na cadeia alimentar… 

E no fim temos um acúmulo gradativo de partículas nos alimentos de origem marítima. 

Até nos frutos do mar menores isso corre.

Uma pesquisa alemã, por exemplo, mostrou que todas as amostras de mexilhões vendidos em supermercados ao redor do mundo tinham microplásticos.

E ingerindo esse material você ingere também poluentes perigosos, usados na fabricação do plástico, como o bisfenol A e os ftalatos.

Eles desequilibram nossos hormônios, podendo gerar:

  • Ganho de peso por alteração de função tireoidiana
  • Problemas neurológicos
  • Doenças cardíacas
  • Infertilidade
  • Risco de diabetes
  • Redução de testosterona, ginecomastia e aumento da próstata em homens
  • Piora da síndrome pré-menstrual, menopausa e aumento do risco de câncer de mama em mulheres

Portanto, vale a pena evitar.

No caso de alimentos que não vem dos mares, evite colocá-los em contato com plásticos, principalmente durante o aquecimento – como é o caso dos saquinhos para assar, embalagens e potes.

E quando for comprar alimentos que de origem marítima, atente-se à procedência, evitando produtos de locais poluídos.

A última dica é escolher os peixes e frutos do mar menores, que estão na base da cadeia alimentar e consequentemente terão menos plásticos.

Combinado? Supersaúde!

Referências bibliográficas:

  • Christopher D. Zangmeister, James G. Radney, Kurt D. Benkstein, Berc Kalanyan. Common Single-Use Consumer Plastic Products Release Trillions of Sub-100 nm Nanoparticles per Liter into Water during Normal Use. Environmental Science & Technology, 2022; DOI: 10.1021/acs.est.1c06768.
  • American Chemical Society. “Nylon cooking bags, plastic-lined cups can release nanoparticles into liquids.” ScienceDaily. ScienceDaily, 21 April 2022.
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *