Saúde

Veja o que a Autofagia pode fazer pela sua Saúde

Em 2016, o Prêmio Nobel de Medicina foi dado ao biólogo japonês Yoshinori Ohsumi por sua descoberta dos mecanismos reais da autofagia.

A autofagia é um processo pelo qual o seu corpo elimina as células danificadas, reciclando seu conteúdo, promovendo:

  • Uma limpeza que estimula a proliferação de células novas e saudáveis. Isso é básico em termos de longevidade celular.
  • Destrói invasores estrangeiros, como vírus, bactérias e outros patógenos.
  • Desintoxica a célula de materiais nocivos.
  • Elimina agregados proteicos e organelas danificadas, a fim de manter a homeostase citoplasmática.
  • Inibe a geração de radicais livres.
  • Limita liberação de proteínas intramitocondriais tóxicas.

Com o passar dos anos, esse processo natural tende a ficar mais lento ou distorcido, contribuindo para uma ampla variedade de doenças como Alzheimer e Parkinson.

Porém, existem maneiras de ativar e aumentar esse processo natural, evitando assim muitos problemas de saúde de modo preventivo.

O problema da ativação da autofagia é que, por um lado, o processo elimina materiais tóxicos ou infecciosos das células, mas por outro lado, se o processo de autofagia vai além de “reciclar” e eliminar proteínas, pode começar a destruir a célula, levando à morte celular. Isso significa que a autofagia deve ser cuidadosamente manipulada.

Maneiras naturais de ativar a autofagia

1 – Jejum prolongado cíclico

Para se ter o resultado de proteção celular e mitocondrial, é necessário pelo menos 16 horas ou mais de jejum. Porém, esse processo ativador de autofagia não pode permanecer continuamente ativado, ou seja, o tempo todo.

É necessário que se permita as células se reconstruam e rejuvenesçam, o que ocorre durante a fase de realimentação, razão pela qual o jejum cíclico e a alimentação são tão importantes.

Porém, se você estiver em tratamento com alguma medicação, precisará trabalhar com seu médico para garantir a segurança, pois alguns medicamentos precisam ser tomados com alimentos e / ou podem se tornar tóxicos quando a química do seu corpo se normalizar.

Aqueles que tomam medicação hipoglicemiante ou anti-hipertensiva estão particularmente em risco, pois podem acabar em uma overdose.

Mantenha os suplementos nutricionais nos intervalos fora do jejum. Não esqueça de usar um sal de alta qualidade.

Certas condições de saúde também podem precisar de supervisão médica mais rigorosa para garantir a segurança ao jejuar.

Para saber mais sobre esse programa, veja o meu E-book – Jejum prolongado ou assista ao vídeo do meu canal do Youtube onde explico tudo.

2 – Treinamento Supra Aeróbico

Trata-se de um HIIT descrito no meu livro 20 Minutos e Emagreça. Esse programa deve ser feito em dias alternados.

O estresse agudo do exercício desencadeia a autofagia da mesma maneira que o jejum.

Consuma alimentos que ativam a autofagia como: chá verde e açafrão.

3 – Ativar a proteína quinase ativada por monofosfato de adenosina (AMPK)

Trata-se de uma enzima que estimula a autofagia mitocondrial (mitofagia) e biogênese mitocondrial.Com a idade, os níveis de AMPK naturalmente declinam.

Para isso você precisa de uma dieta adequada e suplementos nutricionais.

Consuma gorduras boas e evite ingerir gorduras não saudáveis. Além disso, você precisa de quantidades ótimas de antioxidantes.

Os estudos mostram que a pirroloquinolinaquinona (PQQ) e a berberina, também ativam a AMPK.

Ativando a Autofagia – Uma Maneira Simples de Aumentar a Saúde e Prevenir Doenças

Ativar a autofagia é manter a sua saúde em ordem, retardando o envelhecimento e prevenindo-se contra doenças, em especial distúrbios neurodegenerativos e câncer.

Sem autofagia, suas células ficarão cheias de toxinas e detritos, e uma vez que elas começarem a funcionar mal e / ou morrerem, seu corpo será incapaz de limpar eficientemente essas células, o que exacerbará ainda mais o problema.

E mais, não é difícil / otimizar a autofagia. A associação do jejum, exercício e a adição de certos alimentos e suplementos também são estratégias úteis.

Se você quer se manter bem, pense nisso!

Referências bibliográficas:

 

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *