Dieta

TCM: Controle de Peso com Gorduras

Muito antes da ciência, os homens dos primórdios já procuravam por um alimento ideal, que pudesse ter alto poder energético e com propriedades curativas. Será que o TCM, oculto nos cocos, sempre foi a resposta?

Evolução biológica do cocos nucifera

Na maioria da expansão humana nos úmidos trópicos, o homem se deparou com os coqueiros em subespécies, uma delas nas regiões dos oceanos Pacífico, Índico e Atlântico.

Tornou-se uma fonte de água e alimento, permitindo aos viajantes humanos que fizessem suas longas viagens nas rotas de colonização nessas áreas.

O coco hoje é usado com diversos objetivos, como fonte de energia, bebida, fibra, material de construção, carvão e óleo (usado na cozinha, farmacêutica, aplicação industrial e biocombustível).

E agora ele parece mais interligado com a saúde humana, como óleo para cozinhar, rico em triglicérides de cadeia média.

As qualidades únicas dos TCMs

Ao contrário da maioria dos óleos de cozinha, o TCM é extremamente estável, pois não se torna oxidado.

Retirando-se o ácido palmítico e outros elementos negativos presentes no óleo de coco, a extração permite isolar somente os TCMs.

Nessa produção final, ficam somente o ácido caprílico (cadeia de 8 carbonos) e o ácido cáprico (cadeia de 10 carbonos), numa proporção de aproximadamente 2 para 1.

Revisão da literatura sobre TCM

Uma revisão sistemática da influência do uso dietético dos TCMs na composição corpórea, expedição de energia e saciedade foi conduzida pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e publicada.

Os achados confirmam que os TCMs são rapidamente metabolizados e não se depositam no tecido adiposo, sendo um possível aliado para o controle de peso.

Além disso, para analisar a influência do consumo dos TCMs em saciedade, composição corpórea e expedição de energia, a revisão da literatura foi feita através de estudos clínicos controlados reportados no PubMed e Elsevier, entre o ano de 2000 e 2010.

Foram selecionados 14 artigos com usos de curta e longa duração, observando-se que:

  • 6 mostraram redução em índice de massa corpórea em consequência da perda de gorduras.
  • 1 mostrou efeito positivo em saciedade.
  • 4 mostraram um aumento de expedição de energia.

Apesar dos achados dos pesquisadores, não se avaliaram todos os estudos clínicos encontrados no PubMed e Elsevier e muitos outros estudos seguros. Foram resumidos alguns dos mais significativos, confirmando que o uso de TCMs pode agora ser considerado um importante apoio nutricional no arsenal da nutrição contra a obesidade. Ele:

  • altera a composição corpórea
  • aumenta a expedição de energia
  • ajuda no controle de apetite
  • aumenta a saciedade
  • diminui a necessidade de ingesta alimentar nas refeições do dia
  • induz termogênese
  • protege de deposição de gordura no fígado
  • melhora rendimento no exercício
  • aumento da memória, pois melhora a performance cognitiva
  • ajuda a estabilizar ondas cerebrais
  • controla bactérias desfavoráveis, vírus e fungos no organismo
  • metaboliza sem precisar de bile, com isso promove descanso para a vesícula biliar
  • mantém o nível de LDL colesterol
  • aumenta o nível de HDL colesterol
  • tem baixa concentração calórica (8,7 calorias por grama)
  • melhora a absorção de vitamina E, cálcio e magnésio

TCMs são a melhor gordura?

Existem muitas gorduras boas como, ômega 3 (de preferência de um bom óleo de peixe ou krill), monoinsaturados (como óleo de oliva) e algumas gorduras saturadas (aonde se inclui o TCM).

O segredo de saúde é mantê-los em proporções adequadas.

Claro que essa dosagem varia de acordo com os objetivos, a quantidade de exercício, com ou sem desgaste mental e muitos outros fatores.

A American Heart Association recomenda limite de 30% de gordura no total de calorias ingeridos. Outros estudos mais atuais apontam bem mais, entre 60 e 80% de gordura.

O TCM, além do mais, é um elemento delicioso e saudável para a sua dieta, e lembre-se… Ele não é convertido em gordura corpórea porque é rapidamente consumido como energia. E os estudos indicam que o TCM não aumenta o colesterol sérico, aliás melhora a relação de risco LDL/HDL, um confiável parâmetro de saúde e risco cardíaco. Eis

Referências bibliográficas:

  • PLoS One. 2011;6(6):e211-43
  • J Nutr Sci Vitaminol. 2009;55:423-7
  • J Nutr. 2002;132:329-32
  • Nutr Hosp.  2008;23:191-202
  • Nutr Hosp. 2012 Jan-Feb;27(1):103-8
  • Am J Clin Nutr.  1999;69:883-9
  • Am J Clin Nutr. 1998;68:226-34
  • J Oleo Sci.  2007;56(6):283-7
  • J Nutr Sci Vitaminol. 2011;57(2):138-43
  • Nutr Metab.  2011 Aug1;8:55
  • Br J Nutr.  2010;103:1746-54
  • FASEB J. 1995;9:651-8
  • BMC Neurosci.  2008;9:S16
  • Nutr Ver.  2006;64(10):449-56
  • Neurobiol Aging.  2004;25:311-4
  • Diabetes.  2009;58:1237-44
  • Neuro-therapeutics.  2008;5(3):470—80
  • Proc Natl Acad Sci USA.  2000;97(10):5440-4
  • Bechav Pharmacol.  2006;17(5-6):431-9
  • Neurosci Bechav Rev.  2002 26;679-95
  • FASEB J. 2007;13:3756-62
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *