Sim, é a Sua Comida que Pode Estar Causando a Dor!

Todas as vezes que eu falo de gorduras, muita gente ainda critica.

Acham que a indicação de uso de gorduras na alimentação é um contrassenso, mas sem entender um princípio básico e simples…

Existem as gorduras ruins… E as gorduras boas.

Quando você reduz a primeira e aumenta a segunda, fica em forma e se protege de grandes males dos tempos modernos, como diabetes, problemas cardiovasculares e demências como o Alzheimer.

Mas afinal, o que isso tem a ver com sentir dor? Como suas refeições podem estar lhe levando a dias mais doloridos e um incômodo frequente?

Vamos descobrir!

Alimentação e dores

Um estudo recente publicado na Nature Metabolism por médicos e cientistas de instituições de pesquisa americanas descobriu algo incrível (mas de certa forma esperado…).

Os pesquisadores fizeram vários testes, tanto em animais quanto em humanos, simplesmente mudando a dieta.

Os que comiam uma alimentação rica em alimentos processados e gorduras ruins, ou seja, óleos poli-insaturados ricos em ômega-6 (como o óleo de soja, por exemplo), passaram a comer gorduras boas, como o ômega-3.

E os resultados logo surgiram, com os pacientes relatando melhora nas dores crônicas relacionadas a alguma doença, como a diabetes.

Só para se ter uma ideia, observou-se que os níveis cutâneos de lipídios ômega-6 em pacientes com dor neuropática do diabetes tipo 2 estavam fortemente associados aos níveis de dor e à necessidade de tomar analgésicos.

Não é algo espantoso, visto que o ômega-6 é altamente pró-inflamatório…

Esses dados levaram os cientistas à conclusão de que mudar a dieta para uma alimentação mais natural e com gorduras boas, como o ômega-3, pode até mesmo reverter:

  • Dores inflamatórias, como aquelas causadas por artrite, trauma ou cirurgia…
  • Ou dores neuropáticas, como essas causadas pela diabetes tipo 2.

Portanto, melhorar a sua dieta e passar a consumir gorduras boas vai muito além de emagrecer…

Essa atitude previne doenças e também reduz dores crônicas. Então, se é o seu caso, vale a pena mudar o quanto antes!

Ômega 3 x ômega 6

Como disse, essa pesquisa apenas confirma o que já venho falando por aqui.

Vivemos um consumo desenfreado de ômega-6, que é pró-inflamatório, enquanto consumimos cada vez menos o ômega-3

A proporção de ômega 3:ômega 6 deveria ser 1:2.

Mas com o consumo desenfreado de óleos vegetais, alimentos processados, refinados e grãos fez com que atualmente essa proporção seja, em média, de 1:20!

Então, para reverter esse quadro, a primeira coisa a se fazer é obviamente parar de comer esses alimentos ruins…

E aumentar o consumo de:

  • Peixes gordurosos selvagens, como salmão.
  • Peixes como cavala, arenque, anchova, sardinha, truta e atum fresco.
  • Carne de gado criado a pasto.
  • Carne de aves e ovos de animais criados soltos.
  • Suplementos de ômega 3, preferencialmente de krill oil, que têm menos risco de poluição marítima.

Portanto, ter mais saúde e se livrar de dores inconvenientes está nas suas mãos.

Supersaúde!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *






















                           Clique aqui para saber mais detalhes >




 
close-link
close-link