Prevenção

Será que Você Convive com a Doença de Alzheimer e Não Sabe?

Estima-se que a doença de Alzheimer deverá afetar cerca de 50% da população idosa na próxima geração. Sabemos da importância da predisposição genética, mas mesmo assim você ainda pode evitar o desenvolvimento do Alzheimer. Para isso, precisa ser proativo.

Digo isso pois, se influenciarmos positivamente e preventivamente nos fatores ambientais e de estilo de vida, temos uma maior chance de impedir a manifestação genética.

Pensando assim, é necessário agir o quanto antes. Como já falei, essa doença se inicia aproximadamente 20 anos antes dos primeiros sintomas. Não deixe para se movimentar quando começam algumas manifestações clínicas, como memória diminuída etc.

Ou seja, não durma com o inimigo!

Para isso, é importante intervir em todos os fatores que possam estar induzindo a essa situação. Não podemos então esperar por um único fator causador, pois há muitos componentes moleculares envolvidos, o que é exatamente a colocação da epidemiologia.

Neste caso, a abordagem ideal deve ser ampla atendendo ao máximo de fatores. O tratamento deve ser algo personalizado!

Como existem vários subtipos de doença de Alzheimer, precisamos pensar em uma  abordagem bioquímica ampla, para assim não ficarmos dependentes de um raciocínio simplista, aonde se usa uma “receita básica” e igual para todos.

É necessário entender o que está causando o problema e a partir daí efetuarmos as correções terapêuticas, neutralizando o que está impulsionando a doença.

Dessa forma, examinando um amplo conjunto de dados, há uma grande possibilidade de prevenir e reverter esse declínio cognitivo. Veja alguns exemplos:

Painel de exames e referências

1 – Lipoperoxidação e perfil antioxidante: poucos antioxidantes e muitos radicais livres. Os pacientes com Alzheimer não têm boa defesa antioxidante para proteger seus cérebros contra o ataque dos radicais livres.

Antioxidantes moleculares:

Catalase                               120,0 a 160,0 U/mg Hb

SOD                                       6,5 a 14,5 U/mg Hb

Glutationa Total                   5,8 a 6,5 μmol/g Hb

Vitamina B12                       500 a 1.500

Vitamina C                            Acima de 150 μmoles/l

25-Hidroxi Vitamina D        80 a 100 ng/ml 

Vitamina E (alfa tocoferol) 15 a 40 μmol/L

Ácido úrico                           Inferior a 4,0 mg/dl homem    

                                               Inferior a 5,0 mg/dl mulher

Coenzima Q10                     0,4 a 2,0 umoles/L

2 – Homocisteína elevada: numerosos estudos têm correlacionado a Doença de Alzheimer à demência e ao desempenho cognitivo fraco. A homocisteína pode causar lesão direta no hipocampo. Acredita-se que seja a responsável pela formação de placas de beta-amiloide no cérebro. Ela deve ser:

Inferior a 10 mcmol/l   

3 – Proteína C reativa (PCR Ultra Sensível): marcador de inflamação elevada. A inflamação também gera muitos radicais livres. Quanto maior esse marcador, maior o risco de se desenvolver Alzheimer. A homocisteína também causa aumento de inflamação além de altos níveis de alumínio. Deve ser:

Inferior a 0,9 mg/ml (quanto menor o nível, melhor)

4- Degradação oxidativa de ácidos graxos plasmáticos (MDA/ ml plasma)

Inferior a 2,5 nmol/ml para homem 

Inferior a 2,0 nmol/ml para mulher

Relação ômega 6:3             0,5 a 3,0

4 – Mineralograma: para checar a presença de metais tóxicos no organismo (em especial alumínio e mercúrio). Exames para detectar tais situações são elementos básicos a serem solicitados pelos médicos para educar seus pacientes sobre o problema e assim alertá-los sobre a importância da prevenção.

5 – Ecologia intestinal: nos casos de disbiose intestinal, aonde na imensa maioria das vezes há a Síndrome do intestino poroso, é necessário sua avaliação e correção. Isso é básico, pois tudo começa no intestino e na doença de Alzheimer não é diferente

6 – Ecologia rinosinal: quando ocorre desequilíbrio desta ecologia rinosinal, há um predomínio desfavorável dos micróbios residentes no nariz e nos seios nasais, podendo influir na doença. É frequente nestes casos aumento de bactérias desfavoráveis como P. gingivalis e vírus herpes simples tipo 1.

7 – Tipo metabólico – determinação das proporções mais adequadas de macronutrientes: proteína, carboidrato e gorduras.

8 – Exames adicionais:

Exame                                  Valor de referência

Hemoglobina a1c                Inferior a5,5 (quanto menor o nível, melhor)

Insulina de jejum                 Inferior a 4,5 ulU/ml (quanto menor o nível, melhor)

Ferritina                                40 a 60 ng/ml para mulheres

                                               40 a 80 ng/ml para homens

GGT                                       Inferior a 16 U/L para homens

Inferior a 9 U/L para mulheres 

T3                                           70 a 200 ng/dL

T3 Reverso                           Inferior a 20 ng/ml 

T4L                                         0,6 a 1,3 ng/dL

TSH                                       Inferior a 2,0 mUI/L

Apo E4 (teste de DNA)      Veja quantos alelos você tem: 0,1 ou 2

Cetose                                   entre 0,5 e 3 mml/L  

Se você tem mais que 40 anos, certamente é o momento de agir de forma pró-ativa preventivamente, com isso evitando esses desvios que podem influir na evolução de uma possível doença de Alzheimer, mesmo que o seu teste genético indique risco. Não seja escravo de “uma sentença de morte”, pois entendo que é perfeitamente possível inibir essas manifestações. Supersaúde!

Referências bibliografias:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *