Será que os Antibióticos estão Deixando as Crianças Doentes?

Essa é mais uma daquelas histórias que mostram um fato totalmente estranho…

Novamente, remédios, que eram para fazer bem, acabam aumentando o risco de doenças.

Mas, afinal, o objetivo deles não era garantir mais saúde?

Pois os pesquisadores americanos da Mayo Clinic encontraram uma relação entre antibióticos e certos problemas de saúde em crianças.

Será que isso realmente acontece?

Antibióticos e doenças em crianças

Em uma pesquisa publicada recentemente, pesquisadores avaliaram a associação do uso de antibióticos em crianças pequenas a doenças recorrentes.

Eles analisaram os dados de mais de 14.500 crianças de dois estados americanos, que participaram de um projeto de pesquisas.

Logo de cara, um primeiro dado chamou a atenção. Cerca de 70% delas já tinham passado por algum tratamento com antibiótico antes de chegar aos 2 anos de idade.

Depois disso vem o dado mais impressionante…

O estudo concluiu que as crianças que tinham recebido múltiplos tratamentos com antibióticos ao longo do tempo ficaram mais propensas a desenvolverem várias doenças durante a infância.

Dentre os problemas associados ao uso recorrente de antibióticos nessa idade estavam:

  • Asma
  • Rinite alérgica
  • Problemas com peso e obesidade
  • Alergias alimentares
  • Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade
  • Doença celíaca
  • Dermatite atópica

O Dr. Nathan LeBrasseu, um dos autores do estudo, é cauteloso ao enfatizar que os pesquisadores não estão querendo dizer que os antibióticos foram a causa direta dos problemas.

Mas de fato há uma associação e é inegável que o excesso de antibióticos estava de alguma forma relacionado á questão.

O que o excesso de antibióticos causa?

Um dos palpites dos pesquisadores para a associação entre os antibióticos e o aumento de outras doenças é algo que sempre comento por aqui…

Sim, os prejuízos à flora intestinal!

Embora não “batam o martelo”, os autores do estudo dizem que possivelmente ao afetar o microbioma do corpo os remédios podem ter contribuído para os problemas.

Ou seja, mesmo que essas alterações sejam momentâneas, elas parecem continuar afetando as crianças tempos depois.

O que ocorre é que os antibióticos não matam apenas as bactérias causadoras de doenças, mas também as bactérias boas que vivem nos nossos intestinos e aumentam nossa imunidade.

Assim, pode-se até resolver um problema, mas sob o risco de aumentar outro.

Daí a importância de se manter uma boa flora intestinal sempre, e depois de se usar antibióticos, tentar recolonizar o intestino com alimentos fermentados e suplementos probióticos.

É o fim dos antibióticos?

Depende.

Ninguém está dizendo que você nunca mais vai tomar antibióticos. Afinal, há momentos graves em que eles são a única saída.

O que se deve ter é consciência de tomar somente quando necessário, e isso vale para pacientes e médicos.

Outro estudo, também feito nos Estados Unidos, mostrou que um programa de conscientização para médicos sobre o excesso de antibióticos acabou reduzindo a indicação de uso em 30%.

Isso mostra que muitas vezes eles eram receitados para casos que nem eram necessários!

Agora, veja algumas dicas para evitar o excesso de antibióticos:

  • Converse sempre com seu médico sobre abordagens mais naturais e se há possibilidade de usá-las;
  • Só use antibióticos quando ele for receitado;
  • Siga a receita corretamente, não tomando nem a menos nem a mais do que o indicado;
  • Consume carne, ovos, leite e derivados de animais criados a pasto. Animais de confinamento costumam receber doses de antibióticos, que vão parar no seu organismo em pequenas doses;
  • Previna-se com boas medidas de higiene e uma boa alimentação. Assim você aumenta sua imunidade, e reduzindo o risco de doenças vai evitar também ter que tomar antibióticos.

Por fim, como sempre indico, cuide de sua flora intestinal!

Ela é uma barreira de proteção, melhora sua digestão e promove uma Supersaúde!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *






















                           Clique aqui para saber mais detalhes >




 
close-link
close-link