Alimentação

Será que Isso que Você Bebe é Leite?

Eu, desde pequeno, fui habituado a tomar o leite puro, não pasteurizado e cheio de gordura, um dos ingredientes básicos da minha alimentação.

Mas, hoje, a maioria das pessoas nunca provou leite de verdade.

Quando você caminha pela seção de laticínios de qualquer mercado,verá que a imensa maioria dos produtos lácteos, como queijo, leite e iogurte são de baixo teor de gordura.

Será que são mais saudáveis? NÃO!

Apesar de tanto incentivo para escolher produtos lácteos sem gordura ou com baixo teor de gordura, eles não são tão bons para você como o fazem acreditar.

Tenha consciência que o leite real é o que vem de vacas criadas à pasto, pois está repleto de proteína, gordura, cálcio e vitamina D.

Infelizmente, nestes últimos 70 anos, ouve-se o mantra de que os laticínios são um dos culpados por doença cardíaca, apesar da ciência nunca ter apoiado essa teoria.

E veja o que os estudos realmente mostram:

  • A revista The Lancet publicou um novo estudo aonde se acompanhou 136.384 pessoas em 21 países durante 10 anos. Descobriu-se que as pessoas que ingerem três porções de laticínios integrais por dia apresentavam taxas mais baixas de doenças cardíacas e morte prematura em comparação com aquelas que comiam menos porções.
  • Recentemente, uma meta-análise, publicada no European Journal of Nutrition, revisou 25 estudos sobre laticínios com baixo teor de gordura. Descobriu-se que as pessoas que comem laticínios integrais não têm mais probabilidade de desenvolver doenças cardiovasculares do que as pessoas que se apegam à baixa gordura. Eles também pesam menos e têm menor risco de obesidade.  
  • O American Journal of Clinical Nutrition publicou outra revisão de 21 estudos analisando dados de mais de 350.000 pessoas em 23 anos. Não se encontrou evidências de que a gordura saturada tenha aumentado o risco de doença cardíaca ou derrame.
  • Por outro lado, reforçando essa evidência, o Sydney Diet Heart Study analisou pacientes cardíacos que ingeriam gorduras poli-insaturadas,como margarina e óleo de canola. As pessoas que ingeriram mais dessas gorduras e menos gordura saturada apresentaram taxas mais altas de morte por doença cardiovascular e doença coronariana. A conclusão foi que a taxa de mortalidade das chamadas gorduras “saudáveis” foi cerca de 70% mais alta.         

Na verdade, os seres humanos evoluíram ao longo de milhares de anos comendo gorduras saturadas boas, baseadas em laticínios e carne. Cerca de 30% a 80% de gordura era normal para nossos ancestrais. E doença cardíaca era rara.

Ou seja, a gordura animal é BOA para o seu coração…

Benefícios dos laticínios de animais à pasto

São ricos em uma gordura saudável para o coração chamada ácido linoleico conjugado (CLA), que protegem contra ataques cardíacos, segundo os estudos.

Em uma análise de Harvard, os pesquisadores avaliaram os níveis de CLA no tecido adiposo de 1.813 pacientes que tiveram ataque cardíaco, comparando com pacientes que nunca tiveram esse tipo de evento.

Veja os resultados:

  • As pessoas que comiam mais laticínios integrais,como manteiga, tinham os níveis mais altos de CLA em comparação com aqueles que comiam menos. E eles eram 49% menos propensos a terem um ataque cardíaco.

Saiba que a manteiga é a melhor fonte de CLA, mas certifique-se de que seja de animais criados à pasto, pois contém cinco vezes mais CLA que a manteiga comum.

Outras gorduras saudáveis para preparar seus alimentos

– Banha. Sua composição é 40% de gordura saturada e 50% de ácidos graxos monoinsaturados, (como as gorduras saudáveis ​​encontradas no azeite e no abacate) além de conter níveis muito baixos de gorduras poli-insaturadas.

Com isso, ajudam a equilibrar o açúcar no sangue, reduzem a gordura visceral e a inflamação, protegendo o colesterol de se tornar oxidado.

Cuidado com banhas hidrogenadas, muito comuns nos mercados. Prefira produtos de animais criados à pasto.

– Azeite de oliva. É um produto muito frágil, que não deve se aquecido, pois seus compostos saudáveis se oxidam. Você não deve usá-lo para fritar ou refogar. Indicado para alimentos frios e saladas.

– Óleo de coco. Procure por óleo de coco prensado a frio e virgem. Pode ser usado para fritar, escaldar e refogar.

Evite óleos vegetais hidrogenados ou parcialmente hidrogenados como os óleos de milho, soja, canola, caroço de algodão e óleos de girassol.

Com o aquecimento, elas podem produzir gorduras trans que aumentam o risco de ataque cardíaco. Além disso, a maioria deles é geneticamente modificada. Fique atento! Nem tudo o que dizem ser saudável é realmente bom para você!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *