Alimentação

Será que Este Conservante Natural vai Revolucionar a Preservação dos Alimentos?

Se você me acompanha por aqui, já deve ter lido sobre como a indústria alimentar parece estar mudando. Aumento da venda de orgânicos, mudanças na qualidade da carne e do leite, e agora a novidade desse conservante natural…

Saiba que isso não foi do dia para a noite, mas ocorreu graças a você. As pessoas estão cada vez mais informadas com relação à saúde, e consequentemente exigindo melhores alimentos. É o poder do consumidor consciente que traz mudanças positivas!

E as pesquisas também vão por este caminho, buscando soluções saudáveis para melhorar nossa comida. O estudo em questão que comento hoje é da Universidade Estadual da Pensilvânia, nos Estados Unidos.

Os pesquisadores já sabiam que algumas plantas, como o trigo, o centeio e a cevada, produzem uma substância antioxidante chamada alkylresorcinols (AR). É uma defesa natural contra mofo, bactérias e micro-organismos.

Então eles pensaram: por que não fazer dela um conservante mais natural? Agora estudam como este composto pode ser transformado nesse novo tipo de conservante, que poderia ser usado pela indústria.

Será que compensa?

O objetivo desse tipo de pesquisa é louvável, pois ninguém merece comer alimentos cheios de conservantes químicos desconhecidos – e potencialmente tóxicos.

Por enquanto, porém, o conservante natural ainda não é tão efetivo como os sintéticos, segundo os estudos. Mas quer um bom conselho de verdade? O melhor conservante é…

Nenhum conservante!

Embora a busca por alimentos mais saudáveis seja de fato uma boa coisa, quanto menos produtos processados você consumir, melhor! Opte pelos orgânicos, comida fresca e natural, o melhor para a saúde – sem conservantes, aditivos, corantes, agrotóxicos e sabe-se mais o que.

E isso vale tanto para os vegetais quanto para carne, ovos, leite e derivados. Consuma aqueles de animais criados soltos, evitando os que passam por processos industriais. Sua saúde vai sentir a diferença!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *