Sedentarismo e Pandemia: um Risco Mais que Mortal

No mundo todo, a COVID-19 já provocou a morte de milhões de pessoas. Mas um outro problema silencioso pode causar as mortes de mais uma parcela…

Estamos falando do sedentarismo, que se acentuou nos primeiros meses de isolamento social.

Uma pesquisa brasileira, feita por pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e publicada na revista Frontiers in Endocrinology, mensurou o quanto as pessoas ficaram mais “paradas” – e as consequências disso!

Os cientistas fizeram um levantamento global, por meio de questionários on-line, para estimar as atividades físicas feitas pelas pessoas durante as quarentenas pelo mundo.

Os dados mostram que nos primeiros meses de confinamento houve:

  • redução de 35% no nível de atividade física
  • aumento de 28,6% nos comportamentos sedentários, como ficar mais tempo sentado ou deitado
  • aumento no consumo de alimentos não saudáveis

Cruzando essas informações com as estatísticas já conhecidas sobre o sedentarismo, mesmo antes da pandemia, chegou-se a um número preocupante…

Esses meses mais sedentários podem levar mais de 11 milhões de casos de diabetes tipo 2 no futuro, além de 1,7 milhão de mortes devido aos problemas resultantes da falta de exercício!

Será que você está nesse grupo? Bom, eu espero que não… 

A boa notícia é que em ambos os casos é possível se proteger.

Contra o novo coronavírus, você já conhece as medidas de distanciamento e higiene que são fundamentais.

E para quem ficou mais sedentário durante esse período, não é hora de se desesperar. Mas sim, de agir!

Espantando o sedentarismo

Como vimos, o grande problema foi que naquele momento em que as pessoas ficaram em casa, elas simplesmente passaram mais tempo sentadas ou deitadas.

E se você se mexeu pouco ou não, é hora de olhar pra frente. Espante o sedentarismo a partir de agora!

Trata-se de um conselho que não vale apenas para a pandemia, mas para todos aqueles que passam muito tempo estáticos, a trabalho ou lazer.

Se é o seu caso, lembre-se de sempre se levantar da cadeira por alguns minutos.

Dê uma boa esticada na coluna e se possível caminhe um pouco. Nem que seja pra beber um copo d’água!

Um estudo feito com mais de 8 mil pessoas pelo Centro Médico da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, mostrou que as que ficavam 30 minutos a menos sentadas por dia reduziam o risco de morte em 35%.

É isso mesmo! Trocar meia hora de cadeira por qualquer tipo de atividade física simplesmente muda tudo!

E é claro que, quanto maior a intensidade dos exercícios, maior a proteção. 

Quer uma boa dica, que leva menos de 30 minutos? É o exercício supra aeróbico que comento no meu e-book “Jejum prolongado”.

Ele dura 20 minutos e você pode fazer em casa. Isso elimina a sua desculpa de “falta de tempo” e ainda mantém o isolamento social.

Nesse exercício você intercala tiros curtos de alta intensidade com períodos de recuperação, estimulando queima de gordura, perda de peso, saúde cardiovascular e ganho de massa muscular.

Uma ótima pedida!

Agora, é hora de dar um basta no sedentarismo. Supersaúde!

Referências bibliográficas:

  • Marçal, Isabela Roque, et al. “The urgent need for recommending physical activity for the management of diabetes during and beyond COVID-19 outbreak.” Frontiers in Endocrinology 11 (2020).
  • Inatividade física na quarentena pode aumentar as estatísticas de mortes, aponta estudo. Agência FAPESP, 7 dez. 2020.
  • Keith M Diaz, Andrea T Duran, Natalie Colabianchi, Suzanne E Judd, Virginia J Howard, Steven P Hooker. Potential Effects of Replacing Sedentary Time With Short Sedentary Bouts or Physical Activity on Mortality: A National Cohort Study. American Journal of Epidemiology, 2018; DOI: 10.1093/aje/kwy271.
  • Columbia University Irving Medical Center. “Physical activity, any type or amount, cuts health risk from sitting.” ScienceDaily. ScienceDaily, 14 January 2019.
  • Levante da Cadeira e Reduza seu Risco de Câncer! – www.DrRondo.com
  • Fique 30 Minutos a Menos Sentado e Viva Mais – www.DrRondo.com
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *






















                           Clique aqui para saber mais detalhes >




 
close-link
close-link