Alimentação

Sálvia: Incrível para Resfriados e Sintomas da Menopausa

A sálvia é uma planta da família da menta, muito similar ao alecrim, conhecida pelos seus usos na culinária e na medicina popular. Existem vários tipos pelo mundo, mas em todo canto ela é bem conhecida e aproveitada!

Além de fibras, a sálvia contém vitaminas A, C, K e minerais como ferro, magnésio, manganês e cálcio. Mas como é usada apenas como tempero, as concentrações dessas vitaminas e minerais são bem baixas quando a consumimos.

O que você deve ter em mente sobre esta planta são outros benefícios importantes, que vem de flavonoides como apigenina, diometina e luteolina, contidos nos óleos voláteis da sálvia…

Memória e menopausa

A sálvia é popularmente conhecida por ajudar a memória. O conhecimento popular foi de certa forma confirmado por pesquisadores britânicos, que descobriram que o tempero melhorou a cognição de jovens adultos.

Outra pesquisa, feita em 2011, na Suíça, avaliou o uso da sálvia para ajudar mulheres que sofriam com as ondas de calor típicas da menopausa. Depois de 8 semanas de tratamento, elas relataram melhoras de 50 a 100% das ondas de calor.

Dor de garganta e resfriados

A sálvia também é uma boa opção para casos de dores de garganta. Ela alivia essa condição, e pode ser associada a outros produtos naturais em um chá que dá um verdadeiro nocaute nos sintomas de resfriados.

Você vai precisar de:

  • canela, que contém compostos que reduzem a congestão;
  • folhas de louro, que ajudam a desobstruir as vias respiratórias;
  • limão, que ajuda a reduzir o acúmulo de muco;
  • e, claro, a sálvia, que alivia a dor de garganta.

Como preparar:

Deixe de molho meia colher de chá de canela e de sálvia e uma folha de louro em 200 ml de água quente. Coe e acrescente uma colher de sopa de suco de limão. Se você preferir o seu chá doce, acrescente mel.

Quer tratamento natura melhor que esse? Será o alívio que você precisava. Pode apostar! Além disso, use-a para temperar seus alimentos. Uma delícia para o paladar e também para a saúde!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *