Saúde

Resistência a Antibióticos: Pior do que se Pensava!

Quando eu comento sobre a importância de você se alimentar com peixes selvagens, que não são criados em cativeiro, é disso que eu estou falando. Veja só o que uma pesquisa conjunta entre pesquisadores brasileiros e dinamarqueses descobriu com relação à resistência a antibióticos…

Para melhor entender como ocorre esse perigoso processo, eles utilizaram o pacu, conhecido peixe sul-americano muito criado em cativeiro. Foram administradas algumas doses de antibióticos na comida dos peixes para ver como se comportavam.

A primeira conclusão dos pesquisadores era algo já sabido: que as doses ocultas de remédios na ração aumentaram nos animais os genes responsáveis pela resistência aos antibióticos.

Porém, um segundo fator alarmou os cientistas. Eles descobriram diferentes mecanismos pelos quais esses genes de resistência se espalham entre as bactérias intestinais dos peixes – inclusive envolvendo vírus.

Resumindo: a resistência a antibióticos pode ocorrer mais facilmente do que se imaginava, aumentando muito os riscos para toda a cadeira alimentar. E é sempre bom lembrar que nós também fazemos parte dela! 

Cuidado com a resistência a antibióticos!

Quando nos alimentamos de produtos à base de animais de cativeiro, consumimos junto as pequenas doses de antibióticos que eles costumam receber, na ração ou mesmo diretamente.

Os remédios são ministrados numa tentativa de mantê-los saudáveis, já que vivem em ambientes totalmente não naturais, com risco de doenças. Portanto, quando você opta por consumir carne de peixes selvagens, ou de gado criado livre pastoreando, está comendo algo mais natural e provavelmente livre dessas pequenas – mas perigosas – doses de antibióticos.

E fique atento: o mesmo vale para produtos como leite, queijo e outros derivados. Por último, mas também muito importante: evite tomar antibióticos por conta própria. Foque na prevenção das doenças.

Mas, se por acaso precisar usá-los, faça o tratamento conforme a recomendação médica para que não ajude na formação de bactérias resistentes. Dependemos da consciência de todos para um futuro mais saudável!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *