Rejuvenescimento e uma Pele Incrível com o Óleo Essencial de Astragalus

Como sempre comento, a natureza tem tudo o que precisamos para uma boa saúde. E nos óleos essenciais vemos como tudo isso é a mais pura verdade, pois eles concentram os princípios ativos e consequentemente os benefícios das plantas das quais são feitas. É o que ocorre com o óleo essencial de astragalus.

Conforme falei em um post especial (clique aqui para ler), o astragalus é uma raiz chinesa usada milenarmente na medicina tradicional desse país. E os estudos mais recentes sugerem que esse conhecimento antigo tinha razão.

Já se concluiu que o uso dessa raiz é incrível para manter uma pele jovem e saudável, além de funcionar como uma “fonte da juventude” ao ajudar na proteção dos seus telômeros. Se in natura já é tão incrível, imagina o que o óleo essencial de astragalus pode fazer por você!

Usos do óleo essencial de astragalus

O óleo essencial de astragalus, assim como a raiz em si, possui flavonoides antioxidantes e minerais como zinco, cobre, ferro, cobre, manganês, selênio, potássio e sódio.

Da mesma forma, ele pode ser bom para sua pele, melhorar sua saúde cardiovascular, prevenir o entupimento das artérias e funcionar como um ótimo óleo para massagens.

E, é claro, há também a questão do rejuvenescimento. O que ocorre é que o astragalus, assim como seu óleo essencial, ativa sua telomerase, a enzima que ajuda seu corpo a atenuar a morte celular, tendo como resultado um corpo mais jovem e saudável. É importante lembrar que, além do óleo essencial, há outros produtos derivados do astragalus, desde a raiz in natura até cápsulas, chás e tinturas.

Cuidados com relação ao uso do óleo

Assim como os outros óleos essenciais, é indispensável que você não use o óleo essencial de astragalus por conta própria e sem acompanhamento de um médico habituado a tratamentos naturais.

Não substitua nenhum tratamento que esteja fazendo e não tome decisões por conta própria! Grávidas e lactantes, especialmente, devem ter cuidado. Aproveite com responsabilidade e Supersaúde!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *