Proteção Natural Contra Resfriados e Problemas Pulmonares

As pesquisas intensas sobre uma terapêutica eficaz para o Covid-19 estão ocorrendo em todo o mundo. São mais de 80 ensaios clínicos em andamento…

Quero comentar de um elemento extremamente barato, e que vem sendo testado com mais ênfase desde que a SARS atingiu 26 países, em 2003.

Alguns pesquisadores canadenses, que depois se juntaram a uma equipe chinesa, vem testando esse grande aliado imunológico natural, que já tem se mostrado de grande valia contra vários vírus, incluindo SARS, Ebola e H1N1.

Agora, os ensaios clínicos miram no novo coronavírus.

Trata-se da quercetina: um poderoso antioxidante com potencial imunológico e antiviral surpreendente.

Além disso, ele evita as tempestades pro-inflamatórias causadas pelas citoquinas, responsáveis pelas infecções graves e mortes por COVID-19.

Como ela age? De 3 maneiras:

  • Inibe a habilidade viral de infectar as células
  • Reduz a replicação das células já infectadas
  • Reduz a resistência das células já infectadas ao tratamento antiviral

Veja o que os estudos mostram:

Em publicação de 1985, se evidenciou que a quercetina inibe a infectividade e a replicação viral em condições como: herpes simples, vírus sincicial respiratório e poliomielite, entre outros.   

No ano de 2004, em estudo emanimaisque investigou seus efeitos terapêuticos contra a gripe, utilizando cepa do vírus H3N2, os autores comentaram:           

    “Durante a infecção pelo vírus influenza, há ‘estresse oxidativo’. Como a quercetina restaurou as concentrações de muitos antioxidantes, propõe-se que seja útil como um medicamento na proteção do pulmão dos efeitos deletérios dos radicais livres derivados do oxigênio liberados durante a infecção pelo vírus influenza”.

Em 2007, após o episódio da gripe aviária, estudo em soldados, realizado pelo Departamento de Defesa dos EUA, mostrou que a quercetina poderia proteger contra infecções virais mortais.

Submeteram ciclistas a estresse intenso por 3 dias, sendo que uma parte do grupo recebeu, durante 5 semanas antes desse desafio, 1.000 mg de quercetina, combinado com vitamina C (que aumenta os níveis plasmáticos de quercetina) e niacina ​​ (para melhorar a absorção) diariamente.

No final, 45% do grupo placebo ficou doente, enquanto apenas 5% do grupo da quercetina adoeceu.

Em 2008, estudo mostrou que os animais tratados com quercetina foram desafiados com um vírus da gripe H1N1 altamente patogênico, aonde o grupo tratado teve morbimortalidade significativamente menor do que o grupo placebo.           

Outro estudo em 2010, também com animais, descobriu que a quercetina inibe os vírus influenza A e B. E mais, os vírus não conseguiram desenvolver resistência à quercetina, e quando usada associada a medicamentos antivirais, gerou um efeito terapêutico amplificado.   

Pesquisa de 2014 observou que a quercetina pode ser “um tratamento promissor para o resfriado comum”. Age reduzindo o dano oxidativo, a replicação e carga viral e inflamação pulmonar.      

Outro estudo, de 2016, descobriu que a quercetina oferecia proteção contra o vírus influenza A, H1N1, H3N2 e H5N1. Isso indica tratar-se de uma ótima opção terapêutica natural contra esse tipo de infecção.           

Em um estudo em animais, de 2016, observou-se que a quercetina também inibe o vírus da dengue, da hepatite B e C.       

Agora, em 2020, uma publicação mostrou que a quercetina “fornece proteção abrangente contra a infecção por Streptococcus pneumoniae“, tanto in vitro quanto in vivo.           

Mas a quercetina pode fazer mais do que essa eficiência contra vírus, protegendo também contra:

  • fadiga e estresse;
  • dano oxidativo ligado a doença de Alzheimer;
  • redução da pressão arterial;
  • fortalece os vasos sanguíneos;     
  • diabetes e obesidade.

Aonde você encontra?

1. As fontes alimentares são a sua primeira escolha. É encontrada especialmente em.

  • Cebola roxa             
  • Cebola branca                                 
  • Pimentão verde                               
  • Maçã vermelha                   
  • Alface americana                            
  • Tomate    

2. Suplemento com quercetina. Segundo as publicações, cápsulas de 500 mg ao dia oferecem bons resultados. No caso de pessoas infectadas pelo vírus, a sugestão dos estudos é 1 cápsula 2 vezes ao dia.

Nos dias de hoje, qualquer ajuda é fundamental. E quando estamos falando de algo natural, encontrado nos nossos alimentos, melhor ainda! Supersaúde!

Referências bibliográficas:

  • Am J Physiol Regul Integr Comp Physiol. Aug 2008;295(2):R505-9
  • J Infect Dis Preventive Med. May 2014
  • AJP Regulatory Integrative and Comparative Physiology. 2008; 295 (2): R505
  • Asian Pac J Trop Med. Jan 2016;9(1):1-7
  • J Agric Food Chem. 2004;52 (25: 7514-7517
  • J Pharmacol Exp Ther. Jul 2002;302(1):66-72
  • J Agr Food Chem. 2007;55 (15):6154-6159
  • Journal of Medical Virology. January 1985 DOI: 10.1002/jmv.1890150110
  • Antiviral Research. Nov 2010;88(2):227-35
  • Experimental Lung Research. 2005; 31(5)
  • Journal of Agricultural and Food Chemistry. 2016; 64(21): 4416-4425
  • Viruses. Jan 2016; 8(1): 6
  • Asian Pacific Journal of Tropical Medicine. January 2016; 9(1): 1-7
  • Virologica Sinica. August 2015; 30(4): 261-268
  • Hepatology. Dec 2009;50(6):1756-64
  • Microbial Pathogenesis. March 2020; 140: 103934
  • Clinical & Experimental Immunology. November 2004; 138(2): 195-201
  • Journal of the American Dietetic Association. Apr 2011;111(4):542-9
  • Journal of Infectious Diseases and Preventive Medicine. May 24, 2014; 2:111
  • American Journal of Physiology. August 1, 2008

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




























               Clique aqui para saber mais detalhes >




 
close-link
close-link