Prevenção

Protetor Solar: Indutor ou Protetor contra Câncer de Pele?

O grande questionamento que tem surgido é sobre o protetor solar. Será que ele causaria câncer de pele ou realmente seria o grande aliado protetor?

Em nome do combate ao câncer, frequentemente continua se incentivando o uso diário de um produto que esgota do seu corpo um nutriente vital…

Por um lado, do National Institutes of Health à American Cancer Society, todos acreditam que o filtro solar é a melhor maneira de combater o câncer e o envelhecimento.

Mas o que eles não estão dizendo é que cada gota de protetor solar esfregada na pele bloqueia a capacidade do seu corpo de produzir vitamina D, talvez a vitamina mais importante na sua luta contra o envelhecimento.

Os estudos clínicos da Mayo Clinic, Harvard, e do American Journal of Clinical Nutrition confirmam que a vitamina D pode ajudar:

  • a aliviar o desconforto nas articulações
  • melhorar ossos frágeis e quebradiços
  • aumentar a densidade óssea
  • combater resfriados e gripes
  • melhorar a memória
  • rejuvenescer a pele envelhecida
  • reduzir pés de galinha, linhas finas, rugas e manchas senis
  • melhorar a resposta imunológica
  • aumentar a perda de peso
  • melhorar a proteção cardíaca
  • reduzir o risco de TODOS os cânceres em incríveis 77%, em especial melanoma maligno, câncer de mama e leucemia
  • inibir a angiogênese, o crescimento de novos vasos sanguíneos que permitem a disseminação de células cancerígenas através do corpo
  • aumentar a expectativa de vida
  • reduzir risco de depressão e demência
  • reduzir condições inflamatórias, como lúpus, artrite reumatoide e doença de Crohn.

Será que existe nutriente ou qualquer fator que tenha tais benefícios anticâncer consistentes como a vitamina D?

E os suplementos? Seriam suficientes para resolver o problema?

Hoje a maioria das pessoas está deficiente dessa “vitamina do sol”.

Segundo um estudo publicado no Archives of Internal Medicine, os americanos não compensam com sucesso a perda de vitamina D. Apesar do aumento expressivo da suplementação de vitamina D e do uso de leite fortificado com vitamina D, há uma epidemia de deficiência desta vitamina. Entre cada sete americanos há pelo menos uma pessoa deficiente.

Cerca de 83% das pessoas que vivem na Arábia Saudita, uma das regiões mais ensolaradas do planeta, apresenta baixos níveis de D.

A Mayo Clinic descobriu recentemente que 100% dos afro-americanos, hispânicos e nativos americanos que testaram, tinham baixos níveis.

E em outro estudo realizado também por eles, descobriu-se que 93% de 150 crianças em idade escolar e adultos eram deficientes em D, ou seja, um problema que afeta uma porção extremamente grande da população.

Agora veja as citações apresentadas por de alguns profissionais especialistas no assunto:

“Como a vitamina D é tão barata e reduz claramente a mortalidade por todas as causas, posso dizer com grande certeza: a vitamina D representa a única intervenção médica com melhor custo-benefício nos Estados Unidos.” – Dr. Greg Plotnikoff, Diretor Médico, Penny George Institute of Health and Healing, Abbott Northwestern Hospital, em Minneapolis.

“Acredito que [a vitamina D] é o avanço de saúde pública número um em medicina nos últimos vinte anos.” – Dr. John Whitcomb, Aurora Sinai Medical Center.

“Isso é como o Santo Graal da medicina do câncer; a vitamina D produziu uma queda nas taxas de câncer maior do que a de parar de fumar, ou mesmo qualquer outra contramedida existente.” – Dennis Mangan, cientista do laboratório clínico.

“Nenhum outro método para prevenir o câncer foi identificado e tem um impacto tão poderoso.” – Dr. Cedric Garland, especialista em vitamina D.

“A vitamina D é, sem dúvida, o nutriente milagroso do século” – Mike Adams, pesquisador de saúde natural e autor.

“Eu desafiaria qualquer um a encontrar uma área ou nutriente ou qualquer fator que tivesse benefícios anticâncer consistentes como a vitamina D. Os dados são realmente notáveis.” – Dr. Edward Giovannucci, especialista em vitamina D.

“Em todos os meus muitos anos de prática de medicina, nunca vi uma vitamina, nem mesmo vitamina C, ter efeitos tão profundos na saúde humana.” – Dr. Soram Khalsa, especialista em medicina e diretor médico d East-West Institute for Medical Research.

E se todos esses elogios não lhe convencerem a aumentar seu aporte de vitamina D, aqui estão alguns dados de pesquisa que podem:

“Estimamos que a deficiência de vitamina D é a condição médica mais comum no mundo.” – Dr. Michael F. Holick, especialista em vitamina D.

A melhor maneira de obter sua vitamina D é através de sua pele

Seu corpo é feito para obter vitamina D da luz solar brilhando e em contato com a pele. A radiação UVB do sol se combina com o colesterol da sua pele, desencadeando uma reação bioquímica complexa que resulta em níveis saudáveis ​​de vitamina D entrando para a corrente sanguínea.

De fato, depois de apenas 30 minutos de exposição ao sol no verão, sua pele pode produzir até 10.000 UI de vitamina D para ajudar seu corpo a permanecer forte e saudável.

Sem o sol, você precisa engolir punhados de suplementos de vitamina D para obter algum resultado. Mesmo assim, você ainda está perdendo muitos dos benefícios antienvelhecimento mais poderosos da vitamina D.

Fisiologicamente, quando a luz solar atinge sua pele, essa vitamina entra na corrente sanguínea, vai para o fígado, e na sequência é ativada nos rins e enviada aos órgãos…

Porém, se você estiver ao sol fazendo uso de protetor solar, não haverá produção vitamina D 97% das vezes!

Níveis terapêuticos

O que estes especialistas consideram suficiente vitamina D?

Não são os 30 nmol / L, como muitos dizem. Nem mesmo 50 nmol / L.

Segundo eles e os estudos, você precisa de pelo menos 75 nmol / L.

O resultado mais comum que vejo nos pacientes é cerca de 30 nmol / L.

E isso é muito baixo para proteger seus ossos, seu coração e seu sistema imunológico, segundo a literatura.

Mas lembre-se que a vitamina D pode se tornar tóxica, portanto só a suplemente monitorada pelo seu médico, que lhe prescreverá a dosagem suficiente para ter um efeito terapêutico.

Apenas certifique-se de que, ao comprar a vitamina D, seja a forma D3 (colecalciferol), e não a D2, uma forma inativa de D que é cerca de 10 vezes menos eficaz porque é difícil para o corpo absorver e usar.

É importante associar vitamina K2 (MK7), magnésio e cálcio, para que se tenha o melhor resultado possível evitando depósitos de cálcio em lugares inadequados.

Além disso, uma vez que D é solúvel em gordura, tome-a sempre com algum alimento que contenha gordura / óleo. Outra dica: quando for tomar sol, fique alguns minutos sem o protetor solar, e só depois se proteja. E lembre-se: a prevenção é a melhor medicina!

Referências bibliográficas:

  • Am J Epidemiol. 2013;177:171-179
  • Mayo Clin Proc. 2003;78:1463-1470
  • Am J Clin Nutr. 2004
  • Eur J Clin Nutr. 2004 Apr;58(4):563-567
  • Am J Clin Nutr. 2007 Jun;85(6):1586-1591
  • J Geriatr Psychiatry Neurol. 2008 Dec 10
  • J Neurol Neurosurg Psychiatry. 2009 Jul;80(7):722-9
  • Diabetes Care. May, 2009
  • Nutra Ingredients-usa.com. 11 Jun 2009
  • Archives of Internal Medicine. April 2009
  • Vitamin D: The Dynamite Vitamin That’s Not Really A Vitamin! September18, 2013
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *