6 Sintomas de Problemas Intestinais que Você Deve Prestar Atenção

Você já me viu, por várias vezes aqui no site, citar Hipócrates, o pai da medicina. Ele sempre dizia que “todas as doenças começam no estômago”, algo verdadeiro e que muitos ainda insistem em não compreender. Precisamos nos lembrar que nossos intestinos estão repletos de bactérias, com a função de ajudar a digestão.

A grande questão é que há bactérias boas, que desempenham esse papel, e bactérias ruins, que podem prejudicar a sua saúde. Quando o equilíbrio pende para o lado dos “bichinhos do bem”, seu organismo funciona perfeitamente e sua saúde vai de vento em popa. Elas inclusive lhe protegem de doenças, sendo a primeira barreira contra micro-organismos prejudiciais.

Por outro lado, é claro, se as bactérias ruins são a maioria, você perde essa proteção. Para manter tudo em ordem e uma flora intestinal saudável é preciso consumir fibras e alimentos probióticos, como os fermentados. Pode-se também agregar um bom suplemento probiótico, algo que ajuda bastante. Você pode saber um pouco mais sobre isso clicando aqui e vendo alguns artigos especiais sobre o assunto.

Desvendando problemas intestinais

Mas como saber se seus intestinos vão bem? A dica é ter atenção a alguns sintomas e sinais que indicam se essa engrenagem está ou não funcionando da forma correta. Alguns são óbvios e conhecidos. Outros, nem tanto. Vamos conferir…

1 – Obesidade e excesso de peso

Este sintoma não é 100% determinante, ou seja, estar acima do peso não significa necessariamente que você tem problemas intestinais. Mas muitos estudos indicam uma relação entre o ganho e aumento de peso e a saúde dos intestinos. Se você vem lutando contra a balança, vale a pena checar sua saúde intestinal. Ali pode estar a resposta tão procurada sobre o motivo da sua silhueta não lhe agradar.

2 – Problemas de pele

Sua pele também pode ser um indicador de problemas intestinais. Condições como psoríase e eczema estão também relacionadas aos intestinos. Enquanto a psoríase pode ser vista como um sinal de desequilíbrio entre as bactérias boas e ruins, o eczema costuma ser sintoma de intestino permeável.

3 – Comprometimento da saúde mental

Pesquisas indicam que pessoas que sofrem com depressão e ansiedade podem também ter desequilíbrios na flora intestinal. Testes em animais já demonstraram que a melhora da ecologia intestinal, com acréscimo de bactérias boas, auxilia na melhora da saúde mental. Isso porque as bactérias intestinais também atuam produzindo neurotransmissores como a serotonina, fundamental nesses casos.

4 – Doenças autoimunes

Quando seu intestino está inflamado ou “vazando”, alguns componentes da alimentação, que deveriam ser digeridos, acabam indo parar em outras partes do corpo. Seu sistema imunológico, então, entra em ação. Essa resposta acaba sendo direcionada a esses tecidos. Portanto, doenças autoimunes podem ser um forte indicativo de problemas intestinais. Mais um motivo para você cuidar da flora intestinal ANTES que isso ocorra!

5 – Intolerância alimentar ou alergias

Aqui, ocorre o mesmo que no caso da doença autoimune. Tanto com o vazamento intestinal quanto com a falta de bactérias boas, as substâncias podem sair dos intestinos e desencadearem reações alérgicas.

6 – Constipação ou diarreia

Esses são os mais óbvios. Sentir-se sempre inchado após comer e não ir ao banheiro com frequência são sinais claros de que algo não vai bem com seus intestinos. O contrário também é verdadeiro, e sempre nos preocupamos quando passamos por uma diarreia. Quando essas condições passam a ser frequentes, é motivo de alerta, pois indicam problemas de ecologia intestinal.

Se alguns dos casos acima se encaixam para você, é hora de tomar as rédeas da situação e melhorar sua flora intestinal. Seu corpo sempre oferece os sinais de que precisa de ajuda, e é necessário saber interpretá-los! Melhore a ecologia dos seus intestinos e tenha uma Supersaúde!

Referências bibliográficas:

  • Postgrad Med. 2015;127(8):863-8.
  • Clin Exp Allergy. 2013;43(12):1374-83.
  • Clin Exp Allergy. 2011;41(1):20-8.
  • Trends Neurosci. 2013;36(5):305-12.
  • Br J Dermatol. 2019;181(6):1287-1295.
  • Med Sci Sports Exerc. 2018;50(4):747-757.
  • J Nutr Biochem. 2019;66:63-69.
  • Sci Rep. 2018;8(1):11341.
  • J Nutr. 2018;148(2):209-219.
  • Nutr Cancer. 2017;69(6):943-951.
  • Sci Transl Med. 2011;3(106):106ra106.
  • J Nutr. 2013;143(3):274-83.
  • PLoS ONE. 2010;5(11):e15046.
  • Anaerobe. 2014;26:1-6.
  • Br J Nutr. 2014;111(12):2146-52.
  • Br J Nutr. 1998;80(4):S209-12.
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




























               Clique aqui para saber mais detalhes >




 
close-link
close-link