Saúde

O Ataque Cardíaco do Presidente da Associação Americana do Coração

Mais um caso de uma vítima da sua própria criação: o embuste do colesterol, um verdadeiro paradoxo de saúde.  Recentemente, no final de novembro de 2017, o presidente da American Heart Association (AHA) , o cardiologista John Warner, de 52 anos, sofreu um ataque cardíaco no meio de uma Conferência de Saúde em Anaheim, Califórnia.

Nessa oportunidade, em parte do seu discurso, o Dr. Warner, comentava do foco da sua luta e da própria família com doenças cardíacas:

“Depois que meu filho nasceu e nós o apresentamos a sua família extensa, percebi algo muito perturbador: não havia homens velhos dos dois lados da minha família. Nenhum. Todos os ramos da nossa árvore genealógica são cortados por doenças cardiovasculares”.

“Juntos, podemos garantir que os velhos e as velhas sejam regulares nas reuniões familiares, que as pessoas vivam o tempo suficiente e saudável para desfrutar de passeios e viagens de pesca com seus netos e talvez até seus bisnetos. Em outras palavras, espero um futuro onde as crianças cresçam cercadas por tantos parentes saudáveis e amados que não poderiam imaginar a vida de outra maneira”.

Com isso, vários comentários surgiram:

“Será que ele vai acordar e começar a olhar a causa real de doença cardíaca?”

“Se o próprio presidente da American Heart Association (AHA) não consegue prevenir sua própria doença cardíaca, então porque nós devemos acreditar nessa estratégia de saúde que ele defende?”

“Aparentemente, ele não sabe como prevenir ataques cardíacos contra qualquer outra pessoa.”

“Imagino que ele estivesse fazendo a Dieta do Dr. Atkins!”

As recomendações da American Heart Association (AHA) pioram a saúde cardíaca

No ano passado, a AHA apresentou seu controverso Conselho Mundial, dizendo que as gorduras saturadas, como a manteiga e o óleo de coco, eram vilões, que deveriam ser evitados para a redução do risco de doença cardiovascular e substituídos por margarina e óleos vegetais, o que promoveria uma redução do risco cardíaco em 30%.

Se o Dr. Warner estava seguindo esses conselhos desatualizados, não é de se admirar que ele tenha sofrido um ataque cardíaco, pois as recomendações da AHA são a receita para um desastre de saúde cardíaca.

Alimentos cientificamente comprovados para causar doenças cardíacas e artérias obstruídas

Segundo Gary Taubes, escritor de ciência norte-americano em sua extensa refutação ao aconselhamento da AHA, a associação tira conclusões erradas apoiadas em quatro ensaios clínicos publicados na década de 1960 e início dos anos 70, período quando o mito de baixo teor de gordura nasceu e cresceu.

Desde então, quando os óleos vegetais começaram a ser promovidos sobre gorduras saturadas como a manteiga, os americanos seguiram obedientemente esse conselho, aumentando dramaticamente o consumo de óleo vegetal. O consumo de óleo de soja aumentou 600%, enquanto o consumo de manteiga, sebo e banha foi reduzido para menos da metade. Paralelo a isso, também houve aumento importante do consumo de açúcar, também implicado na contribuição para doenças cardíacas e outros problemas de saúde crônicos.

E seguindo esses conselhos da “dieta saudável para o coração”, as taxas de doenças cardíacas não melhoraram, e os americanos ficaram mais gordos e doentes. Portanto, se o conselho da AHA não funcionou nos últimos 65 anos, não vai funcionar agora.

A ciência nutricional vem fazendo progressos significativos desde então, e uma série de estudos consistentes derrubaram firmemente a hipótese de que a gordura saturada causa doenças cardíacas, não se evidenciando associação alguma.

A pesquisa moderna está agora começando a revelar o que realmente acontece no nível molecular quando você consome óleo vegetal e margarina, e as notícias não são boas.

Carta aberta ao presidente da AHA

Em uma carta aberta ao presidente da AHA, Warner, o Dr. William Davis, um cardiologista de Nova York e autor do best-seller do New York Times “Wheat Belly: Barriga de Trigo”, escreve, em parte:

“Se você ignora o absurdo que a política da AHA determina, você pode assumir o controle sobre o risco cardiovascular. Mas você NÃO encontrará as respostas em nenhuma política da AHA. Eu aprendi essas lições praticando como um cardiologista intervencionista, e depois abandonando essa maneira ridícula de gerenciar a doença coronária para dedicar meus esforços à detecção e prevenção precoce.

Então, eu pensei que poderia articular alguns desses pensamentos em uma carta aberta ao Dr. Warner enquanto ele se recupera de seu procedimento… Dr. Warner – Há uma série de razões pelas quais alguém como você – profundamente entrincheirado no mundo convencional de gerenciamento de doenças cardíacas e o que passa pela prevenção – destaca o miserável fracasso que representa o paradigma moderno do cuidado coronário:

  1. Estamos presos pela hipótese de lipídios obsoleta, mas rentável…
  2. Sabemos de dados abundantes que pequenas partículas de LDL propensas a oxidação e glicação são altamente aterogênicas… são potentes gatilhos da cascata de inflamação… e são desencadeadas em graus abundantes em alguns genótipos após o consumo da amilopectina A de grãos…

E esse é o alimento que a American Heart Association aconselha para preencher a dieta – e açúcares … Espero que, agora que esta doença o tenha tocado pessoalmente, seus olhos serão abertos às políticas corruptas e absurdas da American Heart Association e do cuidado coronariano convencional.

Davis continua a comentar que a doença cardíaca é um problema multifatorial que não pode ser resolvido com uma pílula:

“Pensar que uma droga de estatina é suficiente para evitar eventos coronários é absurda e excessivamente simplista, como pensar que tomar Aricept para demência irá parar a doença – é claro, não faz tal coisa”, ele escreve, acrescentando: “Não há drogas para “tratar” muitos dos contribuintes para a aterogênese coronariana. Mas há muitas estratégias de não drogas para identificar, então, corretas, tais causas”.

As estratégias de prevenção sugeridas por Davis incluem:

• Evitar fatores alimentares que provoquem resistência à insulina, glicação e formação de pequenas e densas partículas de LDL. Aqui inclui evitar as gorduras prejudiciais recomendadas pela AHA, como a margarina e os óleos vegetais processados, e manter seu consumo diário total de frutose abaixo de 25 gramas por dia.

• Otimizar o seu nível de vitamina D.
• Aumentar a sua ingesta de gordura ômega-3: causa uma “redução dramática em eventos cardiovasculares”, observa Davis.

Enquanto isso, a AHA recomenda a ingestão mais alta de ômega-6, dizendo: “Dados agregados de ensaios randomizados, estudos de casos e controles de corte, e experimentos de alimentação de animais a longo prazo indicam que o consumo de pelo menos 5% a 10% de energia de ômega -6 PUFAs reduz o risco de doença cardíaca coronária em relação à menor ingestão.

• Controle da sua função tireoidiana.

• Melhora da ecologia intestinal para tratar a disbiose causada pelo excesso de açúcar, água clorada e fluoretada, exposição a antibióticos, pesticidas e medicamentos comuns contra a azia.

Diga não aos mitos da gordura saturada! Gorduras naturais são importantes para a sua saúde!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >
Médico, Cirurgião Vascular especializado em medicina preventiva e alta performance. Possui vários artigos publicados em revistas médicas, além de 8 livros com temas relacionados à nutrição, medicina preventiva e esportiva. (CRM 47078)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acabei de escrever uma nova Dica! Quer Receber?

Junte-se aos mais de 223 mil leitores inteligentes que recebem dicas exclusivas sobre Saúde, Alimentação e Bem-estar e conquiste uma super saúde (É gratis)!
QUERO RECEBER
close-link