Alimentação

Pitaya: Mais que uma Fruta Exótica

A pitaya, ou dragon fruit, como também é conhecida, é uma fruta exótica cultivada em zonas tropicas ou subtropicais. Ela é originária da América Central, mas também é muito produzida por países asiáticos.

Vamos combinar algo: ela realmente chama atenção! E uma coisa que talvez você nem imagine quando vê esse vegetal tão diferente no mercado é que ela, na verdade, é o fruto de um tipo de cacto. Incrível, não é mesmo?

Por baixa dessa casca tão diferente e colorida, se esconde uma polpa muito saborosa e saudável. Se você já achava a pitaya bonita, imagine agora ao saber de tudo o que ela é capaz!

Vitaminas, minerais e muito mais

As principais vitaminas presentes são as do complexo B e a C. A cada 100g de pitaya você encontrará 9,2g de vitamina C disponíveis, o que equivale a 11% da necessidade diária tradicionalmente recomendada. Então, se quer evitar gripes e resfriados, ela pode ser uma boa opção.

Dentre os minerais, contém sódio e cálcio, sendo este último presente nas mesmas proporções ideias da vitamina C. Ou seja, 100g de pitaya vão garantir cerca de 11% diários desse mineral, tão necessário para manter ossos e dentes saudáveis.

Agora, o seu coração também vai bater mais forte… Literalmente. Os tons avermelhados que tanto chamam atenção são resultado do licopeno, que também está presente nos tomates. Trata-se de um antioxidante poderoso que garante proteção cardiovascular.

Gorduras e proteínas

Um dado interessante sobre essa fruta é que ela contém também uma pequena porcentagem de proteínas, além de gorduras poli-insaturadas, como os ômegas 3 e 6.

Como você sabe, esses são óleos que nosso corpo não produz e precisam ser ingeridos pela alimentação. Como hoje temos muito junk food repleto de gorduras ruins, acabamos com a proporção entre ômegas 3 e 6 desbalanceada, consumindo muito do ômega 3…

Portanto, você deve focar no ômega 6. Lembre-se que, embora algumas sementes e frutas o contenham, as melhores fontes continuam sendo as animais, como o óleo de peixe ou óleo de krill – sendo esse último a melhor opção.

Cuidado com a frutose!

E quando o assunto são frutas, nunca é demais lembrar que você deve evitar excessos. A pitaya contém uma quantidade considerável de frutose, o açúcar das frutas.

Embora nesse caso ele seja natural, quando muito consumido pode afetar sua sensibilidade à insulina, trazendo problemas para a saúde cujo último resultado é a diabetes.

Então, ao consumir a pitaya, prefira colocá-la em smoothies verdes. Ela vai ajudar a adoçar a bebida e ser contrabalanceada pelas fibras dos vegetais folhosos. Uma verdadeira delícia tropical! Aproveite!

Referências bibliográficas:

  • Food Facts Mercola. Dragon Fruit. Oct. 2016.
  • Ariffin AA, Bakar J, Tan CP, Rahman RA, Karim R, Loi CC (2008). “Essential fatty acids of pitaya (dragon fruit) seed oil”. Food Chemistry. 114 (2): 561–564.
  • “Hylocereus undatus (dragon fruit)”. CABI. 3 Jan. 2018.
  • https://www.drrondo.com/oleo-de-krill-omega-3/
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *