Os Perigos dos Aromas Sintéticos para sua Saúde

Uma grande preocupação que precisamos ter atualmente é com o perigo dos aromas sintéticos. No caso, perfumes ou fragrâncias.

Estamos sendo bombardeados com esses contaminantes, muitas vezes sem saber. Esses químicos sintéticos são derivados do petróleo em 95% dos casos e estão mascarados nos rótulos.

Eles promovem não apenas sintomas de curto prazo, como alergias e problemas respiratórios, mas também dores de cabeça, tontura, náusea e nevoeiro cerebral. Podem ainda ocorrer condições mais sérias como:

1. Desregulação endócrina

Promove alteração da sua saúde hormonal, podendo desencadear ganho de peso e outras alterações endocrinológicas, predispondo para doenças mais sérias no futuro.

2. Reações alérgicas e tóxicas

Desencadeiam com alta frequência irritações nos olhos, nariz e garganta; sinusite, dores de cabeça e enxaquecas e dermatites de contato.

3. Neurotoxicidade

Nos casos de repetições seguidas de exposição, podem desencadear sintomas de fog mental, comprometimento cognitivo e sinais de neurotoxicidade.  

4. Asma e outras dificuldades respiratórias

Nos asmáticos, podem exacerbar a diminuição do fluxo respiratório e até causar irritação pulmonar.   

5. Autismo infantil e outros defeitos congênitos

As mulheres grávidas precisam ser extremamente cuidadosas em relação aos produtos a que estão expostas diariamente, pois há um risco de eles promoverem alterações na vida do feto em desenvolvimento. Estão relacionados a autismo, sintomas de transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e distúrbios neurológicos.

6.Câncer

Na prevenção do câncer, a Breast Cancer Fundation orienta que se evite fragrâncias sintéticas, pois há evidências convincentes de que muitos desses produtos podem ser carcinógenos humanos.

Os mais conhecidos são os derivados do benzeno (cancerígenos), aldeídos, tolueno e muitos outros produtos químicos tóxicos conhecidos relacionados ao câncer, defeitos congênitos, distúrbios do sistema nervoso central e reações alérgicas.

Onde você encontra esses agressores?

Estão presentes no seu dia a dia e o agridem não só de forma isolada, mas na somatória da exposição a esses produtos como:

  • loções, cremes e cosméticos
  • sabonetes, xampus, condicionadores e desodorantes
  • perfumes e colônias
  • protetores solares
  • detergentes e amaciantes para a roupa
  • produtos de limpeza
  • velas aromáticas e incensos sintéticos
  • purificadores de ar (spray, de tomada, etc…)

Como esses químicos agridem o seu corpo

Veja os mais importantes e frequentes ingredientes por trás de uma fragrância:

Acetaldeído – Potencialmente carcinogênico.

Benzofenona – Desregulador endócrino e carcinogênico.

Hidroxianisole butilado (BHA) – Desregulador endócrino e carcinogênico.

Hidroxitolueno butilado (BHT) – Irritante de pele e olhos.

Salicilato de benzilo – Alergênico.

Benzoato de benzilo – Lesão de pele, mucosa e couro cabeludo.

Butoxietanol – Irritante de vias aéreas, comprometimento de glóbulos vermelhos, renal, hepático e respiratório.

Butilfenil metilpropional – Inflamação de pele e coceira.

Clorometano (cloreto de metila) – Comprometimento do sistema nervoso.

Diclorometano – Cancerígeno.

Ftalato – Cancerígeno, desregulador endócrino, irritante de vias aéreas superiores.

Formaldeído – Carcinogênico.

Oxibenzeno – Hepatotóxico.

Propilparabeno – Ligado ao câncer de mama.

Dióxido de titânio – Danos no sistema respiratório e pulmões. 

Dioxano – Possivelmente cancerígeno.

Resorcil – Compromete fígado, rim e baço.

Estireno – Cancerígeno

Portanto, procure substituir estas fragrâncias tóxicas e sintéticas por óleos essenciais naturais. Eles lhe garantirão um ótimo bem estar e prazer sem consequências desastrosas. Para isso procure ler os rótulos dos produtos antes de adquiri-los. Supersaúde!

Referências bibliográficas:

  • Environ Health Perspect. Dec 12, 1998.
  • The New York Times. Feb 24, 2010
  • Environ Health Perspect. 2010 Apr; 118(4): 565–571.
  • Arch Environ Health. 1998 Mar-Apr;53(2):138-46.
  • Am J Med. 1986 Jan;80(1):18-22.
  • Environmental Health Perspectives. 2002, vol. 112, no. 3, pp 331-338
  • Environmental Health Perspectives. 2005, vol. 113, pp 1056-1061
  • Environmental Health Perspectives. 2006, vol. 114, pp 270-276
  • Toxicological Science. 2006, vol.  93, no. 1, pp 189-95
  • Human Reproduction, 2007, vol. 22, pp 688-695
  • Journal of Toxicology and Environmental Health, Part B: Critical Reviews. 2009, vol. 12, pp 157-74
  • Human and Experimental Toxicology. 2010, vol. 30, no. 6, pp 507-14
  • Society of Reproduction and Fertility. 2010, vol. 139, pp 427-37
  • International Journal of Occupational Medicine and Environmental Health. 2011, vol. 24, no. 2, pp 115-41 
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




























               Clique aqui para saber mais detalhes >




 
close-link
close-link