Prevenção

Os 10 Causadores de Risco de Alzheimer

Surpreendentemente o último relatório do National Center for Health Statistics revelou que a taxa de mortalidade por demências, como o Alzheimer, praticamente triplicou do ano 2000 até 2017.        

E como a forma mais severa de demência, a doença de Alzheimer aumentou cerca de 55% neste mesmo período segundo dados do U.S. Centers for Disease Control and Prevention’s (CDC). Mas todos esses dados na verdade, são subestimados, pois são baseados em atestados de óbito.

Atualmente a doença de Alzheimer já é a terceira maior causa de morte e a maior preocupação das pessoas de terem o problema, superando até o câncer.

Espero que você não queira fazer parte desta estatística. Saiba que todo o problema se inicia por cerca de 20 anos antes de se manifestar, e o que fica de conselho é que comece a se cuidar o quanto antes e não a se preocupar só quando a doença começa a se apresentar.

O problema, nessa fase, começa geralmente com lapsos de memória de curto prazo que evoluem para comprometimento mais sério de habilidade cognitiva e de fala.

Se essas alterações já são notadas por seus amigos e familiares, certamente você já está com um comprometimento cognitivo leve. Porém, se já apresenta comprometimento da capacidade de viver de forma independente, pode ser o início da demência.

Sinais de alerta da doença de Alzheimer

  • Dificuldade em realizar tarefas diárias como pagar contas, calçar sapatos ou cuidar de higiene pessoal
  • Repetitivo nas perguntas e comentários
  • Faz escolhas com dificuldades
  • Faz julgamentos errados e até agressivos 
  • Comportamento social inadequado
  • Mudanças na personalidade 
  • Perda de interesse em atividades favoritas
  • Pode colocar as pessoas em perigo, como deixar o gás ou o fogão ligado
  • Se coloca em perigo saindo de casa sem destino
  • Se torna desorientada em lugares familiares
  • Não reconhece as pessoas mesmo mais próximas ou objetos familiares
  • Não admite ter um problema de memória

Condições que aumentam o risco da doença

1 – Dieta moderna

Excesso de consumo da alimentação a base de refinados, açúcar, frutose, glúten e óleos vegetais, que aumentam a resistência a insulina, sendo altamente prejudicial ao cérebro.

2 – Deficiência de ômega-3

Este ácido graxo essencial é crucial para a saúde cerebral.Quando a concentração de ômega 3 é baixa, ocorre um efeito inflamatório importante, se tornando uma condiçãoaltamente favorável para doença de Alzheimer.          

Segundo publicação no Journal of Alzheimer’s Disease, altas concentrações de ômega 3 tem atividade anti-amilóide, anti-tau e anti-inflamatória no cérebro.

3 – Níveis baixos de vitamina D

Entre todos os seus benefícios, a vitamina D é fundamental para a saúde cerebral, agindo em 3 pontos importantes na indução de Alzheimer: função imunológica, expressão gênica e inflamação.

Uma meta análise publicada na BMC Geriatrics, em 2016, mostra que uma correlação importante entre deficiência de vitamina D e demência.       

4 – Falta de exposição ao sol

Há 2 fatores fundamentais em que a deficiência de exposição ao sol influencia:

  • a luz solar emite uma frequência eletromagnética que estimula componentes da mitocôndria (citocromo c oxidase) a melhorar o transporte de elétrons e gerar energia (ATP).
  • a produção de vitamina D está diretamente ligada a exposição ao sol, e os estudos são claros sobre a importância desta vitamina na prevenção da demência.

5 – Excesso de álcool

Este é um dos fatores mais importantes que está a nosso alcance para evitar o início da demência, segundo estudo recente publicado no The Lancet Public Health em 2018 .         

6 – Sedentarismo

A falta de atividade física predispõe doença de Alzheimer e outras demências. O exercício aeróbico, especialmente de alta intensidade, pode desencadear várias ações benéficas como:

  • redução da proteína TAU a nível cerebral, que é a responsável por acelerar a morte celular cerebral
  • melhora função cognitiva e memória           
  • promove o crescimento e a conectividade das células cerebrais, por ativação do fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF)     
  • redução da proteína tóxica amiloide associada à doença de Alzheimer.

7 – Doenças cardiovasculares

Tanto a hipertensão arterial como aterosclerose estão associados com comprometimento do fluxo sanguíneo cerebral. E no caso da aterosclerose há maior estímulo de placa beta-amiloide no cérebro.

8 – Agressores ambientais

Segundo a literatura, a exposição a poluentes, pesticidas, linhas de alta tensão e até campo eletromagnético gerado por celular, Wi-Fi etc., são importantes fatores de risco, isolados ou associados.

9 – Proteína infecciosa

Trata-se da proteína TDP-43, responsável pela destruição cerebral que ocorre em vacas loucas e doenças crônicas. Ela está associada à doença de Alzheimer, e sua presença aumenta em 10 vezes as chances da doença.  

10 – Predisposição genética

Certos genes estão correlacionados com aumento de risco da doença de Alzheimer. Para riscos de início precoce, as mutações mais importantes são nos genes da presenilina 1 e da presenilina 2.

Nos casos de início tardio, o mais frequente é o gene da apolipoproteína E (APOE), o tipo e2. Por outro lado, o gene APOE e4 está relacionado com a redução de risco.

Fique ligado nesses fatores. Observá-los agora pode garantir uma terceira idade mais saudável e com independência.       

Referências bibliográficas:

  • U.S. Centers for Disease Control and Prevention’s (CDC) Morbidity and Mortality Weekly Report May 26, 2017 / 66(20);521–526
  • Reuters May 25, 2017
  • CDC.gov Dementia Mortality in the United States 2000-2017
  • AJC.com March 14, 2019
  • CNN Health March 14, 2019
  • The Lancet Public Health February 20, 2018; 3(3): PE124-E132
  • Science News February 20, 2018
  • BMC Geriatrics October 12, 2016
  • Neurology August 6, 2014/ 10.1212
  • Journal of Alzheimer’s Disease May 19, 2017
  • Medicinenet.com July 16, 2014
  • National Institutes of Health, December 4, 2018
  • New Scientist October 12, 2016
  • BBC News October 12, 2016
  • Journal of Cellular and Molecular Medicine 2013; 17(8):958
  • The Root Cause in the Dramatic Rise of Chronic Disease, May 2016
  • Alzheimer’s Association Press Release July 23, 2015
  • Medical News Today July 24, 2015
  • PNAS February 11, 2011: 108(7); 3017–3022
  • PNAS February 15, 2011: 108(7)
  • Journal of Neuroscience, April 27, 2005: 25(17); 4217-4221
  • Biomedical Reports 2016 Apr; 4(4): 403–407
  • Fox News October 12, 2016
  • Mayo Clinic, Alzheimer’s Genes
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *