Ômega 3 pode Ajudar na Luta Contra o Zika Vírus

Eu sei que estamos atualmente todos preocupados com o novo coronavírus. Mas não podemos nos esquecer que outros tipos de vírus conhecidos continuam criando problemas. No caso, estou falando do zika vírus, transmitido pelo Aedes aegypti, o mesmo transmissor da dengue.

Felizmente, nesse caso a notícia é boa. Cientistas brasileiros, da Universidade de Brasília, concluíram que o ômega 3 pode ajudar no combate aos efeitos do zika vírus, protegendo nosso organismo de alguns perigos. Na pesquisa, publicada na revista Scientific Reports, os cientistas concluíram que o óleo protege os neurônios da ação desse vírus.

Usado preventivamente, ele pode atuar na redução da carga viral, diminuição da inflamação e dos danos celulares em neurônios humanos. O ponto de partida dos pesquisadores foram as já conhecidas propriedades anti-inflamatórias e neuroprotetoras do ômega 3, os mesmos motivos que você tem para colocar este óleo na sua dieta desde já!

Benefícios do ômega 3

É até difícil enumerar todos os benefícios do ômega 3 confirmados por estudos científicos. Para você ter uma ideia, foi ele que manteve a população da Terra durante a era glacial, quando nossos ancestrais se alimentavam basicamente de animais marinhos nas costas do continente africano.

Além de dar suporte a uma boa visão, o ômega 3 reduz a glicose, aumenta o bom colesterol, fortalece as articulações e oferece fatores de proteção contra inúmeras doenças. Já se comprovou, por exemplo, que seu consumo inibe o nascimento de bebês prematuros e até previne quadros de asma em crianças!

Mas fica aqui o alerta: uma pesquisa recente concluiu que 70% das pessoas não consomem todo o ômega 3 necessário para se ter uma boa saúde. Se você ainda não se preocupa com isso, pode estar fazendo parte dessa estatística.

Portanto, procure um ômega 3 de qualidade, de preferência o óleo de krill, mais provável de estar livre de contaminantes da poluição marítima. Este é um caminho importante para todos o que buscam uma Supersaúde!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




























               Clique aqui para saber mais detalhes >




 
close-link
close-link