Infantil

Obesidade Infantil Aumenta Também o Risco de Asma

Não é preciso nem falar que a obesidade infantil é uma grande vilã do mundo moderno. As crianças acabam sendo vítimas, influenciadas pela má alimentação dos adultos, cheia de açúcar, grãos, produtos refinados e industrializados. E agora, mais essa: ela está relacionada com a incidência de asma!

Um grande estudo feito pelo Nemours Children’s Health System, divulgado recentemente, encontrou essa relação perigosa. E não foi uma pesquisa pequena… Eles trabalharam com grandes volumes de bancos de dados médicos, analisando os arquivos de cerca de 500 mil crianças entre os anos de 2009 e 2015. Elas tinham idade de 2 a 17 anos.

Os resultados mostraram maior incidência de asma em crianças acima do peso normal. Além disso, em crianças obesas, alarmantes 23 a 27% dos novos casos de asma podem ser atribuídos diretamente à obesidade.

Isso significa que, somente nos Estados Unidos, 1 milhão de crianças podem ter asma por estarem acima do peso ou obesas. E incríveis 10% dos casos de asma poderiam ser evitados se as crianças estivessem em seu peso correto. É muita coisa!

Obesidade infantil: é hora de prevenção

Segundo o Dr. Terri Finkel, um dos médicos responsáveis pelo estudo, “Existem poucos fatores de risco evitáveis para reduzir a incidência de asma, mas [os] dados mostram que a redução do início da obesidade infantil poderia reduzir significativamente a carga de saúde pública da asma”.

Para ele, o tema da obesidade infantil deve ser tratada como prioridade para reduzir os casos da doença. Bom, e eu acrescento, não só para isso… Como já comentei, a obesidade entre crianças tem também aumentado o número de pequenos diabéticos! Até mesmo a expectativa de vida das pessoas, pela primeira vez na história, apresentou diminuição…

Então, cuide da alimentação dos seus filhos. Deixe de lado os sucos de frutas cheios de açúcar, cereais, grãos e alimentos refinados e industrializados. Como vimos, a obesidade infantil pode estar associada a doenças que nem imaginamos. Fique alerta!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *