O Segredo para Aumentar sua Habilidade de Perder Peso

Se você quer perder peso, provavelmente já ouviu os conselhos padrão nesse assunto…

Melhorar a sua dieta e fazer mais atividade física, por exemplo, estão no topo dessas recomendações.

De fato, essas indicações são certas. 

Mas o que poucos sabem é que há outros fatores que podem interferir na sua perda de peso.

Além daqueles já conhecidos, há alguns detalhes extras que turbinam a habilidade do seu corpo de emagrecer.

É como se fosse um combustível a mais para queimar os quilinhos extras. Que tal?

Hoje vamos falar de mais um deles!

Aumentando sua chave do emagrecimento

Em um estudo feito nos Estudos Unidos, os pesquisadores observaram indivíduos que tinham mudado seu estilo de vida e a forma de se alimentar.

O curioso, no entanto, é que em um período que durou de 6 meses a 1 ano, nem todos os participantes perderam peso.

Enquanto uma parte deles emagreceu, o restante não viu resultado algum, mesmo com os mesmos acompanhamentos médicos.

O que aconteceu? A resposta era bem profunda… E literalmente genética!

Depois de analisarem os genes presentes em amostras de sangue e fezes, os cientistas conseguiram descobrir quais os fatores que levou algumas apenas algumas pessoas a emagrecer.

Eles descobriram que o grupo que emagreceu com facilidade tinha genes ajudavam as bactérias intestinais a crescerem mais rápido.

Sim, eles eram geneticamente predispostos a terem melhor ecologia intestinal.

Curioso, não?

E como já sabemos, quando se tem bactérias boas nos intestinos, você melhora não só a sua saúde, mas também a sua digestão e a capacidade de emagrecer.

Conforme comenta o Dr. Diener, um dos autores do estudo:

“Antes deste estudo, sabíamos que a composição das bactérias no intestino era diferente em pessoas obesas do que em pessoas não obesas, mas agora vimos que há um conjunto diferente de genes que são codificados nas bactérias em nosso intestino que também responde a intervenções para perda de peso.

O microbioma intestinal é um jogador importante na modulação se uma intervenção para perda de peso terá sucesso ou não. Os fatores que determinam a obesidade versus não obesidade não são os mesmos fatores que determinam se você perderá peso em uma intervenção no estilo de vida.”

Será que você precisa ter super “genes probióticos”?

A novidade desse estudo é que ele mostra que algumas pessoas têm essa predisposição genética ao aumento da flora intestinal.

Faz sentido. Mas…

Isso não quer dizer que você precise contar só com seus genes para criar uma ecologia intestinal que ajuda a perder peso.

Esteja você nesse grupo ou não, o importante é melhorar o número de bactérias boas nos seus intestinos. E isso é algo simples de se fazer.

Por exemplo:

Consuma alimentos fermentados, fontes naturais dessas bactérias benéficas, como:

  • Iogurte
  • Kefir
  • legumes em conserva, como kimchi e chucrute
  • Tempeh
  • Missô

Não se esqueça de comer fibras, como as presentes nos vegetais, que servem de alimento e ajudam no crescimento dessas bactérias.

Outra opção interessante são os suplementos probióticos. Eles são práticos e levam essas bactérias direto para seus intestinos.

Procure por suplementos que contenham o Lactobacillus acidophilus, com pelo menos 200 milhões de CFUs (unidades formadoras de colônia).

Lembre-se de conseguir um bom produto, garantindo que essas bactérias vivas cheguem ao colón ainda eficazes.

Dessa forma você conseguirá uma ajuda extra no emagrecimento e também uma Supersaúde!

Referências bibliográficas:

  • Christian Diener, Shizhen Qin, Yong Zhou, Sushmita Patwardhan, Li Tang, Jennifer C. Lovejoy, Andrew T. Magis, Nathan D. Price, Leroy Hood, Sean M. Gibbons, Henrik Munch Roager. Baseline Gut Metagenomic Functional Gene Signature Associated with Variable Weight Loss Responses following a Healthy Lifestyle Intervention in Humans. mSystems, 2021; DOI: 10.1128/mSystems.00964-21.
  • American Society for Microbiology. “Gut microbiota influences the ability to lose weight.” ScienceDaily. ScienceDaily, 14 September 2021.
  • Combate à Obesidade: como os Probióticos podem Ajudarwww.DrRondo.com 
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *