O que Você Precisa Saber sobre Óleos Essenciais

Há milhares de anos já se vem usando os óleos essenciais, para fins emocionais, cosméticos, médicos e até espirituais.

Eles eram muito valorizados, tanto é que Hipócrates, o pai da Medicina, e Galeno, já faziam uso terapêutico dessas essências nos séculos 17 e 18.

Mas no século 19, com o aparecimento dos produtos farmacêuticos, estes ficaram esquecidos.

Agora, no entanto, eles estão voltando com força. Atualmente tornou-se uma febre a sua utilização.

Mas, atenção: por ser um produto “natural”, as pessoas pensam que não causam problemas, mas o que se observa é que tem havido um aumento crescente de reações desfavoráveis.

Por isso resolvi abordar esse assunto para maior entendimento do que são esses óleos e como usá-los.

Trata-se de extratos vegetais aromáticos e concentrados, extraídos das plantas por meio de dois métodos. Nos tempos antigos e até hoje se faz por destilação, e mais recentemente por prensagem a frio.

Seus aromas, altamente concentrados, tem influência poderosa no seu bem-estar pela presença de compostos ativos biologicamente voláteis. Eles fornecem benefícios terapêuticos mesmo em pequenas quantidades.

Mas estou me referindo a óleos puros de plantas, e não a óleos de fragrâncias sintéticas ou perfumes, que além de tóxicos podem ser alergênicos.

Ao procurar esses óleos, leve em consideração se estão sendo produzidos atendendo padrões internacionais e saiba que mesmo assim pode haver alterações causadas por condições de cultivo e métodos de colheita, destilação, fabricação e armazenamento.

Eles devem atender um alto grau de pureza, ou seja, não ter sido diluído, alterado ou misturado.

Podem ser usados isolados ou em combinações sinérgicas para um efeito mais poderoso.

Lembre-se, você terá o que paga, portanto desconfie de produtos muito baratos, pois são possivelmente de má qualidade.

Benefícios dos terpenos nos óleos essenciais

Trata-se de componentes que promovem efeitos terapêuticos específicos.

São eles:

1. Fenilpropanóides.

Apresentam atividade antibacteriana, antifúngica e antiviral. Agem liberando receptores celulares para que ocorra uma comunicação entre as células, evitando geração de doenças.       

Como exemplo temos os óleos de: anis, canela, cássia, cravo, erva-doce, hortelã-pimenta, manjericão e orégano.

2. Monoterpenos.  

Reprogramam informações distorcidas na memória celular. Encontrados na imensa maioria dos óleos essenciais.       

3. Sesquiterpenos.

Colaboram na oxigenação dos tecidos, inibindo a sobrevivência de vírus, bactérias e até mesmo células cancerosas.

Como exemplo temos os óleos de: cedro, gengibre, mirra, nardo, olíbano, patchuli, pimenta-do-reino, sândalo e vetiver.

Indicações do uso de óleos essenciais

Há muitos usos na aromaterapia, que vão além do prazer de estar sentindo determinado cheiro. Eles passam a ter objetivo terapêutico.

Os óleos essenciais podem ser usados isolados ou associados para atender as queixas mais comuns ou eventualmente em situações mais sérias, entrando como coadjuvante no tratamento médico.

Veja as situações mais comuns do dia a dia e os óleos essenciais que podem ajudar

Ansiedade – Bergamota, Camomila romana, Gerânio, Laranja, Lavanda, Limão, Rosa, Sálvia e Sândalo.

Dor – Alecrim, Camomila, Eucalipto, Hortelã-pimenta, Lavanda, Maçã verde, Sálvia e Zimbro.

Energia baixa – Alecrim, Angélica, Canela, Cardamomo, Cravo, Frutas cítricas, Jasmim, Melaleuca, Pimenta preta e Sálvia.

Estresse – Bergamota, Hortelã-pimenta, Lavanda, Limão, Pinho, Vetiver, e Ylang ylang

Insônia – Benjoim, Camomila, Flor de laranjeira, Jasmim, Lavanda, Manjerona, Rosa, Sândalo e Ylang ylang.

Memória e atenção – Canela, Hortelã-pimenta e Sálvia.

Náusea e vômito – Camomila, Endro, Erva-doce, Gengibre, Menta, Laranja, Lavanda, Limão e Sálvia.

Clique aqui para conferir uma lista de posts sobre vários óleos essenciais.

Maneiras de usar os óleos essenciais

Há várias maneiras de se usar os óleos essenciais. Um dos mais comuns é aplicar na pele, mas lembre-se que na imensa maioria precisa ser diluída em um outro óleo que servirá como carreador, evitando-se com isso riscos de alergias de contato, queimaduras ou processo inflamatório.

Mas há casos em que se pode esfregar uma gota nos pontos pulsantes da pele.

Além disso, podem ser usados em:           

  • compressa quente.
  • massagens, diluídos em óleo carreador.    
  • água do banho, adicionando 2 a 10 gotas do óleo essencial.
  • inalação: adicione 3 a 7 gotas de óleo essencial em água fervente. Cubra a cabeça com uma toalha e respire pelo nariz. Mantenha os olhos fechados!
  • higiene pessoal: Loções e sabonetes personalizados aonde se adicionaalgumas gotas de seu óleo essencial favorito.
  • tônico facial: adicione algumas gotas de seu óleo essencial favorito à água destilada em um frasco de nebulização.
  • difusores desodorizantes para ambiente. Bem mais saudável que os produtos comerciais.
  • sprays de limpeza ambiental. Excelente alternativa à produtos químicos perigosos.

Dosagens de uso dos óleos essenciais

Em massagens:

1. Para bebês e crianças pequenas:

Diluição de 0,5 % = 3 gotas de óleo essencial para 30 ml de óleo carreador

Diluição de 1% = 6 gotas de óleo essencial para 30 ml de óleo carreador

2. Para adultos:

Diluição de 2,5% = 15 gotas de óleo essencial 30 ml de óleo carreador

Diluição de 5% = 30 gotas de óleo essencial por 30 ml de óleo carreador

Diluição de 10% = 60 gotas de óleo essencial 30 ml de óleo carreador

Fique atento a essas concentrações. Exageros podem causar problemas, mesmo se tratando de produtos naturais, como é o caso dos óleos essenciais. Use com sabedoria. Supersaúde!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




























               Clique aqui para saber mais detalhes >




 
close-link
close-link