O Perigo do Oxalato nos Alimentos Saudáveis

Certamente você já ouviu falar do oxalato, que pode gerar cálculos renais – em especial de oxalato de cálcio. Além disso, tártaro dentário também pode ser causado pelo mesmo problema.

Estas consequências são de certa forma visíveis e palpáveis, mas há outros efeitos prejudiciais ocultos que são bem mais sérios.

Os oxalatos podem causar inflamação, desequilíbrio mineral, disfunção mitocondrial, comprometimento do tecido conjuntivo, manifestações autoimunes, problemas intestinais e neurológicos. Na parte cardíaca, pode contribuir para arritmia, insuficiência cardíaca e alteração do endotélio vascular.

Há certos problemas de saúde que não se resolvem com os tratamentos convencionais. Nesses casos, é hora de pensar se na verdade não se trata de toxicidade por oxalato.

Como exemplo temos fibromialgia e doenças autoimunes, como artrite reumatóide e lúpus. Todas podem estar relacionadas aos oxalatos.

Oxalato

São micromoléculas presentes em muitos vegetais, sementes e nozes.

São altamente reativos, ligando-se em minerais de nosso corpo, como o cálcio, e formando cristais solúveis que são facilmente absorvíveis pelo trato digestivo, especialmente nas situações de intestino poroso ou inflamado.

Com isso, atingem as células tanto do endotélio vascular como de outras estruturas celulares, comprometendo seu metabolismo.

Condições que aumentam sua absorção

Quando o filme de revestimento intestinal está danificado, os fatores que mais potencializam sua absorção são:

– Glifosato e ecologia intestinal

Muito frequente quando se ingere vegetais que não são orgânicos é promover um desequilíbrio entre os micróbios intestinais, causando por si só um estado de inflamação crônica nos intestinos, que aumentam a absorção de oxalato. Além disso, há aumento do risco de câncer, doença de Crohn, hepatite, esquistossomose, tireoidite, prostatite e a doença do intestino inflamatório.

– Antibióticos e ecologia intestinal

O uso frequente de antibióticos também leva a várias formas de desequilíbrio do microbioma, potencializando a absorção de oxalato.

– Vegetais ricos em fitalatos e lectinas

Pioram a inflamação intestinal, facilitando a absorção do oxalato.

Fontes alimentares de oxalato

  • Batatas, batata-doce, espinafre, couve flor, acelga e beterraba
  • Amendoins, feijão preto, trigo sarraceno, quinoa, soja, azeitona e chocolate
  • Nozes e sementes
  • Frutas como: carambola (a mais rica), kiwi, peras, goiaba, figos, damasco, amoras e abacates verdes.
  • Óleos e gorduras, mesmo quando extraídos de plantas, são baixos em oxalatos.

Como desintoxicar o oxalato

A maneira correta é se afastar ou reduzir ao máximo essas fontes alimentares por algum tempo, permitindo que o organismo tenha condição de expulsá-los.

Mas veja, isso não significa que você precise se afastar dos seus smoothies e das suas saladas. Simplesmente não insista em uma combinação monótona, repetitiva. Procure variar ao máximo os vegetais que usa.

Aliás, isso vale para todas as fontes alimentares, mas deve ser feito lentamente para não ter efeitos desfavoráveis de desintoxicação.

O que enfatizar na dieta

Para ajudar, opte por alimentos que enfraquecem as ligações dos cristais de oxalato, facilitando a sua eliminação, inclusive dos cálculos renais. Para isso inclua:

  • Suco de limão – ¼ de xicara diluído em água ou no vinagre
  • Água fresca de coco verde natural
  • Vinagre de maçã a 6% não filtrado – 02 colheres de sopa em 01 copo de água

Procure consumir gorduras boas em abundância, proteína em moderação, vegetais com pouco oxalato e carboidrato em pequena quantidade.

Suplementos a serem associados

Além dessa atitude de reduzir as fontes alimentares que contenham oxalato, é aconselhável associar certos suplementos:

Cálcio – É muito comum, por mais estranho que pareça, que se suplemente esse mineral, mas o que os estudos mostram é que ele vai ajudar a não se formar cristais de oxalato, pois nestas dietas há frequentemente uma baixa ingesta desse mineral. A dose recomendada pelos estudos é de 1.000 mg por dia.

Magnésio – Também é indicado, pois ajuda a se ligar como cálcio e enfraquecer as condições de geração de oxalato. Estudos indicam bons resultados com doses de 500 mg por dia.

Potássio – Importante na desintoxicação do oxalato, protegendo a parte cardíaca e vascular. A dose recomendada depende da gravidade do caso, e só o seu médico poderá lhe aconselhar.

Fique de olho, pois mesmo alimentos considerados saudáveis podem esconder alguns riscos. Estar bem informado é sua melhor arma para se prevenir e conquistar uma Supersaúde!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




























               Clique aqui para saber mais detalhes >




 
close-link
close-link