Saúde

O Óleo Essencial de Cajeput Alivia seu Sistema Respiratório!

O óleo essencial de cajeput é extraído das várias espécies de árvores Melaleuca, como a Melaleuca leucadendra e a Melaleuca cajuputi, por exemplo. É, portanto, praticamente um “parente” do tea tree oil, obtido a partir da árvore Melaleuca alternifólia.

Essas plantas são nativas da Ásia e ocorrem também na Oceania, mais especificamente das regiões próximas da Malásia e Austrália.

Assim como outros óleos essenciais, o óleo de cajeput contém eucaliptol. Essa substância tem propriedades antissépticas, sendo os óleos que a tem como componente muito usados desde a antiguidade para diversas finalidades.

Na Malásia, China e Índia, o óleo essencial de cajeput é usado na medicina tradicional como remédio para estômago, doenças de pele, cólera e até reumatismo. Mas é no sistema respiratório que ele pode trazer mais benefícios.

Alívio para o sistema respiratório e mais criatividade para você

Por conter eucaliptol, o aroma do óleo de cajeput pode auxiliar na expectoração, aliviando os sintomas de gripes, resfriados e até da asma. Ele costuma ser usado na forma de vapor, após pingar-se gotas no chão do chuveiro ou na banheira.

Essa forma de uso também auxiliar na sudorese, ajudando a liberar toxinas que estejam prejudicando o organismo – principalmente no estágio inicial de infecções e outros sintomas de problemas respiratórios.

Na aromaterapia ele é mais utilizado com outro significado. O óleo essencial de cajeput é conhecido como um óleo que promove certo alinhamento entre corpo e mente, estimulando a criatividade.

Cuidados no uso do óleo essencial de cajeput

Como sempre comento, se for adquirir esse ou outros óleos essenciais, procure locais especializados e profissionais que possam lhe orientar sobre o uso correto. Mesmo se tratando algo natural, é preciso ter cuidado quando o assunto é saúde.

Nunca substitua ou pare nenhum tratamento que já está fazendo, nem use produtos por conta própria. E sempre converse com seu médico antes de qualquer decisão.

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *