Alimentação

O Lado Obscuro do Chá

Você que procura opções saudáveis de vida, sabe bem que não tem nada melhor para beber do que água pura… Mas, certamente, enxerga o chá igualmente como uma opção de bebida saudável.

Sinto desapontá-lo, pois já pensei desta forma também, mas agora consigo enxergar um lado obscuro que preciso compartilhar com vocês.

Inicialmente vamos falar de alguns benefícios

Os chás são conhecidos por conterem polifenóis antioxidantes com ação preventiva e antienvelhecimento.

Ele age melhorando sua pressão arterial quando usado a longo prazo.

Segundo uma meta analise de 25 ensaios controlados randomizados descobriu-se que aqueles que bebiam regularmente chá verde ou preto por 12 semanas tinham uma média de 2,6 mm Hg menor pressão arterial sistólica e 2,2 mm Hg menor pressão diastólica em comparação com aqueles que não bebiam.

O chá verde mostrou melhores resultados, seguido pelo  preto. A conclusão é que com a adoção do chá na sua rotina, você poderá ter redução “de risco de derrame em 8%, a mortalidade por doença arterial coronariana em 5% e a mortalidade por todas as causas em 4% em nível populacional”.

Mas qual seria a dosagem para atingir esses benefícios?

O estudo sugere que uma quantidade ideal é de três a quatro xícaras de por dia. Em outra pesquisa, realizada em 2007 encontrou-se “evidências claras” de que três ou mais xícaras – neste caso, chá preto – reduziam o risco de doença cardíaca.

Tipos de chá

Darjeeling (Indiano)

É o produto mais apreciado no mundo, reconhecido como o champanhe do chá, produzido com um ritual muito rigoroso. Isso faz dele algo bem refinado com preços elevados que os consumidores estão dispostos a pagar.

O chá Darjeeling, que cresce no norte da Índia, é cultivado no alto das montanhas do Himalaia, sendo este único local de cultivo que torna o Darjeeling tão especial. Nessa região, devido à intensa exposição ao sol, as folhas crescem mais lentamente do que nas regiões mais baixas, e acredita-se que essa taxa de crescimento mais lenta seja parte da fórmula que dá ao chá seu sabor característico.

Sua produção é totalmente manual, pois as encostas íngremes não podem acomodar máquinas, e o trabalho físico que entra em cada faceta da produção do chá aumenta o preço final.

Matcha (Japão)

O chá verde Matcha, do Japão, certamente é a melhor escolha se você estiver tomando por causa de seus benefícios à saúde e se estiver preocupado com resíduos de pesticidas.

Ele é produzido através de cozimento no vapor, em vez de assado ou frito. Com isso, as folhas  retêm todo o valor rico em nutrientes. Sua riqueza em clorofila age como um desintoxicante natural.

As folhas inteiras da planta são moídas em um pó fino, que você mistura diretamente em água quente, resultando em uma bebida verde brilhante.

Ainda há uma versão fria que é perfeita para o verão: a limonada Matcha.

Para isso, dissolva o pó em água quente; deixe esfriar, e em seguida, adicione o suco de limão ou lima. Você pode adicionar uma pequena quantidade de stevia para uma maior doçura. Sirva com gelo. A vitamina C do limão aumenta os benefícios do chá verde, pois o ácido ascórbico disponibiliza cinco vezes mais catequinas absorvíveis para o organismo.

Tulsi (Indiano)

Trata-se de uma opção deliciosa e saudável, riquíssimo em centenas de fitoquímicos benéficos. Estes compostos agem em conjunto, aumentando as propriedades antioxidantes, adaptogênicas e imunológicas que agem:

  • combatendo o estresse
  • reforçando seu sistema imunológico
  • proporcionando um efeito calmante
  • promovendo um metabolismo saudável
  • mantendo níveis ótimos de açúcar no sangue

Chás que derivam da mesma planta, a Camellia Sinensis

Chá preto

Normalmente é oxidado após as folhas serem colhidas. Com isso tem uma perda discreta de antioxidantes e mantém alto teor de cafeína.

Altera os micróbios intestinais de forma benéfica sendo adequado na manutenção de peso.

Chá verde

Não é oxidado após as folhas serem colhidas, com isso mantém intacto seus benéficos antioxidantes. Quanto menos  oxidado, menor é o teor de cafeína. Age melhorando a ecologia intestinal, o que é benéfico para prevenir o ganho de peso e obesidade.

Chá branco

É o menos processado de todos os chás.

Chá oolong

É semi oxidado, um intermediário entre o chá verde e o chá preto em termos de cafeína e níveis antioxidantes. É indicado para controle de peso e saúde do coração. Os polifenóis no chá oolong ajudam a controlar o metabolismo da gordura em seu corpo, através da ativação enzimática. Um estudo de 2001publicado no Journal of Nutrition constatou que os participantes que bebiam chá oolong queimaram de 2,9 a 3,4% a mais de calorias diárias.

Chás de ervas

 Chás de ervas não são considerados verdadeiros chás, pois não vêm da Camellia sinensis, mas podem ser benéficos e agradáveis

Chá de hibisco

É rico em vitamina C, minerais e antioxidantes, e os estudos sugerem que o chá de hibisco pode melhorar a pressão arterial, ajudar a previne a síndrome metabólica, além de proteger o fígado e ter ação anticancerígena.

O lado obscuro do chá: Glifochá

Testes de chá de plantações na Índia, que são vendidos na Alemanha, revelam a presença de pesticidas em todas as amostras.

Entenda que o nome Glifochá é quando me refiro ao pesticida glifosato, por ser o produto mais usado atualmente, e por isso trata-se de um chá com glifosato.

Selos de qualidade são confiáveis?

Há várias certificadoras destinadas a garantir aos consumidores que as práticas ambientalmente amigáveis ​​são respeitadas.

A questão é: esses selos cumprem suas promessas?

Infelizmente por má remuneração da mão de obra na Índia, condições inadequadas de habitação e higienizações básicas, associadas a pesticidas tóxicos usados com muita frequência, a conclusão é que esses selos de qualidade só são um trabalho de marketing.

O que se vê são benefícios duvidosos, e assim o comércio mundial de chá tem muitos perdedores, incluindo os consumidores. Portanto, preste muita atenção na origem dos produtos que você consome. Sua saúde depende disso!

Referências bibliográficas:

  • British Journal of Nutrition October 2014: 112(7); 1043-1054
  • Time October 21, 2014
  • Time July 3, 2008
  • European Journal of Clinical Nutrition January 2007; 61(1):3-18
  • Science Daily November 14, 2 007
  • European Journal of Nutrition September 30, 2017
  • J Nutr. 2001 Nov;131(11):2848-52.
  • Cardiovasc Hematol Agents Med Chem. 2013 Mar;11(1):25-37.
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *