Bem-Estar

Mindfulness pode Combater os Sintomas da Menopausa

Mindfulness, também conhecido por estado de atenção plena, é uma espécie de meditação em que o indivíduo mantém um estado mental voltado para o presente. A ideia é manter sem julgamentos tudo o que se passa em sua mente.

O mindfulness é baseado em preceitos religiosos e de meditação orientais, mas já é amplamente aceito como uma forma alternativa de terapia no ocidente. Alguns estudos, como o que vamos comentar hoje, mostram inclusive benefícios em áreas que nem se imaginava…

Mindfulness e menopausa

Irritabilidade, ansiedade e depressão são alguns dos sintomas enfrentados pelas mulheres na menopausa. E é justamente nisso que a mindfulness pode ajudar, segundo estudo publicado no periódico Climacteric: The Journal of the International Menopause Society.

O estudo envolveu mais de 1700 mulheres, com idades entre 40 e 65 anos. Elas preencheram questionários sobre seu nível de sintomas da menopausa e também com dados que poderiam classificar seus níveis percebidos de atenção plena.

Os pesquisadores descobriram que essa relação era inversamente proporcional: quanto maior a atenção plena, menos sintomas da menopausa as afligiam. Agora, a boa notícia…

O estado de mindfulness é uma técnica que pode ser aprendida. O Dr. Richa Sood, principal autor do estudo, dá algumas dicas de como fazer isso:

“Essencialmente, o primeiro passo para ficar atento é se conscientizar de que nossas mentes estão no piloto automático a maior parte do tempo. O objetivo durante os momentos de atenção não é esvaziar a mente, mas tornar-se um observador da atividade da mente, sendo gentil consigo mesmo.

O segundo passo é criar uma pausa. Respire fundo e preste a atenção ao próprio espaço, pensamentos e emoções sem julgar. A calma resultante ajuda a diminuir o estresse.”

Existem ainda outras técnicas de meditação que ajudam nesse processo. E elas não auxiliam somente mulheres na menopausa, mas são uma boa ideia para a saúde de todos. Que tal começar? Sua saúde agradece!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *