Alimentação

Mudança no McDonald’s para uma Carne Bovina Sustentável

A opinião do consumidor está, a cada dia, sendo mais valorizada e colocando as empresas numa movimentação até pouco tempo atrás não imaginável.

Os restaurantes também estão começando a embarcar, prestando maior atenção à fonte de seus ingredientes e como os alimentos foram cultivados ou criados.

Até o McDonald’s está vendo isso e recentemente sua postura tem mudado, antes que fique para trás. É uma das últimas franquias a mergulharem na agricultura regenerativa.

Olhando com ceticismo, ainda não sabemos se são acrobacias publicitárias ecológicas ou uma tentativa de apaziguar a demanda do cliente.

Nestas últimas décadas, o foco da produção de alimentos foi eficiência e redução de custo. Mas o que ganhamos com isso?

Diminuição da qualidade nutricional dos alimentos

Os estudos são claros quanto às perdas nutricionais gerados pela agricultura moderna, transgênicos e forma de criação de animais em sistemas não naturais, como confinamentos. Já falei muitas vezes sobre isso. Para saber mais veja os artigos abaixo:

Aumento das estatísticas de doenças

Enquanto produtos químicos e máquinas permitiram que as fazendas expandissem e aumentassem a produção, há uma crescente conscientização sobre como essas estratégias prejudicam o solo, a ecologia e, em última análise, a saúde humana.

Comprometimento do ecossistema

  • De acordo com dados do Programa de Mudanças Globais da Universidade da Michigan, cerca de 96% da erosão do solo na América do Norte é causada pela produção de alimentos.
  • A restauração da saúde do solo e o aumento dos rendimentos das culturas depende do sequestro de carbono na terra, especialmente pelo solo que é o melhor repositório de carbono, seguida dos oceanos, florestas, e a atmosfera.
  • As práticas agrícolas destrutivas, como a lavoura, liberam efetivamente o carbono do solo na atmosfera como dióxido de carbono ou na água por erosão. Conforme observado pelo New York Times:
    “Muitos cientistas e agricultores acreditam que a compreensão emergente do papel do solo na estabilidade climática e a produtividade agrícola induzem uma mudança de paradigma na agricultura, desencadeando o abandono de práticas convencionais, como plantio, remoção de resíduos de culturas, monoculturas, pastagem excessiva e uso geral de produtos químicos fertilizante e pesticida.
    Mesmo o gado, geralmente considerado culpado de mudanças climáticas porque acredita pelo menos 25 galões de metano por dia, está sendo estudado como uma parte potencial da solução de mudanças climáticas por causa de seu papel na fertilização natural de solo e nutrientes para ciclismo”.
  • Das emissões globais de gases de efeito estufa, cerca de 20 a 30% foram ligados à produção e transporte dos alimentos.

Soluções

Na verdade, em todo o mundo, os agricultores estão despertando para os muitos efeitos adversos da agricultura industrializada.

A agricultura regenerativa que faz uso de culturas de cobertura, plantio direto e pastoreio de herbívoros realmente contribui para melhorar a saúde e a fertilidade do solo.

McDonald’s e programa de carne bovina sustentável

No ano passado, o McDonald’s lançou um programa piloto para avaliar a capacidade de sequestradores de carbono no solo de seus fazendeiros, implementando práticas de pastagens regenerativas.

O programa envolve 150 operadores em sua cadeia de abastecimento de carne bovina canadense. Se o programa se revelar um sucesso, isso poderia alterar significativamente a forma como todos os seus fazendeiros criam gado no futuro.

McDonald’s e a preocupação com o sequestro de carbono

Segundo um relatório recente da GreenBiz, esse projeto piloto, mesmo pequeno, mas potencialmente significativo, pode medir e analisar a capacidade da pecuária para sequestrar o carbono no solo, usando um estilo de pastagem rotacionado através de múltiplos piquetes, diz:

“Durante anos, um pequeno número de agricultores usaram técnicas como plantio de conservação, cultivo de cobertura e rotação de culturas para reduzir a perda de solo e manter o carbono no solo, o que pode melhorar a saúde e a fertilidade do solo e tornar a terra mais produtiva. O pastoreio rotacionado é outra ferramenta nesse conjunto de ferramentas.

Isso envolve a mudança de gado em torno de pastagens por curtas durações em áreas pequenas e cercadas, chamados piquetes. Em seguida, dá aos piquetes longos períodos de tempo para descansar, o que catalisa o rebrote acelerado da grama, juntamente com outras flora e fauna. O método imita as migrações de animais de rebanhos selvagens, como alces, bisontes e cervos, quando se movem de um lugar para outro”.

De acordo com GreenBiz:

“Apenas no mês passado, a Cargill, um dos fornecedores de carne da McDonald’s, anunciou que seu plano piloto canadense de aceleração da sustentabilidade da carne, no final de 2018, fornecerá aos clientes carne de bovino de operações que foram auditadas de nascimento para hambúrguer “usando um padrão de sustentabilidade desenvolvido pela indústria”.

O projeto de um ano explorará uma variedade de tecnologias de rastreamento, como o teste de DNA e a cadeia de blocos, para projetar um processo para a produção de carne bovina verificada e robusta, ainda que seja prática, escalável e econômica”, de acordo com um comunicado de imprensa da Cargill.

Caso o programa se torne um sucesso, isso poderia alterar significativamente a forma como todos os fazendeiros que fornecem ao McDonald’s tratam o seu gado. Após a formação de uma “mesa-redonda global” de produtores de carne e instalações de processamento em 2013 para definir o termo “carne bovina sustentável”, o McDonald’s começou a implementar as medidas.

Agricultura regenerativa em alta

A comunidade científica tem apoiado à agricultura regenerativa, pedindo aos agricultores que tomem medidas para melhorar a fertilidade do solo e aumentar seu conteúdo de carbono.

Segundo Rattan Lal, diretor do Ohio State’s Carbon Management and Sequestration Center, o solo pode sequestrar o carbono a uma taxa tão alta quanto 2.6 gigatons por ano. E, como Lal disse ao New York Times, “colocar o carbono de volta no solo não é apenas uma atenuação das mudanças climáticas, mas também uma melhora da saúde humana, da produtividade, segurança alimentar, segurança nutricional, qualidade da água, qualidade do ar – tudo. É uma opção vencedora em todos os sentidos”.

Agora, é aguardar para ver como todas essas mudanças vão se desenrolar!

Referências bibliográficas

  • Universityof Michigan’s Global Change Program
  • New York Times. December 2, 2017
  • Earth System Dynamics. 2017; 8: 577-616
  • Los Angeles Times.December 4, 2017
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >
Médico, Cirurgião Vascular especializado em medicina preventiva e alta performance. Possui vários artigos publicados em revistas médicas, além de 8 livros com temas relacionados à nutrição, medicina preventiva e esportiva. (CRM 47078)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acabei de escrever uma nova Dica! Quer receber?

Junte-se aos mais de 300 mil leitores inteligentes que recebem dicas exclusivas sobre Saúde, Alimentação e Bem-estar e conquiste uma super saúde (É grátis)!

QUERO RECEBER
close-link

Acabei de escrever uma nova Dica! Quer Receber?

Junte-se aos mais de 300 mil leitores inteligentes que recebem dicas exclusivas sobre saúde e alimentação!
Conquiste uma super saúde agora!
(É GRÁTIS)
QUERO RECEBER
close-link

Mudança no McDonald’s para uma Carne Bovina Sustentável