Infantil

Jogar Videogame Torna as Crianças Antissociais?

Este é um assunto que, volta e meia, retorna aos tópicos mais comentados entre as pessoas. Alguns culpam os jogos de videogame por casos de violência e até problemas psicológicos entre jovens e crianças, enquanto outros minimizam essa influência…

Há também os que associam o hábito de jogar ao isolamento social. E foi isso que um estudo feito na Noruega buscou analisar. Eles observaram como o videogame influencia as habilidades sociais de 873 crianças de idades entre 6 e 12 anos.

A pesquisa levou em conta entrevistas com os pequenos e com os pais sobre o tempo gasto jogando, tanto em consoles quanto em computadores, tablets e até no celular.

Os professores dos pequenos também foram ouvidos, dando indicações sobre seu comportamento, como cooperação com os colegas e autocontrole. Os resultados mostraram que:

  • O tempo passado jogando videogame não alterou o desenvolvimento social no caso dos meninos.
  • As meninas que jogam videogame parecem ficar mais socialmente isoladas e não praticarem suas habilidades sociais tanto quanto as que não jogam.
  • Em geral, crianças com dificuldades de socialização durante os 8 a 10 anos de idade tinha maior probabilidade de passar mais tempo jogado entre os 10 e 12 anos.

Videogame demais: causa ou consequência?

Esse último item é muito importante, pois segundo os pesquisadores, não é o videogame o responsável pelo isolamento social. Na verdade, por já terem essa tendência é que as crianças passam mais tempo jogando. Segundo Lars Wichstrøm, professor de psicologia na NTNU e foi coautor do estudo:

“Pode ser que a má competência social impulsione a tendência dos jovens de jogar videogames por longos períodos de tempo. Ou seja, os jovens que lutam socialmente podem estar mais inclinados a jogar para satisfazer sua necessidade de pertencimento e seu desejo de domínio, porque o jogo é facilmente acessível e pode ser menos complicado para eles do que as interações face a face”.

Assim, passar muito tempo jogando pode não ser a causa do problema, mas uma indicação de dificuldades de socialização. Para este estudo, não é a causa, mas a consequência. Portanto, fique atento a esse sinal. Os pequenos contam com a nossa ajuda!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *