Prevenção

Iodo e Correção Rápida da Tireoide

Mais um exemplo de que a história se repete. Eu estou me referindo a um dos piores casos de deficiência nutricional já registrados na história moderna… Foi a “epidemia” de retardo mental em mais de 10 milhões de crianças chinesas que nasceram com esse problema, pela falta de um simples mineral em sua dieta: o iodo.

Tudo isso foi causada porque faltavam iodo ou sal simples.

E agora, essa “epidemia” está ocorrendo em toda a América, promovendo essa deficiência, pois está seguindo o mesmo caminho que a China fez com relação a esse importante nutriente.

No passado, a recomendação era usar com sal iodado na mesa para evitarem essa deficiência.

Porém, desde a década de 1970, a orientação mudou, aconselhando-se a todos para evitar o sal. Só que, ao cortar o sal, a maioria das pessoas eliminou sua única fonte do mineral.

A partir dessa data até hoje, quadruplicaram as taxas de deficiência de iodo na América.

Importância do iodo

A recomendação diária para o iodo é de apenas 150 mcg por dia.

Mesmo que você esteja recebendo essa quantidade, não é suficiente. E saiba que muitas pessoas nem isso conseguem, e nem imaginam que apresentam deficiência de iodo

Um grande estudo no Archives of Internal Medicine diz que mais de 13 milhões de pessoas não são diagnosticadas na América.

O iodo é fundamental pois:

  • Ajuda a glândula tireoide a produzir tiroxina. Atualmente os problemas de tireoide estão se tornando cada vez mais comuns. Cerca de 10% dos americanos já têm baixa função da tireoide.
  • Este hormônio é essencial para cada etapa do desenvolvimento do cérebro. Sem isso, o cérebro simplesmente não se liga corretamente aos bebês – levando a sérios desafios mentais e comprometimento cognitivo.
  • Baixos níveis de iodo estão ligados à obesidade, transtornos psiquiátricos, fibromialgia e uma variedade de cânceres.
  • Também pode desencadear arritmias cardíacas, osteoporose e perda de massa muscular.

Como repor o iodo

De fato, o sal de mesa não é altamente recomendável, pois é um elemento que contém produtos químicos residuais do processamento, além de conter MSG, açúcar e alumínio.

Em vez disso, o melhor modo de absorver o iodo é através da sua alimentação, especialmente com: algas marinhas, salmão, bacalhau, lagosta, vieiras, iogurte e cranberries

Há ainda outras 2 possibilidades:

  1. Comprimidos de algas marinhas. Segundo os estudos o indicado é começar com uma dose baixa, e aumentar gradativamente para valores entre 3 mg a 6 mg por dia.
  2. Suplementos de iodo. Procure consumir na forma de iodeto que é o que sua tireoide usa. Neste caso, é muito importante que você converse com os seus médicos, pois é uma estratégia que precisa ser bem monitorada.

E não se esqueça de incluir também estes dois nutrientes importantes:

1 – Selênio

Este oligoelemento suporta níveis normais de tiroxina. Porém, tomar muito iodo sem selênio pode levar ao bócio e outros problemas de tireoide.

A suplementação, de acordo com a literatura, é 200 mcg de selênio todos os dias. Uma boa fonte é castanha do Pará. Consumir duas castanhas do Pará por dia será suficiente para ter essa dosagem.

2 – Guggul  (Commiphora mukul)

É um extrato natural da seiva da árvore de mirra indiana. Tem compostos poderosos chamados guggulsterones. Estudos mostram que esses compostos aumentam significativamente a quantidade de iodo que a tireóide absorve.

Guggul está disponível em comprimidos, cápsulas, pós e extratos líquidos. O ideal são os suplementos padronizados para pelo menos 6% de guggulsterones. Segundo os estudos a melhor dosagem é de 300 mg a 400 mg de guggul 2 a 3 vezes por dia.

Esses suplementos ainda não são reconhecidos no Brasil, portanto, sempre converse com seu médico antes de qualquer coisa. Ele saberá qual a melhor opção para o seu caso.

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *