Prevenção

Glicemia Elevada? Cheque as Mitocôndrias!

Quando se pensa em prevenção ou tratamento do diabetes tipo 2, o que vem em mente é equilibrar a glicemia. Porém, cuidar das suas mitocôndrias é tão importante quanto.

É extremamente necessário que se comece a ver as mitocôndrias como algo fundamental para que você se mantenha saudável e ativo, pois essas “usinas” são os geradores de energia em todas as células do seu corpo.

Essa energia produzida é conhecida como trifosfato de adenosina, ou ATP.

No caso da disfunção mitocondrial, ocorre queda importante de produção de ATP, e consequentemente seus órgãos e tecidos passam a funcionar mal, desencadeando doenças crônicas, como o diabetes.

Essa condição contribui diretamente para o desenvolvimento da resistência à insulina e diabetes tipo 2, pois o ATP é o fator-chave que liga a glicemia com a secreção de insulina, de acordo com publicação na revista Redox Biology.          

Com isso, haverá uma tendência de acúmulo de gordura dentro da célula e resistência à insulina, ou seja, é o começo do diabetes tipo 2.            

Nesta condição, sua glicemia se torna descontrolada e não há transformação correta de alimentos em energia.    

Como reativar suas mitocôndrias e cuidar da glicemia para evitar o diabetes

Indiscutivelmente o mais importante está na sua alimentação.

Deve-se fazer uma dieta rica em gorduras, proteína em moderação, vegetais folhosos em abundância e carboidrato virtualmente zero.

Nestes casos, adote uma dieta keto ou o jejum intermitente cíclico. A dieta primal ou keto é altamente protetora para a mitocôndria. Usando essa estratégia, que é o combustível certo, você minimiza o estresse oxidativo na mitocôndria, o que é fundamental.

O jejum intermitente cíclico, a forma mais prática de se fazer restrição calórica, é conhecido por alterar a expressão de centenas a milhares de genes, alguns dos quais estão relacionados à longevidade enquanto outros desempenham um papel no metabolismo, proteção mitocondrial, crescimento celular, reprodução, resposta imune e muito mais.

Estímulo mitocondrial:

N-acetil L-cisteína (NAC). É um aminoácido precursor da glutationa, a principal defesa antioxidante para as mitocôndrias. Repara os danos oxidativos, protegendo assim as suas mitocôndrias.                                                 

Segundo estudos, o NAC pode estabilizar o açúcar no sangue melhorando a resistência à insulina. A dosagem recomendada pela literatura é no mínimo 500 mg por dia.

Glutationa. O mais potente antioxidante endógeno, com capacidade para reciclar e potencializar a ação de outros varredores de radicais livres como vitamina C, a vitamina E, a coenzima Q10 e o ácido alfa-lipóico.                  Diabéticos descompensados apresentam deficiência de glutationa e sua normalização ajuda a controlar essa condição.

Mesmo em condição de hiperglicemia aonde ocorre glicação dos açucares ela intervém de modo positivo. A maioria das publicações recomenda a dosagem de 50 mg por dia.

Rhodiola rosea. Fitoterápico com ação ergogênica e potencial de aumentar a produção de energia mitocondrial. De acordo com a literatura, se aconselha 250 mg 2 vezes ao dia.

Astaxantina. Protege contra danos oxidativos no DNA, melhorando a geração de energia permitindo que as células exerçam suas funções normais, e no caso manterem a queima de gordura e preservar a sensibilidade à insulina.Os estudos apresentam bons resultados com dosagens de 4 mg / dia.

– L-Carnitina. Aminoácido que induz a entrada de gordura na mitocôndria para geração de energia e queima. Incrementa a função mitocondrial.

Dosagem sugerida pelas pesquisas é de 500 mg por dia.

Thiamina (B1). Faz parte do complexo B. Essencial para produção de energia. No caso dos diabéticos, segundo os estudos, melhora a circulação e a função endotelial. Além disso, previne a formação de subprodutos da glicação dos açúcares nos diabéticos. A literatura recomenda 1 a 2 mg por dia

Riboflavina (B2). É uma das vitaminas encontradas no complexo B. Auxilia o corpo na ação antioxidante, sendo fundamental no auxílio à glutationa na peroxidação lipídica e síndrome de reperfusão. A maioria dos estudos sugere 25 mg por dia.

Piridoxina (B6). Mais uma vitamina do complexo B. Ajuda a regular a glicemia   a liberação de insulina, segundo publicação no Journal of Diabetes Research em 2015. Além disso, previne a disfunção endotelial e resistência à insulina. A dosagem sugerida pelos estudos é de 12 mg por dia.

Ômega 3. Ácido graxo essencial, com ação anti-inflamatória. Inibe a geração de oxidação mitocondrial e celular, especialmente em células pancreáticas. A nível circulatório, melhora a viscosidade sanguínea e evita glicação dos açúcares. Os estudos sugerem de 2 a 3 g por dia

Ácido Alfa Lipóico. É um varredor de radicais livres, com ação tanto no meio lipossolúvel como hidrossolúvel, regenerando outros antioxidantes como as vitaminas C, E, coenzima Q10, NAD (nicotinamida adenina dinucleotídeo) e glutationa. Além disso, melhora a sensibilidade à insulina.

Portanto, na próxima vez em que for checar sua glicemia, lembre desses fatores. Cuidar das suas mitocôndrias é fundamental!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *