Alimentação

Funghi Porcini: o Preferido dos Chefs Gourmet

Os cogumelos Porcini são largamente consumidos em todo o planeta, especialmente os colhidos na época do verão até o outono na Itália. Eles são um componente festejado em pratos italianos, e o favorito entre os chefs gourmet.

O nome Porcini significa leitão, em italiano, e diz respeito ao seu formato gordinho e saboroso. Apresenta um forte sabor de nozes, tenros, carnudos perfeito para molhos, salteados no azeite ou simplesmente grelhados.

Reza a lenda de que eram colhidos por porcos, animais estes usados para fuçar no solo outra variedade de fungo, as trufas, que se escondem debaixo da terra e são difíceis de se encontrar. O grande desafio é colher a trufa antes de ser devorada pelos porcos!

O porcini é encontrado em florestas de madeira de lei, formando uma relação simbiótica com as árvores, transportando os nutrientes para as raízes delas.

Por isso o funghi porcini não pode ser cultivado em massa, o que justifica um maior valor no produto. Os melhores são colhidos no norte da Itália, em regiões como o Piemonte, Lombardia, Umbria, Veneto, Ligúria e Emiglia-Romana.

Apesar da Itália ser a mais famosa por seus funghis porcini, eles também podem ser encontrados na Europa, nos EUA, na Nova Zelândia e até na África do Sul.

Os cogumelos são valorizados por suas propriedades medicinais há séculos, tanto é que no antigo Egito usavam-se os cogumelos como algo que trazia uma vida longa.

Considerando as evidências científicas, é fácil entender por que.  Hoje sabemos que isso pode ser devido a muitos fitoquímicos benéficos e outros compostos que eles contêm.

Enquanto todos os cogumelos comestíveis têm propriedades benéficas, alguns são mais potentes do que outros.

Funghi Porcini contém:

  • O maior potencial antioxidante entre os cogumelos, pois contém 02 poderosos elementos endógenos que são a ergothioneine e glutathione. A ergotioneína tem ação mais específica na proteção do seu DNA contra danos oxidativos, enquanto a glutationa é importante para a desintoxicação de metais pesados ​​e outros contaminantes.
  • Vitaminas e minerais em alta concentração, como as vitaminas do complexo B e C, além de cálcio, potássio, fósforo, magnésio, selênio e zinco.
  • Rico em fibras

Benefícios

A literatura que suporta os seus benefícios positivos para a saúde é extensa, incluindo efeitos:

  • Anticancerígeno
  • Regulação da glicemia
  • Efeitos antioxidantes, antibacteriano e antivirais
  • Proteção hepática e gástrica
  • Controle de peso
  • Ação anti-inflamatória
  • Melhor desempenho atlético
  • Imunoestimulante

Exemplos de cogumelos medicinais para adicionar à sua dieta

Todas essas evidências o fazem um superalimento. Portanto, é aconselhável adicioná-lo a sua dieta, assim como todos os outros cogumelos, pois eles têm uma ação medicinal natural das mais poderosas do planeta.

São um excelente complemento em todos os tipos de carne, peixe e até em saladas.

Mas certifique-se de que eles são cultivados organicamente, para evitar contaminantes prejudiciais que o cogumelo absorve e que se concentram no solo, ar e água.

Evite pegar cogumelos na natureza a menos que tenha certeza absoluta de que sabe o que está colhendo. Há uma série de cogumelos tóxicos e é fácil confundi-los. Cuide-se e tenha uma Supersaúde!

Referências bibliográficas:

  • FASEB Journal April 2013; 27(1) Supplement 643.15
  • FASEB Journal April 2013; 27(1) Supplement 643.17
  • Nutrition Horizon April 24, 2013
  • Food Chemistry 2017 Oct 15;233:429-433
  • Science Daily November 9, 2017
  • Medical News Today November 10, 2017
  • Newsweek November 9, 2017
  • Beta Glucan Research Organization
  • Medical News Today November 17, 2012
  • The Guardian March 2, 2014
  • Cancer Research November 1970 30; 2776
  • Advances in Therapy August 2008; 25(8): 787-794
  • Alternative Medicine Review 2007 March;12(1):63-8
  • Herbal Medicine: Biomolecular and Clinical Aspects, Chapter 9, Ganodermalucidum
  • Bio Space April 22, 2013
  • Medical News Today April 24, 2013
  • Nutrition Horizon April 24, 2013
  • American Journal of Chinese Medicine 2010;38(6):1093-106
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *