O Ferro não é tão bom Assim como Você Imagina

Quando se fala em ferro, sempre se pensa em carência. Ele é um mineral essencial, fundamental na produção de energia e na produção de células sanguíneas.

Se nós não temos o mineral em níveis adequados:

  • nossas defesas antioxidantes, imunidade e função metabólica estarão prejudicadas.
  • as mulheres grávidas não terão como fornecer oxigênio e nutrientes para seus bebês em desenvolvimento.
  • as crianças terão seu desenvolvimento mental e físico comprometido.

Para evitar essas tragédias, a maioria dos países chega a exigir a fortificação de farinha refinada com grandes quantidades de ferro.

O lado obscuro do ferro

Porém, há um grande corpo de evidências ligando níveis elevados de ferro a doenças, causando danos seríssimos, catalisando importante produção de radicais livres, danificando o DNA, as células e a membrana mitocondrial.

Tem sido associado a:

  • diabetes tipo 2 e resistência à insulina
  • doença cardíaca
  • doenças neurodegenerativas
  • inflamação
  • doença de Alzheimer
  • hipertensão
  • hepatite C e esteatose hepática
  • hipotireoidismo
  • artrite gotosa
  • câncer

Excesso de ferro é extremamente comum

A maioria dos homens adultos e mulheres pós-menopausadas são os que mais correm o risco de apresentarem excesso do mineral. Todos precisam se conscientizar da importância de estarem se tratando para recuperar níveis seguros desse metal.

Além disso, há também uma doença hereditária, a hemocromatose, que promove maior retenção de ferro a níveis excessivos e perigosamente prejudiciais.

Para piorar, nós não temos mecanismo ativo de excreção de ferro, ou seja, ele é sempre acumulado no organismo, especialmente nas condições mencionadas acima.

Portanto, é imperativo monitorar os seus níveis de tempos em tempos.

Hemocromatose hereditária

Esta é uma condição genética que aumenta a absorção e retenção de ferro na dieta de uma pessoa. Por incrível que pareça, no passado teve certos benefícios.

Na época da peste bubônica, os portadores desta condição apresentavam uma resistência natural à esta condição, pois a hemocromatose tem um efeito de tornar as células imunes brancas deficientes de ferro e, portanto, resistentes à praga, que se alimenta desse metal.

Só que nos dias de hoje, sem problemas dessas epidemias, a literatura aborda a hemocromatose como uma doença relacionada à sobrecarga do mineral.

Fatores alimentares que podem causar aumento de ferro

  • Cozinhar em panelas de ferro. Aumenta o risco de absorção se usá-las preparando alimentos ácidos.
  • Alimentos processados, fortificados com ferro, como cereais e pães brancos. Para piorar, o ferro usado nesses produtos é o inorgânico, que tem mais em comum com a ferrugem do que com o mineral biodisponível encontrado na carne.
  • Consumir água rica em ferro. Mesmo água filtrada, quando passa por encanamentos antigos, pode estar rica neste mineral. Aconselhável sempre usar um filtro de água de osmose reversa.
  • Usar vitaminas e suplementos minerais sem ferro.
  • Consumir excesso de álcool aumenta a absorção de ferro em sua dieta.
  • Excesso de consumo de óleos de semente. Há uma suspeita, baseada em estudos em animais e humanos, de que a relação entre consumo desses tipos de óleos – que são ricos em ácidos graxos polinsaturados, com maior tendência a oxidação – apresentarem também maior alteração peroxidativa de ferro. O óleo que se usou nesse estudo foi o óleo de cártamo. Já num grupo que usou uma alimentação à base de óleo de coco não houve reação negativa ao mineral.

O que fazer com altos níveis de ferro?

Inicialmente, homens e mulheres na pós-menopausa devem checar seus níveis de ferro. Se os valores forem elevados você deve:

Doar sangue

É uma maneira rápida e segura que também pode ajudar o próximo.

Dieta

Não adianta você querer gerenciar o ferro com dieta, ou seja, não pare de comer carne vermelha, fígado e ostras por causa do teor desse mineral. Com essas atitudes, você perderá todos os nutrientes incríveis que esses alimentos podem oferecer. Seguir essas regras ainda mais restritivas de alimentos só aumenta as suas chances de outras deficiências nutricionais.

Converse com o seu médico para que ele possa lhe pedir esse exame e acompanhar o seu tratamento.

Referencias bibliográficas:

www.drrondo.com/excesso-de-ferro-aumenta-o-risco-de-diabetes/

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




























               Clique aqui para saber mais detalhes >




 
close-link
close-link