Prevenção

Disbiose: o Gatilho da Diabetes Tipo 1 e 2

Você pode se surpreender, mas quero que aprenda que a possibilidade de reverter o diabetes tipo 2 requer a mesma abordagem que a sua prevenção.

Porém, uma vez que está instalada a doença, certamente você vai precisar de mais esforços para revertê-la.

Na verdade, a diabetes tipo 2 começa quando você é uma criança pequena, manifestando os primeiros sinais de pré-disposição genética.

Para essas crianças, a prevenção da diabetes tipo 2 começa enquanto elas são jovens, através da educação dos seus pais.

Aquelas crianças que tem mais facilidade de ganhar peso, mesmo comendo igual as outras, merecem especial atenção o quanto antes.

O motivo é geneticamente determinado pela diferença da quantidade de insulina secretada pelo pâncreas em resposta à ingesta de açúcar e carboidratos.

Quando não há tendência para diabetes tipo 2, o pâncreas secreta pequenas quantidades de insulina.

Quando há uma tendência genética, o pâncreas secreta uma grande quantidade de insulina em resposta à mesma quantidade de açúcar e carboidratos.

Diabetes tipo 1

No caso do diabetes tipo 1, as pesquisas atuais mostram os modos mais efetivos de lidar e controlar a doença. É possível, por meios naturais, prevenir e até revertê-la para os que já foram diagnosticados.

A diabetes tipo 1, também conhecida como diabetes insulino-dependente, é na verdade uma doença autoimune que ocorre porque o sistema imunológico ataca erroneamente as células do pâncreas que produzem insulina.

Isso ocorre por um mau funcionamento do sistema imunológico, como em outras doenças autoimunes (por exemplo: lúpus e esclerose múltipla).

O surgimento de diabetes tipo 1 em crianças pequenas tende a ser precedido por uma alteração nas bactérias intestinais, segundo diversos estudos recentes.

Disbiose induz diabetes tipo 1 ou diabetes tipo 2

Atitudes preventivas contra essas doenças podem evitar um efeito “gatilho” no sistema imunológico, desencadeado por bactérias ruins. No diabetes tipo 1, muito do problema tem sido entendido como um “ataque autoimune” nessas células por linfócitos (um tipo de glóbulo branco) e outras células circulantes do sistema imunológico.

Além disso, a proteína do leite de vaca e o glúten têm sido fortemente implicados como “ativadores” de ataques autoimunes nas células beta; outros antígenos também podem ter essa ação de gatilho.

Quando a Diabetes tipo 1 é diagnosticada, 70% ou mais dessas células beta já podem ter sido destruídas.

A menos que as células beta do pâncreas possam ser recuperadas, os indivíduos com Diabetes tipo 1 devem se autoinjetar insulina uma ou mais vezes durante o dia para ajudar o transporte da glicose da corrente sanguínea para as células, aonde é metabolizada.

Já no caso do diabetes tipo 2, as pesquisas mostram que bactérias boas podem ajudar a prevenir a doença, e bactérias ruins podem desencadear resposta inflamatória aumentada, produzindo superantígenos, preponderantes no desenvolvimento da doença.

Portanto, regenerar a ecologia intestinal é fundamental, com isso reduzindo os anticorpos autoimunes. Estes estimulam o efeito das bactérias ruins, indutores “gatilho” das diabetes tipo 1 e 2, podendo evitá-la ou até revertê-la.

A medicina avança a cada dia com foco na prevenção. Quando você se cuida, mantém as doenças longe. Com certeza é melhor do que esperar o problema acontecer e arcar com os prejuízos. Previna-se!

Como equilibrar sua flora intestinal

Reequilibrar sua flora intestinal é uma das atitudes básicas se você quer ter saúde. Saiba que todas as doenças começam no intestino, portanto, mantenha-o impecavelmente equilibrado.

Veja o que você precisa fazer:

  •  Ingerir alimentos fermentados. Enfatize alimentos fermentados e cultivados como lassi, kefir, natto, conservas de repolho, nabo, berinjela, pepino, cebola e abóbora.
  • Associe um suplemento probiótico. Pois na alimentação moderna, são raras pessoas que fazem uso de alimentos fermentados regularmente.

Destruidores de bactérias boas:

  • Antibióticos, a menos que seja absolutamente necessário (neste caso, associe sempre um suplemento probiótico).
  • Medicações antiácidas e protetores gástricos.
  • Imunossupressor
  • Carnes de animais confinados. Criados usando antibióticos de baixa dose, além de grãos transgênicos, ambos implicados na destruição da flora intestinal
  • Alimentos refinados industrializados, açúcar, frutose e grãos.
  • Água clorada e / ou fluoretada.
  • Sabonete antibacteriano.
  • Vegetais e grãos que contenham defensivos agrícolas como o glifosato (Round Up).

Portanto, fique atento às bactéria boas. Elas fazem a diferença na proteção tanto da diabetes quanto de inúmeras outras doenças!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *