Especiais

Cuidados Invisíveis que Você Precisa ter com o seu Cão

Todos nós sabemos das ameaças dos produtos químicos, tão presentes no mundo moderno. Há centenas de estudos mostrando essas contaminações com produtos domésticos e suas consequências para a saúde humana. Eles agem como disruptores endócrinos, carcinógenos, compostos neurotóxicos e comprometem a reprodução. E você já parou para pensar o que esses tóxicos possam estar fazendo ao seu cão?  

Segundo o Environmental Working Group, que analisou amostras de urina e sangue de animais de estimação, foi comprovado que pelo menos 20% dos produtos químicos apresentavam até 6 vezes mais contaminantes do que se observa em pessoas.

Portanto, comece a fazer atenção a esses produtos químicos “invisíveis” e as suas consequências. Veja os mais preocupantes, segundo a pesquisa:

1. Impermeabilizantes – usados com frequência em panelas, carpetes, sofás e poltronas.

2. Ftalatos – encontrado em xampus para cães, brinquedos de plástico usados por crianças e animais, garrafas, sacos e utensílios plásticos, além de velas aromáticas e purificadores de ar.

3. Produtos químicos retardantes de chamas, que foram ligados ao câncer e comprometimento do sistema imunológico.

4. Herbicidas usados nos jardins, que acabam contaminando o seu cão ao brincar no gramado, no parque e até nas caminhadas na calçada pela presença desses tóxicos. Está correlacionado com aumento importante de linfoma maligno.      

5. Compostos organofosforados e carbamatos presentes em alguns colares antipulgas que estão associados a prejuízo de saúde para as pessoas e para os animais. Estão correlacionados com risco de câncer, danos cerebrais e sistema nervoso.

O melhor que você pode fazer para evitar pulgas é usar óleo de coco (clique aqui para saber mais) que apresenta ação repelente leve contra pulgas e reduz a irritação das picadas. Além disso, banhos frequentes com sabonete de coco.

Se você cuida da sua saúde, por que deixaria de lado a saúde do seu cão? Ele depende da sua responsabilidade. Supersaúde!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *