Especiais

O que Comer e o que Não Comer Durante a Copa do Mundo

Pra grande parte das pessoas, a Copa do Mundo é muito mais que apenas futebol. É um momento de festejar, celebrar, encontrar-se com os amigos para assistir aos jogos, mesmo que nem se goste tanto assim de futebol.

E nessas horas, é claro, sempre há comida. Seja um belo churrasco ou apenas aperitivos, nunca falta algo para beliscar e até mesmo matar a fome. É aqui que você precisa ficar alerta aos exageros. Alguns desses alimentos são uma verdadeira bomba-relógio, enquanto outros, que você nem imagina, fazem bem para a saúde!

Vamos falar de alguns dos mais comuns e esclarecer o que você deve comer e o que deve evitar durante a Copa do Mundo.

Churrasco

Ele é praticamente unanimidade quando o assunto são os jogos da Copa. A carne vermelha em si, como sempre digo, é um melhores alimentos que existem. Mas tudo depende do preparo. A carne ideal é a mal passada. Quanto mais ela é assada, aumentam seus níveis de 3 químicos:

  1. Aminas heterocíclicas (HCAs) – estão relacionadas ao câncer e aparecem quando a carne é preparada em altas temperaturas.
  2. Hidrocarbonos aromáticos policíclicos (PAHs) – formam-se quando a gordura goteja na fonte de calor, causando fumaça excessiva. Essa fumaça envolve a carne, e então transfere essas aminas desfavoráveis ao produto.
  3. Produtos finais de glicação (AGEs) – aumentam o risco de estresse oxidativo, inflamação e predisposição para doença cardíaca, renal e diabetes.

Então, aproveite o churrasco, mas sempre mal passado! Além disso, converse com seu açougueiro para que ele lhe consiga carne de animais criados livres pastoreando, que tem mais vitaminas, minerais, ômega 3 e apresenta cerca de 500% mais CLA, o ácido linoleico conjugado, que é um eficiente protetor de câncer e reduz a sensibilidade à insulina, ajudando a emagrecer.

Outra dica para melhorar a qualidade de carne é mariná-la na cerveja ou no vinho.  Se descansarmos a carne por cerca de quatro horas na cerveja, podemos reduzir significativamente o índice dos hidrocarbonos aromáticos policíclicos.

As cerveja escuras são as mais eficientes para isso, graças ao índice de antioxidantes que elas têm. Só para se ter uma ideia, a cerveja clara reduz a formação de PAHs em 36,5%, enquanto que a cerveja preta reduz os PAHs em 68%.

Outros estudos anteriores mostravam que marinar a carne em vinho tinto ou cerveja por seis horas reduzia em 90% a formação de HCAs.

Aperitivos

Para quem gosta de algo mais leve, só para “beliscar”, os salgadinhos e outros itens são sempre escolhidos. Veja algumas opções se esse é o seu caso:

Salgadinhos industrializados

Bom, você já deve estar imaginando que comer salgadinhos industrializados não é uma boa opção para a saúde. E não é mesmo! Eles são cheios de conservantes, corantes e outros produtos químicos lesivos. Mas há algumas deliciosas alternativas…

Pipoca

Que tal acompanhar os jogos com um balde de pipocas? Elas são ricas em polifenois, minerais como zinco, manganês, magnésio e fósforo, além de vitaminas B3 e B6.

Mas, atenção: FUJA de pipocas de microondas, que estão cheias de gorduras ruins e químicos. Estoure sua própria pipoca com gorduras naturais boas, como óleo de coco, banha de porco ou manteiga.

Amendoins

Eles são incríveis para a saúde. Tem proteínas, gorduras boas, reduzem risco de doença cardiovascular, triglicérides e não promovem ganho de peso. Opte sempre pelo amendoim orgânico, e consuma-o em sua forma natural.

Cerveja

Ela é geralmente o acompanhamento dos alimentos e, se usada com moderação, tem até alguns benefícios. Pesquisas indicam que a cerveja auxilia na hidratação, na saúde cardíaca, na perda de peso, na saúde dos rins e ajuda até na prevenção da artrite (clique aqui para saber mais).

Mas fique atento. Esses benefícios são somente quando o consumo é moderado. Beber demais traz todos os problemas que certamente você já ouviu falar e conhece bem.

Agora você já sabe quais suas melhores opções e como prepará-las para curtir a Copa do Mundo sem problemas. O melhor: alimentando-se corretamente você aproveita os jogos e ainda tem benefícios para a saúde. Isso é que é ganhar de goleada!

Referências bibliográficas:

  • Eur J Cancer Prev.1993:2;293-300
  • Carcinogenesis.1993:14;773-775
  • Nutr. Cancer. 1995:23(3), 271-281.
  • American Institute for Cancer Research April 30, 2008
  • Agric. Food Chem., 2008, 56 (22), pp 10625–10632
  • American Journal of Clinical Nutrition. April 8, 2010
  • Journal of Agricultural and Food Chemistry March 26, 2014
  • American Chemical Society March 26, 2014
  • Journal of Agricultural and Food Chemistry 2008, 56 (22), pp 10625–10632
  • New Scientist December 30, 2008
  • Alcoholism: Clinical and Experimental Research Volume 34, Issue 11, Article first published online: 24 AUG 2010
  • Medical Hypotheses – 06 November 2009
  • Nutr Res, 2002; 22:227-237
  • J Nutr Biochem, February 2000; 11:76-80.
  • The Lancet, January 22, 1994; 343:235
  • Am J Med Sci, November 2000; 320(5):320-326
  • Am J Med Sci, November 2000; 320(5):320-326.
  • Circulation, 2002; 105:2836-2844.
  • Medical Tribune, May 1, 1997; 26
  • Journal of Internal Medicine, 1997; 242:219-224.
  • BMJ, May 20, 2000;320:1378-1379
  • Almanaque do Campo. Xico Graziano. Editora Panda Books.. 2011
  • Am J Clin Nutr. Jan.1999;30-42
  • Nutr J. Sept 14, 2012; 11:71
  • University of Scranton March 26, 2012
  • Environ Health Perspect. 2010 Dec; 118(12): 1762–1767
  • Journal of Agricultural and Food Chemistry March 26, 2014
  • American Chemical Society March 26, 2014
  • Women’s Health March 31, 2014
  • MedicineNet.com
  • Hearth, Patio & Barbecue Association, Grilling Facts and Figures
  • Huffington Post May 24, 2013
  • Mol Carcinog. 2012 Jan;51(1):128-37.
  • National Cancer Institute, Chemicals in Meat Cooked at High Temperatures and Cancer Risk
  • Journal of Agricultural and Food Chemistry March 26, 2014
  • Women’s Health March 31, 2014
  • J. Agric. Food Chem., 2008, 56 (22), pp 10625–10632
  • J Food Sci. 2008 Aug; 73(6):T100-5.
  • American Journal of Clinical Nutrition April 8, 2010
  • Natural Medicine Journal July 2010 Vol. 2 Issue 7
  • The Free Library April 24, 1999 
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *