Cogumelo Reishi para Melhorar a sua Imunidade

A tradicional medicina asiática tem usado os cogumelos Reishi (Ganoderma lucidum) por mais de 2000 mil anos.

É um dos cogumelos mais valorizados e possivelmente a melhor escolha como um tônico geral para a saúde e quando se pensa em aumentar a expectativa de vida.

As pesquisas clínicas modernas também confirmam esses usos seculares.

Seus benefícios estão presentes a nível imunológico, cardiovascular, hepático, além de ser usado com frequência por alpinistas no combate das doenças da altitude.

Por ser um adaptogênico, é usado em fórmulas de atletas chineses para aumento de performance.

O cogumelo Reishi, de acordo com estudos clínicos modernos, pela presença dos seus componentes ativos, como polissacarídeos (beta glucan), triterpenos (ácido ganodérico) e ergosteróis, apresenta os seguintes benefícios:

Imunológico

É comumente usado para fortalecer o sistema imunológico, especialmente nos tratamentos para câncer.

Os polissacarídeos de cadeia longa, particularmente as moléculas de alfa e beta glucana, são os principais responsáveis por esses efeitos imunológicos.

Vários desses compostos passaram por ensaios clínicos de Fase I, II e III, sendo usado com sucesso para tratar vários tipos de câncer de acordo com o International Journal of Medicinal Mushrooms. Eles:

– aumentam os linfócitos T e reduzem o CD8

– atenuam os efeitos colaterais de quimioterapia ou radiação

– suprimem a replicação do vírus sincicial respiratório (imunomoduladora fúngica (FIP) -fve)

– aumentam memória livre de anticorpos para patógenos, que dura meses (β-D-glucano) 

– melhoram as infecções do trato respiratório superior e inferior e aumentam a imunidade (beta-glucano)

– reduzem os eventos de resfriado comum em 1/4 (β-D-glucano)

– aliviam a gripe (H1N1 e H5N1) em ratos

Anti-inflamatório

Seus efeitos anti-inflamatórios são comparáveis com hidrocortisona, segundo estudo em animais, ação que é confirmada in vitro.

Como exemplo, em um estudo onde se usou 220 mg de extrato de Reishi, obteve-se um efeito comparado a 5 mg de hidrocortisona.

Equilíbrio da glicemia

Muito dessa resposta é pela presença de polissacarídeos como Ganoderans A, B e C

– melhora a sensibilidade à insulina e reduz a glicemia

– melhora a utilização da glicose, tanto hepática como periférica 

Cardiovascular. 

– ação inibitória da agregação plaquetária  

– redução da pressão arterial

– redução de colesterol elevado por duas vias, sendo uma delas pela inibição da síntese do colesterol endógeno e diminuição da absorção do colesterol contido nos alimentos

Fígado

Frequentemente esse cogumelo é usado como protetor hepático. Em indivíduos com hepatite B, com alterações nas enzimas TGO e TPG, além de bilirrubinas o uso de 6 gramas de Reishi por 3 meses normalizaram esses valores.

Doença de altitude

Age melhorando a oxigenação sanguínea. Em escaladores de montanhas que chegaram a altitude de 17.000 pés, suportaram bem essa elevação com mínimas reações, segundo estudo chinês.  

A orientação é que se comece a usar o Reishi entre 10 e 15 dias, antes de subir a montanha.

Indutor do sono

É uma forma segura e eficiente de melhorar a qualidade do sono. Esse cogumelo tem habilidade de acalmar o sistema nervoso, gerando um estado de relaxamento profundo.

Os estudos em animais mostram que esse cogumelo age influenciando a flora intestinal a produzir naturalmente neurotransmissores que agem como mensageiros para produção de serotonina.

Cerca de 80% dos neurotransmissores são produzidos no microbioma, incluindo 90% da serotonina.

Dosagem: 

Segundos estudos, o ideal é tomar 1 a 4 caps de 500 mg 2 vezes por dia, de manhã e à noite, de preferência com o estomago vazio.

Não apresenta toxicidade, porém pode ocorrer desconforto gástrico ou irritação de pele em pessoas sensíveis.

Muito cuidado no caso do uso de anticoagulante ou medicação anti-hipertensiva, pois pode acentuar a resposta. 

Para pacientes que usam imunomoduladores, imunossupressores ou que foram submetidos a transplante de órgãos, não é aconselhável usar cogumelos.

Supersaúde!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *