Na hora do check-up, pense em mais saúde

Com a proximidade do final do ano, quem passou dos 40 já se prepara para um check-up. Ótimo que exista a preocupação com a prevenção. Mas os pacientes precisam saber que os exames comuns não bastam. Embora não se possa dizer que sejam obsoletos, eles sozinhos não detectam riscos decorrentes de desequilíbrios moleculares já existentes, mas que ainda não causaram nenhum efeito sensível em órgãos. Ao contrário, os exames que compõem o check-up molecular, além da investigação tradicional, captam até mudanças sutis, que possam gerar problemas no futuro. Outra vantagem é o custo: de duas a três vezes menor do que o tradicional.No check-up molecular, alguns exames são feitos na própria clínica e demoram cerca de uma hora, com resultados instantâneos. Confira, a seguir, a relação de exames que o compõem. Para agendar ou obter detalhes, ligue (11) 3167-0128.

Antioxidantes contra a fibromialgia

A maioria dos tratamentos da fibromialgia, doença da moda, privilegia o uso de analgésicos, antidepressivos, antiinflamatórios etc, que só visam os sintomas. Sem os remédios, voltam as dores pelo corpo, a rigidez muscular, distúrbios do sono, depressão e fadiga.Essa doença, que muitos identificam como síndrome da fadiga crônica, leva à produção descontrolada de cortisol e adrenalina, hormônios que causam perda óssea, degeneração dos discos vertebrais, dores musculares e tendinites. Sob constante pressão, as glândulas adrenais entram em colapso, os sintomas pioram, as pessoas sofrem. Há poucos anos, a OMS (Organização Mundial da Saúde) apontou que cerca de 90% das doenças têm ao menos um componente ambiental. Daí a importância de ir à raíz do problema.

Uma super máquina de saúde

São comuns as tecnologias eficientes para enfrentar emergências médicas. Mas só recentemente surgiu um equipamento que permite um combate mais efetivo das doenças crônicas e promete a possibilidade de uma vida cheia de energia.Por meio de exames sofisticados, esse aparelho determina o tipo metabólico do paciente, dizendo como seu corpo produz e processa energia. Esses dados permitem que o médico aponte os alimentos apropriados e os suplementos nutricionais ideais.

Calor e gelado é perigo dobrado

A diferença térmica favorece a ocorrência de resfriados, sinusites, amigdalites e faringites, infecções que serão melhor combatidas se a criança estiver com boa saúde.A prevenção consiste numa alimentação rica, com ácidos graxos essenciais, vitamina C (antibacteriana e antiinflamatória) e bioflavanóides (de ação antiinflamatória), encontrados no trigo, em vegetais e na pele branca que envolve certas frutas.

Gordura trans, a inimiga oculta

Presente em bolachas, salgadinhos, cremes e outras delícias, é a gordura mais prejudicial para o sistema vascular, mas só agora começa a despertar a atenção dos órgãos de saúde.Embora seus efeitos nocivos já fossem apregoados pela medicina preventiva ortomolecular há algum tempo, só agora a chamada gordura trans entrou na mira de órgãos oficiais de saúde, como o americano FDA (Foods and Drugs Administration), que vai exigir a especificação de sua presença nos rótulos de alimentos processados.

Antioxidantes x Simpósio Internacional de Medicina Ortomolecular

Homeopatas, fitoterapeutas, especialistas em ramos milenares da Medicina – como a tradicional chinesa e a ayurvédica –, além de adeptos de primeira hora das teorias ortomoleculares e pesquisadores de grandes universidades brasileiras e internacionais, reuniram-se por dois dias no Hotel Maksoud Plaza, em São Paulo.O motivo foi a realização do X Simpósio Internacional de Medicina Ortomolecular, nos dias 17 e 18 de outubro. Seus temas principais foram o estresse oxidativo e o uso de antioxidantes pelas chamadas medicinas complementares. O primeiro mérito do evento foi reafirmar que as teorias da medicina ortomolecular, sobre a importância dos antioxidantes e o risco dos radicais livres para o organismo, mantêm-se atuais.

Estresse, pior no final do ano

Preocupações com férias, viagens, festas, presentes e compromissos profissionais somam-se nessa época e deixam qualquer pessoa à beira de um ataque de nervos.Com as comemorações de final de ano e os preparativos para as férias, os meses de dezembro e janeiro são um teste de resistência física e emocional. Em parte, o desgaste tem a ver com o excesso de preocupações – festas, presentes, viagens, urgência em zerar compromissos profissionais. Enfim, uma maratona. Simbolicamente, é também um momento de balanço, quando se avalia tudo o que foi realizado e se traçam as metas para o ano seguinte.

Tireóide, a chave da energia

Milhões de pessoas sofrem de insuficiência tireoidiana e não sabem. O resultado é uma epidemia mundial de desânimo e baixa vitalidade.Cansaço, irritabilidade e confusão mental são sintomas freqüentemente atribuídos ao estresse por um grande número de pessoas. Mesmo sentindo-se sugadas e sem energia, elas vêem os seus check-ups darem resultados normais e, assim, tocam a vida durante anos. Muitas vezes, carregam a pecha de pouco determinadas, depressivas e sem vitalidade. Até que, finalmente, o problema atinge tal gravidade que até os exames menos precisos logo o diagnosticam: hipotireoidismo. No mundo inteiro, a incidência dessa doença vem aumentando, mas os exames para diagnosticá-la continuam falhos. Por isso, mesmo com resultados aparentemente normais à mão, o médico deve investigar outros indicadores do problema e levar a sério as queixas do paciente.

Sol, um banho de saúde

Com moderação e em horário adequado, a exposição ao sol promove a produção de vitamina D, fortalece ossos e células e ajuda na prevenção de inúmeras doenças.Nas últimas décadas, o sol virou o vilão maior do envelhecimento precoce e de alguns tipos de câncer. Como resultado, nunca se usou tanto protetor solar. Hoje, ninguém se arrisca a sair de casa sem ele – nem mesmo bebês e crianças um pouco maiores são expostos ao sol sem proteção. Boas intenções à parte, esse excesso de zelo também está produzindo resultados indesejáveis. E, aos poucos, surgem as primeiras tentativas de reabilitar o sol à sua antiga condição de fonte de saúde.

Colesterol, nem tão vilão assim

Condenado nas últimas décadas como inimigo público número um do coração, o colesterol vem sendo objeto de controvérsias entre os pesquisadores.A comunidade médica mundial está dividida e o pomo da discórdia é a redução dos valores de referência para os níveis de colesterol sangüíneo. Os que a defendem alegam haver relação direta entre colesterol e risco cardíaco. Pesos pesados da medicina, porém, vêem na medida apenas um eficiente lobby dos laboratórios para aumentar em alguns milhões o número de usuários de drogas redutoras de colesterol, como as estatinas. É o que pensam, por exemplo, o presidente do Instituto Americano do Estresse, Paul Rosch, e o cientista Uffe Ravnskov, presidente da THINCS, organização de pesquisa sem fins lucrativos.