Nada melhor do que dormir bem

Hiperatividade, irritação, cansaço, olheiras, dificuldade de aprendizado e problemas respiratórios podem ser sinal de falta de sono. Os hábitos familiares e as alergias costumam ser a causa do problema. Dormir mal, entre outras coisas, reduz a melatonina (poderoso antioxidante), o cortisol (atua no sistema imunológico), e interfere na produção de insulina, abrindo espaço para obesidade, diabetes e hipertensão.Para as crianças, quanto mais horas de sono antes da meia-noite, melhor.

Depressão, a vida por um fio

Como encarar essa doença que está se tornando uma epidemia no mundo moderno e fazer as pessoas recuperarem o prazer de viver.Uma doença séria afeta 20% da população adulta e leva 15% ao suicídio: a depressão, mais prejudicial à saúde do que todos os efeitos negativos causados por estresse, poluição e alimentos empobrecidos e repletos de toxinas. Ela atinge duas vezes mais mulheres do que homens e a incidência aumenta quando há casos na família.

Calvicíe precoce cuidado com ela

Perda de cabelos em homens jovens sugere problemas de saúde.Quem diria! Uma inocente calvície precoce, como é classificada a queda acentuada de cabelos que se inicia antes dos 35 anos, pode indicar risco de problemas cardiovasculares. A associação entre uma coisa e outra já está estabelecida, embora ainda não se saiba por que isso acontece. Mas ainda há mais: estudos mostram que a calvície precoce pode ser também um sinal clínico de quem apresenta um quadro de resistência à insulina. Assim, precisa ser considerada com cuidado por quem deseja preservar a saúde.

Envelhecimento

O que é e o que pode ser feito para minimizar seus efeitos.As pessoas tem conceitos diferentes da palavra “envelhecer”. As definições dos indivíduos podem incluir conceitos tanto pessoais como os das esposas e Pais. Para a maioria, envelhecer é relacionado com doenças, males da idade, disfunções físicas e mentais. Alguns adolescentes pensam que envelhecer abrange termos de responsabilidade, maturidade, independência e até, morte.

Viver mais e melhor

Prepare-se para uma velhice cheia de saúde e vigor.As crianças que estão nascendo nesse início do terceiro milênio já chegam ao mundo com um presentão: a expectativa de vida é de 72,5 anos, para os garotos, e de 79,3 anos para as meninas. Se você pensar que no auge do império romano esperava-se viver apenas 26 anos, e que no início do século passado a média batia em míseros 49, foi um salto e tanto. É cada vez mais comum encontrarmos pessoas de idade avançada que continuam ativas. Um bom exemplo é o sr. Roberto Marinho, presidente das Organizações Globo. Mas nem sempre é assim.

Radicais livres e doenças

Comece já seu caminho para a uma vida longa e saudável.Os radicais livres são moléculas altamente instáveis, resultado dos milhões de reações químicas produzidas pelo organismo, essenciais para a saúde e o correto funcionamento do corpo humano. Mas, em excesso, podem prejudicar outras moléculas, abrindo espaço para doenças. Eles estão implicados em mais de cinqüenta problemas médicos, incluindo-se aí várias formas de câncer, doenças cardíacas, envelhecimento precoce, catarata e aids. Sua ligação com tamanha variedade de doenças sugere que eles não são elementos isolados ou fenômenos periféricos, mas atores principais na maioria dos problemas de saúde.

Rir para viver mais e melhor

O bom humor e a disposição de olhar o mundo com otimismo são armas poderosas: fortalecem o sistema imunológico e a saúde como um todo. Otimistas adoecem menos, recuperam-se mais rapidamente de doenças e cirurgias, sofrem menos derrames, sentem menos dor, usufruem de mais energia a maior parte do tempo e, no trabalho, têm menos problemas vinculados ao estado emocional.Por 10 anos, pesquisadores dinamarqueses acompanharam mil cidadãos, entre 65 e 85 anos, e constataram uma redução de 55% em mortes e 23% de problemas cardíacos que levaram à morte entre os muito otimistas, quando comparados aos pessimistas. Outra pesquisa avaliou 1.306 homens, também pelo período de 10 anos, e apontou que os otimistas tiveram menos de 50% dos eventos vividos pelos pessimistas, entre mortes, doenças coronarianas, infartos não fatais do miocárdio e ataques de angina. Os benefícios do otimismo são evidentes e democráticos, não fazem distinção de sexo, cor ou idade. Mantenha o seu em alta.