Alimentação

Carne de Animais a Pasto vão Nutrir as suas Mitocôndrias!

Os benefícios da carne alimentada a pasto continuam sendo notícia no mundo da ciência. Mas eu sei que o que chega para você de tempos em tempos são sempre notícias desfavoráveis a essa proteína.

Se você ainda continua com a noção obsoleta de que gordura saturada de produtos cárneos – especialmente carne – é ruim para você, é o momento de  atualizar seu pensamento.

Mas a carne que me refiro, obviamente, é a proveniente de animais a pasto, por várias razões que tenho mencionado sempre. Mas agora, novos estudos mostram novas e excelentes razões para isso.

Um desses motivos é pelo fato desta carne ser riquíssima em ácido esteárico, um ácido graxo saudável cientificamente comprovado por nutrir a sua mitocôndria.

O que são as mitocôndrias e por que você precisa delas?

As mitocôndrias são importantes estruturas celulares geradoras de energia e queima de gordura, ou seja, a força motriz de suas células.

Elas produzem cerca de 90% da energia gerada em seu corpo. Para você entender essa importância, saiba que tudo o que acontece em seu corpo, das contrações musculares à regeneração celular, requer energia.

Portanto, a saúde mitocondrial tem um grande impacto no seu bem-estar geral.

E segundo a Revista Nature, “As mitocôndrias estão envolvidas em uma variedade de funções celulares, incluindo a produção de trifosfato de adenosina (ATP), biogênese e degradação de aminoácidos e lipídios, sinalização e apoptose. A disfunção mitocondrial tem sido associada a doenças neurodegenerativas, cardíacas, câncer e envelhecimento”.

Para os “tecnicamente inclinados”

Se você se interessa por mais detalhes científicos, veja isso:

  • Pesquisas realizadas em 2015, em moscas, sugerem que a suplementação dietética de ácido esteárico pode ajudar seu corpo a resistir à disfunção mitocondrial associada a doenças neurodegenerativas como a doença de Parkinson. Os autores do estudo disseram:

“Descobrimos que as células animais estão prontas para responder a ambos os aumentos e diminuições nos níveis de ácido esteárico, com o aumento da ingestão de ácido esteárico aumentando a fusão mitocondrial…

Curiosamente, a suplementação com ácido esteárico na dieta pode neutralizar a disfunção mitocondrial causada por defeitos genéticos, como a perda dos genes da doença de Parkinson, PINK 1 (quinase 1 putativa induzida por PTEN) ou Parkin…  Este trabalho identifica o ácido esteárico do metabólito como uma molécula de sinalização que regula a função mitocondrial em resposta à dieta “.

  • Segundo estudo publicado no Science Daily, realizado no German Cancer Research Center, em Heidelberg, Alemanha, quando os pesquisadores adicionaram ácido esteárico para produzir alimento, as mitocôndrias dos insetos se fundiram, e quando reduziram os níveis de ácidos graxos da dieta, as organelas se fragmentaram.

Com isso, as moscas passaram a apresentar sintomas semelhantes ao mal de Parkinson resultantes de um defeito mitocondrial nas proteínas PINK 1 e Parkin demonstraram melhorias em nível energético e habilidades motoras.

E de acordo com o professor e chefe do German Cancer Research Center, o bioquímico Aurelio Teleman, Ph.D., ficaram claras, com todas essas evidências, a importância potencial do ácido esteárico para as dietas humanas. Ele declarou:

“Se o uso de ácido esteárico como um aditivo alimentar melhora o desempenho das mitocôndrias normais, então ele pode fazer o mesmo em mitocôndrias patologicamente disfuncionais.

Isso abre a possibilidade fascinante de usar um aditivo alimentar para aliviar os sintomas em pacientes com doença mitocondrial. No entanto, ainda não sabemos se as células humanas responderão da mesma forma que as células da mosca ao aumento das quantidades de ácido esteárico na dieta”.

  • E, mais recentemente, em um estudo de 2018 publicado na revista Nature Communications, os autores observaram:

“Nós mostramos aqui que a ingestão de ácido esteárico rápida e robustamente causa fusão mitocondrial em pessoas dentro de três horas após a ingestão. A ingestão de ácido esteárico também causa uma queda nas acilcarnitinas circulantes de cadeia longa, sugerindo aumento da beta-oxidação de ácidos graxos in vivo. Este trabalho identifica o ácido esteárico como um metabólito alimentar que é sentido pelo nosso corpo para controlar nossas mitocôndrias.”

A conclusão dos pesquisadores é que a ingestão de ácido esteárico, em comparação com outras gorduras saturadas encontradas em animais e plantas, ajuda a diminuir seu risco cardiovascular e de câncer.

A melhor fonte de ácido esteárico: carne de animais a pasto

Para se ter os resultados que as pesquisas mostram, deve-se consumir quantidades saudáveis ​​desse ácido graxo regularmente, encontrado especialmente na carne vermelha de animais criados à pasto, e também em óleo de coco.

Diferenças entre ácido esteárico de animais a pasto com confinados

Estudo realizado em 2014 pela University of Illinois mostrou essa diferença, aonde acarne vermelha de animais criados a pasto apresentou uma concentração de ácido esteárico 36% maior do que a carne de animais confinados.

Já em relação aos níveis de ácido palmítico, que eleva ligeiramente os níveis de colesterol, sendo por isso considerado aterogênico para alguns, eles são praticamente os mesmos em ambas as carnes.

Com isso, os autores concluem: “Assim, em cortes igualmente gordurosos de carne bovina, haveria um maior teor de ácidos graxos saturados na carne de animais criados a pasto”.

Outros motivos para preferir carnes de animais criados a pasto

A carne vermelha de animais criados a pasto provém de animais que pastoreiam consumindo o seu alimento natural, que é o capim.

Já os animais criados em confinamento são alimentadas com uma dieta processada contendo grãos transgênicos, drogas que promovem o crescimento e antibióticos em quantidades incalculáveis.

Com isso, predispõem um aumento de resistência a antibióticos e comprometimento da ecologia intestinal, tanto do animal quanto de quem consome, abrindo portas para queda imunológica, comprometimento da produção de serotonina e aparecimento de diversas patologias.

Como o gado alimentado a pasto é mantido em condições mais saudáveis, a qualidade da carne é superior à da carne de animais alimentada com grãos.

É por isso que a carne de animais que comem uma dieta natural livre de grãos é mais rica em nutrientes como:

  • Betacaroteno
  • Vitaminas B1 (tiamina), B2 (riboflavina) e E
  • Minerais como cálcio, ferro, magnésio, fósforo, potássio e zinco
  • Ácido linoléico conjugado (CLA), um potencial combatente do câncer
  • Ácido vaccênico que pode ser transformado em CLA
  • Ácidos graxos ômega-3 e mantém uma proporção saudável de gorduras ômega-6 e ômega-3

Apresentam também melhores condições sanitárias, livre de patógenos nocivos que são comuns ao gado confinado.

Portanto, uma vez que a sua saúde mitocondrial afeta seu bem estar geral e longevidade, considere o consumir mais carne vermelha de animal a pasto. Você só tem a ganhar!

Referências bibliográficas:

  • Nature September 3, 2015; 525(7567):124-128
  • Nature Communications August 7, 2018; 9(3129)
  • Science Daily July 28, 2015
  • The Weston A. Price Foundation January 21, 2014
  • Centers for Disease Control and Prevention April 10, 2017
  • Livro Sinal verde para a carne vermelha. Editora Gaia
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *