Carne Cultivada em Laboratório: A Falsa Promessa

A onda do futuro agora é a carne cultivada em laboratório.

Pregam que não tem sofrimento animal, nem emissões de gases de efeito estufa, simplesmente uma proteína semelhante à carne normal e que terá o mesmo sabor dos bifes e hambúrgueres convencionais.

Mas, será possível isso?

Dificilmente…

Fazem parecer que a carne cultivada estará disponível nos mercados na próxima década, pois com essa propaganda procuram atrair financiamento público e privado.

Os proponentes pedem ao governo dos EUA para investir bilhões na carne falsa, mas se falharem, o que provavelmente vai acontecer, sobra na verdade para o contribuinte.

Todos os argumentos de vantagens não passam de um frágil verniz para ocultar a verdade.

Veja agora o que realmente ocorre:

1. Sua produção está repleta de preocupações e contaminação ambiental que frustrarão a indústria, antes mesmo de começar.

2. O custo do kg de carne falsa a base de cultura de células para o consumo humano custaria até 8.500 dólares.

3. É necessário construir instalação adequada com “salas limpas”, muito mais sofisticadas do que as destinadas para a indústria alimentar, e teriam que ser de nível farmacêutico.

Isso porque as células de cultura em crescimento são muito vulneráveis à contaminação por bactérias e vírus.

As bactérias crescem a cada 20 minutos enquanto as células animais ficam isoladas 24 h.

Com isso há um altíssimo risco de contaminação da cultura.

4. Para cultivar as células em culturas, usa-se soro fetal bovino, pelas proteínas e vitaminas que contém.

Com isso cancela-se a retorica chave da carne cultivada que deveria ser feita SEM animais.

5. A carne cultivada sem soro fetal bovino seria um custo absurdo, cerca de 20.000 dólares o kg.

6. A opção de fazer carne falsa cultivada sem soro bovino fetal, através da soja transgênica, causaria um problema a mais. As práticas agrícolas destrutivas que este sistema gera.

7. Portanto, a carne cultivada em laboratório pode ser pior ao meio ambiente, o que vem contra mais uma premissa do porquê deste tipo de produção, uma suposta preservação do meio ambiente.

A carne de laboratório é uma falsa promessa de poupar a vida dos animais

A carne cultivada em laboratório financiada e apoiada pela indústria dos transgênicos, cujo objetivo é substituir a carne vermelha, aves, laticínios e peixes por biologia sintética, simplesmente é criar uma dependência de empresas privadas. No fim, só elas vão controlar os alimentos.

Aliás, de alimento não tem nada… E muito menos vai proteger os animais de serem abatidos.

É o “me engana que eu gosto”!

Trata-se de uma carne produzida à base de células de tecidos animais, com a alegação que você estará comendo carne sem nenhum prejuízo ao animal.

Porém, esse processo tem como principal componente o soro fetal bovino, produzido a partir do sangue de fetos de vaca.

Veja agora o esclarecimento do processo agressivo e deprimente de extração do soro fetal bovino, que a Revista Slate, em 2017, comenta: 

    “Se uma vaca que vem para o abate estiver grávida, a vaca é abatida e sangrada, e então o feto é removido de sua mãe e levado para uma sala de coleta de sangue.

    O feto, que permanece vivo durante o processo seguinte para garantir a qualidade do sangue, tem uma agulha inserida em seu coração. Seu sangue é então drenado até que o feto morra, uma morte que geralmente leva cerca de cinco minutos. Este sangue é então refinado e o extrato resultante é Soro Fetal Bovino.”

Na verdade, o que ocorre é que você não está comendo a carne desse animal que foi sacrificado antes mesmo de nascer, sendo usado só o seu sangue.

É muito mais agressivo, bárbaro e desumano, do que abater uma vaca e comer a sua carne.

Ou seja, sem as vacas e fetos de bezerros, não se consegue fazer essa carne, que promovem como sendo sem abate.

E para completar, essa carne cultivada não atende os requisitos dos veganos… nem mesmo de alguns religiosos.

Judeus e Cristãos biblicamente são proibidos de consumir o sangue de qualquer animal, e nessa carne esse é um componente fundamental.

Biologia Sintética e Transgênicos 

Esses são os termos que as empresas usam para as pessoas não perceberem que se trata de junk food altamente processados, geneticamente modificados, como alternativas a carnes e laticínios.

Resumindo

O objetivo real de tudo isso é simplesmente ir acabando com os pecuaristas e agricultores, gerando um produto alternativo patenteado, de origem animal e/ou vegetal, no qual empresas controlarão completamente o suprimento alimentar.

Para salvar o planeta e manter a sua saúde, deve-se evitar todas essas carnes falsas e optar sempre por alimento de verdade, criada da maneira correta!

Supersaúde! 

Referências bibliográficas:

  • The Counter September 22, 2021
  • Cultivated Meat review of the cost of manufacturing
  • Engrxiv, Scale-Up Economics for Cultured Meat December 28, 2020
  • Plant Proteins, May 19, 2020 
  • News Medical Life Science, Oils Rich in Linoleic Acid
  • The Financial Times, Lab-Grown Meat Isn’t About Sustainability, It’s Big Business
  • EAT Forum, Planetary Health Diet
  • O Falso Hambúrguer é a Resposta que Buscamos?www.DrRondo.com.br 
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *