Estética

Calvície: Motivo de Pânico Crescente entre as Mulheres

Tenho recebido muitas pacientes com uma queixa que era rara no passado, a chamada “ calvície de padrão masculino ” em pacientes do sexo feminino.

E ao contrário do que se pode pensar, não faz parte do “envelhecimento normal”.

Na verdade, muitas mulheres podem até achar a calvície sexy nos homens…

Porém, no caso das mulheres é muito difícil de encarar. Muitas, aliás, entram em desespero, pois uma cabeleira espessa e saudável é um sinal de juventude, sensualidade e feminilidade.

Quando começa a diminuir e a cair, sua confiança e auto-estima são severamente afetadas.

Muitos culpam a testosterona pela calvície, mas o problema é muito mais complicado que isso…

O problema real é o excesso de estrogênio.

Mas não o estrógeno natural que o seu corpo produz. Refiro-me aos mimetizadores de estrógeno, que estão por todo lado nesta era industrial.

Está presente de xampus e detergentes para roupas a desodorantes e perfumes. Além disso, é matéria prima de sacos, garrafas e utensílios plásticos, e até em comprovantes e notas impressas (cartão de credito, supermercados, lojas, etc.)

Quando esses falsos estrogênios entram em sua corrente sanguínea, eles se ligam aos receptores de estrogênio, elevando os seus níveis ao máximo.

Consequentemente, a sua progesterona, que é o hormônio que faz você se sentir como uma mulher, vai quase a zero. Consequentemente haverá ansiedade, insônia, baixa libido, depressão, alterações de humor, ganho de peso, pele seca e perda de cabelo.

Esse desequilíbrio faz com que a testosterona seja decomposta em diidrotestosterona (DHT), que é responsável nos homens pelos traços masculinos.

Ele se acumula nas glândulas sebáceas do couro cabeludo, atacando seus folículos pilosos. Com isso seus fios podem encolher e eventualmente cair, comprometendo o crescimento de cabelos grossos e saudáveis.

No caso das mulheres, normalmente ela não tem muito DHT porque esse hormônio é bloqueado pela progesterona. Porém, com essa quantidade de falsos estrógenos que elas estão recebendo, a progesterona cai, a DHT aumenta e você sofre com a calvície.

Como parar e reverter a queda de cabelo

1) Melhorar a assimilação nutricional e ecologia intestinal. Caso você tenha algum problema desta ordem, fica realmente difícil aproveitar os nutrientes de dieta ou de suplementação. Só isso já é indicativo de maior possibilidade de queda de cabelo.

2) Restaurar seu equilíbrio hormonal natural com hormônios bioidênticos.

Deve-se avaliar estrogênio, progesterona, testosterona e DHT. Com os resultados, determina-se quanto de progesterona você precisa para compensar o DHT.

3) Suplementos naturais para bloquear a enzima 5-alfa-redutase, pois é esta que promove a conversão da testosterona em DHT:

  • Beta-Sitosterol. Planta que contém esse princípio ativo. Em um estudo, os pesquisadores deram a um grupo de homens que sofriam de perda de cabelo um placebo ou beta-sitosterol. Concluiu-se no final que 60% daqueles que tomaram o beta-sitosterol tiveram uma melhora no crescimento do cabelo do que o grupo placebo. É um nutriente seguro tanto para homens como para mulheres. Você pode encontrar beta-sitosterol em abacates, nozes e sementes de abóbora. A literatura recomenda de 50 mg a 200 mg por dia.
  • Panax Ginseng. Raiz usada tradicionalmente como adaptogênico, promovendo vitalidade e força. Segundo um estudo recente, o panax ginseng aumenta a irrigação sanguínea no couro cabeludo e promove o crescimento do cabelo quando a perda é causada por excesso de DHT. Em outro estudo comparativo, os voluntários que usaram o panax ginseng recuperaram mais cabelo do que aqueles que usaram apenas um tratamento padrão. Lembre-se que deve-se usar o suplementos de ginseng panax, pois o ginseng americano ou siberiano não vai ter esse efeito. As pesquisas indicaram bons resultados com 200 mg a 500 mg por dia.

Agora, lembre-se: não use nenhuma dessas sugestões sem antes falar com o seu médico. Só ele conhece o seu caso clínico e poderá lhe indicar a melhor opção.

Referências bibliográficas:

 

 

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *