Saúde

Café Quente ou Frio? Qual o Melhor para a Saúde?

Até pouco tempo atrás, falar em beber café frio no Brasil soava como algo absurdo. Estamos acostumados à bebida quente por séculos, e é assim que ela sempre fez parte da identidade nacional, principalmente nos estados que mais a produzem.

Mais recentemente, com as grandes cafeterias multinacionais, surgiram inúmeras bebidas feitas com café frio. E assim, esse hábito que era mais comum em outros países se incorporou também por aqui.

E é aí que surge a pergunta… Será que há diferenças entre o café feito com água quente daquele feito com água fria? Essa dúvida surgiu porque muitas companhias afirmam que a bebida fria teria menos acidez.

Para colocar os pingos nos is, alguns pesquisadores foram investigar se era verdade. E eles acabam descobrindo outras novidades para sua saúde.

Café: quente ou frio?

Pesquisadores a Universidade da Filadélfia e da Universidade Thomas Jefferson testaram o café quente e o café feito a frio. A primeira coisa que foi desmistificada é a questão da acidez. Em ambos os casos, o pH da bebida era similar.

Mas é aí que vem o dado interessante. Embora esse nível fosse semelhante, o café quente tinha mais ácidos tituláveis totais, que podem ser os responsáveis por uma maior quantidade de antioxidantes. Portanto, o café quente se saiu melhor quando o assunto é saúde.

Cuidados ao beber

Há muitos estudos sobre os benefícios do café. A cafeína tem propriedades que ajudam você a ter uma boa saúde cardíaca e na prevenção de inúmeras doenças como:

  • Câncer
  • Doença de Alzheimer
  • Parkinson
  • Esclerose múltipla
  • Depressão
  • Diabetes tipo 2

Mas ainda é preciso tomar cuidados. Algumas pessoas são intolerantes à cafeína e tem dificuldades para metabolizá-la. Grávidas também devem evitar, pois influencia diretamente a saúde do feto. Fora esses casos, aproveite seu cafezinho e tenha uma Supersaúde!

Referências bibliográficas:

  • Scientific Reports volume 8, Article number: 16030 (2018)
  • Gastroenterology May 2007, Volume 132, Issue 5, Pages 1740-1745
  • JAMA. 2000;283(20):2674-2679.
  • BMC Cancer 2011, 11:96
  • Am. J. Epidemiol. (2011) 174 (9): 993-1001.
  • N Engl J Med 2012; 366:1891-1904
  • J Alzheimers Dis. 2012;30(3):559-72.
  • WebMD November 20, 2013
  • The New York Times May 11, 2015
  • Heart March 2, 2015
  • Liver International April 2014, Volume 34, Issue 4, pages 495-504
  • JNCI J Natl Cancer Inst (2015) 107 (2): dju421
  • American Academy of Neurology 67th Annual Meeting Abstract 
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *