Bem-Estar

Banho Quente Demais Faz Mal?

O outono já está aí. E é só as temperaturas baixarem um pouco que muita gente já coloca o chuveiro para esquentar. O problema é que há aqueles que preferem o banho quente de forma exagerada, chegando a ficar com a pele avermelhada depois de alguns minutos.

Será que isso traz alguma consequência para a saúde?

Como sempre, tudo depende da dosagem. E nesse caso, a dose da qual estamos falando é a temperatura da água. Se ela está tão quente a ponto de deixar sua pele avermelhada, é um sinal de alerta.

Isso acontece porque sua circulação abaixo da pele aumenta demais, o que pode levar a processos inflamatórios. Além disso, a água extremamente quente junto com o sabonete retira os óleos naturais da sua pele, deixando-a ressecada. Pode ocorrer também coceira e, em casos extremos, queimaduras similares às de sol.

Cabelos também sofrem com o banho quente demais

Não é só a hidratação natural da sua pele que é prejudicada pelo banho muito quente. Da mesma forma, seus cabelos são afetados! Eu já falei aqui no site sobre como os xampus retiram a oleosidade produzida naturalmente pelos fios, prejudicando não só o aspecto do seu cabelo, mas também sua saúde.

Em conjunto com a água quente demais, o que ocorre é um verdadeiro estrago capilar, tamanho o ressecamento. E se tem algo que provavelmente você concorda é que pele e cabelo, ambos ressacados, não dá…

Benefícios do banho quente na temperatura ideal

Um bom banho quente – veja bem, estou falando quente, e não fervendo, como muitos fazem – tem lá os seus benefícios. Se você tem dificuldades de dormir, por exemplo, ele é uma ajuda e tanto!

Manter o corpo aquecido melhora e facilita o sono. Por isso, tomar um banho quente antes de se deitar é uma ótima pedida para te aquecer e garantir uma noite mais tranquila.

Se o seu problema é relaxar, o banho quente cerca de 1 hora antes de ir pra cama pode ter o efeito que você precisa. Ele vai induzir o sono que, como sabemos, é importantíssimo para uma Supersaúde. Aproveite!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *