Apatia: o Sintoma Esquecido da Demência

Em muitos casos de demência, como a Doença de Alzheimer, é notável um quadro de apatia. Trata-se de uma falta de interesse pelo mundo ao redor e até de emoções. É algo que pode ser perturbador para os familiares, pois eles veem o ente querido distante, e não sabem o que fazer.

O que precisa ficar claro é que a apatia é de fato um dos principais sintomas de demência. Porém, como nem sempre é tão contundente como outros – como a agressividade ou perda de memória, por exemplo – costuma a ser um pouco negligenciada.

Um novo estudo, feito na Universidade de Exeter, na Inglaterra, analisou 4.320 pessoas com Alzheimer e concluiu que 45% delas apresentavam apatia. E 20% apresentavam-na de forma persistente, durante todo o tempo.

A grande questão é que geralmente esse sintoma era visto como algo ligado à depressão. O que esse novo estudo mostra é que nem sempre isso acontece. Muitas vezes, os idosos acometidos por demências apresentam o quadro exclusivo de apatia, sem que ela esteja associada ao depressivo.

Segundo o Dr. Miguel Vasconcelos, da Universidade de Exeter e King’s College London:

“A apatia é um sintoma subpesquisado e muitas vezes ignorado de demência. […] tem um enorme impacto na qualidade de vida das pessoas que vivem com demência e suas famílias. Quando as pessoas se afastam das atividades, isso pode acelerar o declínio cognitivo e sabemos que há taxas de mortalidade mais altas em pessoas com apatia.”

Os pesquisadores argumentam ainda sobre a importância de familiares e cuidadores entenderem a questão. Dessa forma, poderão estar mais preparados para lidar com o problema e com o tratamento dos idosos com demência.

Protegendo-se da demência

Se tem algo que você pode começar a fazer agora para se proteger do Alzheimer e outras demências, é mudar de atitude. A prevenção é a melhor medicina!

Veja alguns fatores que aumentam o risco de Alzheimer:

1 – Dieta moderna: Excesso de consumo da alimentação a base de refinados, açúcar, frutose, glúten e óleos vegetais aumenta a resistência à insulina e prejudica o cérebro.

2 – Deficiência de ômega-3: a concentração de ômega 3 é baixa, ocorre um efeito inflamatório favorável para doença de Alzheimer.

3 – Níveis baixos de vitamina D: A vitamina D é fundamental para a saúde cerebral, agindo em 3 pontos importantes: função imunológica, expressão gênica e inflamação.

4 – Falta de exposição ao sol: a produção de vitamina D está diretamente ligada a exposição ao sol, e os estudos são claros sobre a importância desta vitamina na prevenção da demência.

5 – Excesso de álcool: este é um dos fatores mais importantes que está a nosso alcance para evitar o início da demência, segundo estudo recente publicado em 2018.        

6 – Sedentarismo: a falta de atividade física predispõe doença de Alzheimer e outras demências.

7 – Doenças cardiovasculares: tanto a hipertensão arterial como aterosclerose estão associados com comprometimento do fluxo sanguíneo cerebral. E no caso da aterosclerose há maior estímulo de placa beta-amiloide no cérebro.

8 – Agressores ambientais: segundo a literatura, a exposição a poluentes, pesticidas, linhas de alta tensão e até campo eletromagnético gerado por celular, Wi-Fi etc., são importantes fatores de risco, isolados ou associados.

9 – Proteína infecciosa: trata-se da proteína TDP-43, responsável pela destruição cerebral que ocorre em vacas loucas e doenças crônicas. Ela está associada à doença de Alzheimer, e sua presença aumenta em 10 vezes as chances da doença. 

10 – Predisposição genética: Certos genes estão correlacionados com aumento de risco da doença de Alzheimer. Para riscos de início precoce, as mutações mais importantes são nos genes da presenilina 1 e da presenilina 2. Nos casos de início tardio, o mais frequente é o gene da apolipoproteína E (APOE), o tipo e2. Por outro lado, o gene APOE e4 está relacionado com a redução de risco.

Portanto, se você quer evitar a demência no futuro, pense nos itens acima e previna-se! São suas atitudes cotidianas que vão moldar sua Supersaúde: agora e no futuro!

Referências bibliográficas:

  • https://www.drrondo.com/os-10-causadores-de-risco-de-alzheimer/
  • University of Exeter. “Apathy: The forgotten symptom of dementia.” ScienceDaily. ScienceDaily, 17 July 2019.
  • U.S. Centers for Disease Control and Prevention’s (CDC) Morbidity and Mortality Weekly Report May 26, 2017 / 66(20);521–526
  • Reuters May 25, 2017
  • CDC.gov Dementia Mortality in the United States 2000-2017
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *