A Manteiga Resgatando sua Credibilidade

Depois de ser considerada um dos grandes vilões causadores de doenças cardiovascular, a manteiga está voltando forte no mercado.

O seu consumo aumentou mais de 24% durante estes anos de pandemia, passando inclusive o recorde de consumo, que foi em 1943. Acredita-se que seja pelo fato de as pessoas estarem cozinhando mais em casa.

Diversos estudos e metanálises de mais de 15 países confirmam que a manteiga é boa para a saúde, não estando associada à doença cardiovascular, coronariana ou derrame, além de estar associada à redução de incidência de diabetes.

Realmente as pessoas estão deixando de ver a manteiga como um prazer culposo para entendê-la como um alimento saudável, especialmente quando feita de leite de vacas criadas a pasto.

Para se ter os melhores valores nutricionais, essa manteiga depende de como esses animais são criados, e a sua composição de ácidos graxos e gorduras varia de acordo com a dieta do animal.

Portanto, a manteiga de melhor qualidade é a de leite cru proveniente de vacas criadas a pasto. 

Num segundo plano ficam as manteigas pasteurizadas, mas também de animais criados a pasto, seguida pela manteiga pasteurizada comum de supermercado.

Por que a manteiga de vacas criadas a pasto é melhor?

A diferença é que nessas vacas o leite fornece níveis maiores de muitos nutrientes como:

– Antioxidantes que atenuam o envelhecimento precoce e problemas de saúde:

– Vitamina D, E e K, além de beta caroteno. 

– Minerais como selênio, manganês, zinco, cobre e crômio.

– Ômega 3 em concentração bem mais saudável, quando comparada com o ômega 6.

– Ácido linoleico conjugado (CLA), com ação anti-inflamatória, antiobesogênica e redutora do risco cardiovascular, além de aumentar proteção contra câncer, imunidade e massa muscular.

– Glicoesfingolipídios (GSLs), como ceramidas, esfingomielina, cerebrosídeos, sulfatídios e gangliosídios. Esses componentes influenciam a regulação celular com efeito antimicrobiano e imunomodulador, enquanto inibem a absorção de colesterol. Apresentam ainda potencial anticâncer.

– Ácido butírico e butirato, benéficos para a ecologia intestinal. Apresentam efeito na geração de energia além de antiobesidade e anticâncer. Regulam o sistema imunológico e a função cerebral. 

– Fator Wulzen, que previne artrite e rigidez articular.

– Iodo na forma mais absorvível, melhorando a função tireoidiana.

– Ácido araquidônico, importante para as membranas celulares e função cerebral. 

– Lecitina, indispensável para a integridade da membrana que envolve os nervos e metabolismo das gorduras e colesterol.

– Ácido láurico, com efeito antiviral, antibacteriano e antifúngico.

Com certeza, esse aumento de consumo da manteiga mostra uma conscientização do consumidor na procura por alimentos mais integrais, completos e que fornecem uma nutrição consistente, trazendo uma maior sensação de segurança e conforto.

Supersaúde!

Referências bibliográficas:

< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *