Alimentação

A Gritante Diferença entre Peixes de Locais Poluídos e Preservados

Você já deve ter até perdido a conta de quantas vezes já ouviu que comer peixes faz bem para a saúde. Acertei? Pois é… Em parte, essa é uma afirmação verdadeira. O problema é que há um detalhe chocante…

Nem todo peixe é criado igual, e os peixes de hoje dificilmente são como os de antigamente. Quer saber por quê? Então vou lhe explicar!

O primeiro problema são os peixes criados em cativeiro. Como assim? Não sabia que isso poderia acontecer? É mais comum do que imaginamos! Há muitas criações em tanques, o que leva os animais a serem menos saudáveis que aqueles pescados na natureza. Para você ter uma ideia, eles chegar a ter 3 vezes menos ômega 3 do que os selvagens!

Além disso, recebem antibióticos e ração em sua dieta – uma péssima escolha. Isso sem falar na presença de poluentes químicos como os bifenilos policlorados (BPCs) e metais pesados, como o mercúrio.

É também por isso que sempre se recomenda comer peixes saudáveis de águas profundas, pois quanto maior a profundidade, menor a possibilidade de contaminação com este metal pesado.

Acontece que hoje, com o crescimento da poluição marinha, fica cada vez mais difícil encontrar peixes confiáveis, podendo complicar a nossa saúde. Quer um bom exemplo disso? Então veja…

Consumo de peixes e proteção contra ao diabetes tipo 2

Nos últimos anos, diferentes estudos vinham confundindo a cabeça dos pesquisadores. Algumas pesquisas apontavam que consumir peixes gordurosos era um fator protetor para a diabetes tipo 2.

Enquanto isso, outros estudos não encontravam quaisquer relações entre as duas coisas… E havia ainda alguns que diziam exatamente o contrário: que comer “peixe gordo” aumentava o risco da doença! Afinal, quem estava certo e quem estava errado nessa confusão?

Uma pesquisa desenvolvida na Suécia parece ter chegado a uma explicação. Eles usaram uma abordagem diferença e a resposta é mais simples do que parece. Segundo a pesquisadora Lin Shi:

“Conseguimos separar o efeito do peixe em si do risco de diabetes a partir do efeito de vários poluentes ambientais presentes nos peixes. Nosso estudo mostrou que o consumo de peixe como um todo não tem efeito sobre o risco de diabetes. Nós então analisamos o efeito de poluentes ambientais usando um novo método de análise de dados baseado em machine learning.

Fomos então capazes de ver que os peixes fornecem proteção clara contra o diabetes tipo 2. A proteção é fornecida principalmente pelo consumo de peixe gordo. No entanto, ao mesmo tempo, nós vimos uma ligação entre o alto consumo de peixe gordo e altos teores de poluentes ambientais no sangue”.

Os pesquisadores afirmam ainda que os principais poluentes encontrados foram “poluentes orgânicos persistentes” (POPs), como o DDT e o PCB, produtos que já são conhecidos por aumentarem o risco de diabetes tipo 2.

Eles concluíram, portanto, que o efeito variável de oferecer ou não proteção contra o diabetes era devido à presença de poluentes. Ou seja, quando se come peixes de locais saudáveis, obtém-se o efeito protetor.

Já o consumo de animais de áreas poluídas pode anular o efeito ou até revertê-lo, tornando-os mais maléficos do que benéficos! E este estudo trata apenas da proteção contra diabetes tipo 2… Imagina o quanto mais pode estar envolvido!

Qual a saída?

Nesse momento você deve estar se perguntando se vale a pena continuar comendo peixe. A dica, como vimos, é sempre procurar produtos de procedência.

Aliás, isso deve valer para qualquer alimento que você consome. Carne, leite e ovos de animais confinados não são os mesmos do que os de animais criados soltos… Vegetais orgânicos são também infinitamente superiores àqueles lotados de agrotóxicos, é claro…

E se você está preocupado com seus níveis de ômega 3, uma ideia é usar o óleo de krill. O krill é um pequeno animal marinho, parecido com o camarão, que assim como os peixes de águas profundas está repleto de ômega 3.

A vantagem é que como é pequenino e vive pouco, não chega a acumular toxinas em seu organismo, tornando-se uma opção segura para obtenção desse ácido graxo.

E para aqueles que gostam de saborear um belo peixe como prato principal, vale repetir: procure por aqueles selvagens, com garantia de virem de locais preservados. Assim, além do sabor, garante-se todos os benefícios para uma Supersaúde!

Referências bibliográficas:

  • Intake of Mercury From Fish, Lipid Peroxidation, and the Risk of Myocardial Infarction and Coronary, Cardiovascular, and Any Death in Eastern Finish Men”, Salonen, Jukka T., M.D., M.P.H., et al, Circulation, February 1, 1995;91(3):645-655.
  • Freshwater Fish Pose Mercury Hazard to Developing Brain,” Worcester S, Family Practice News, September 1, 2004:4.
  • Mercury, Fish Oils, and the Risk of Myocardial Infarction,” Guallar E, Sanz-Gallardo MI, et al, N Engl J Med, November 28, 2002;347(22):1747-1754.
  • Methyl Mercury and Fish Consumption,” Nutrition Week, January 19, 2001;31(3):7.
  • Authority Nutrition, DHA: A Detailed Review
  • Aquatic Living Resources. 1999. 12 (2): 105-120
  • The Harvard Gazette. October 19, 2005
  • Nature. 2005. 437: 362-368.
  • Archives of Ophthalmology. 2007
  • Prostaglandins Leukot Essent Fatty Acids. 2006
  • Nutr Res. 2009
  • 2011 Jan;46(1):37-46.
  • American Journal of Clinical Nutrition June 4, 2014: 100 Sup 1; 449S-452S
  • Cellular and Molecular Neurobiology. 2017
  • Joint Analysis of Metabolite Markers of Fish Intake and Persistent Organic Pollutants in Relation to Type 2 Diabetes Risk in Swedish Adults, The Journal of Nutrition, , nxz068, https://doi.org/10.1093/jn/nxz068
  • https://www.drrondo.com/oleo-de-krill-omega-3/
  • https://www.drrondo.com/peixes-toxicidade-mercurio-criancas/
  • https://www.drrondo.com/como-o-grande-fiasco-do-peixe-esta-colocando-a-sua-saude-em-perigo/
< Artigo AnteriorPróximo Artigo >

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *