Reabilitar a gordura saturada natural, como a do óleo de coco, manteiga, leite e carne vermelha é um salto de qualidade para dias melhores

Durante 60 anos as autoridades médicas nos fizeram acreditar que gordura saturada elevava colesterol, causava doenças cardíacas, obesidade e até Alzheimer. Nós, pobres mortais, deixamos então de consumi-la esperando dias melhores. Mas essas doenças continuam aumentando, sinal de que algo deve estar errado.O interessante é notar que em populações de ilhas do Pacífico, que retiram de 30% a 60% de suas calorias diárias do óleo de coco, rico em gordura saturada, os índices de doença cardiovascular, por exemplo, é ínfimo.

Perigo Oculto

Jovem e sarado também corre risco de doenças cardiovasculares,mesmo quando o colesterol é baixo. Veja como se proteger a partir de um simples exame de sangue.As doenças cardiovasculares são as que mais matam no mundo industrializado e estão fazendo vítimas cada vez mais jovens: a vida moderna tem seu preço. O impressionante é que cerca de 40% dos doentes não apresentam fator de risco aparente, sendo que os exames de ¼ das pessoas que sofrem ataque cardíaco apontam índices normais de colesterol.

Colesterol: remédios com alto risco e baixa eficiência

Uma das drogas mais usadas no combate ao colesterol alto – as estatinas – vem sendo alvo de sérios questionamentos. Elas estão presentes em substâncias como atorvastalina, sinvastatina, pravastatina e cerivastatina, e têm suscitado alertas ainda pouco conhecidos dos próprios médicos. O mais sério envolve a cerivastatina, suspeita de causar rabidomiosite, que causa destruição muscular severa e pode levar à morte.Outro efeito colateral comum às estatinas é a quadruplicação do risco de problemas neurológicos. Além disso, elas depletam a co-enzima Q10, cuja deficiência causa sucessivamente cansaço, fraqueza muscular, dores e falência cardíaca.

Colesterol, nem tão vilão assim

Condenado nas últimas décadas como inimigo público número um do coração, o colesterol vem sendo objeto de controvérsias entre os pesquisadores.A comunidade médica mundial está dividida e o pomo da discórdia é a redução dos valores de referência para os níveis de colesterol sangüíneo. Os que a defendem alegam haver relação direta entre colesterol e risco cardíaco. Pesos pesados da medicina, porém, vêem na medida apenas um eficiente lobby dos laboratórios para aumentar em alguns milhões o número de usuários de drogas redutoras de colesterol, como as estatinas. É o que pensam, por exemplo, o presidente do Instituto Americano do Estresse, Paul Rosch, e o cientista Uffe Ravnskov, presidente da THINCS, organização de pesquisa sem fins lucrativos.

Os perigos da soja

Os especialistas já não morrem de amores por esse alimento cheio de contradições.Por suas decantadas qualidades, a soja quase transformou-se em milagreira e está presente em inúmeros produtos industrializados – você já leu com atenção os rótulos do que compra? Vai se surpreender… Mas ela não cumpre tudo o que promete. Acontece que o mercado se apropria de dados de pesquisas nem sempre consistentes e monta seus argumentos de olho no consumidor. É o caso da soja, cujos “benefícios” são manipulados sem constrangimentos e que pode causar problemas à saúde.

Chá-verde: uma xícara de saúde

Boa notícia para os amantes do chá: estudos recentes indicam que eles são particularmente benéficos para o sistema cardiovascular. Publicada pelo Archives of Internal Medicine, a pesquisa atribui à presença dos flavanóides os benefícios dessa delicada bebida.O chá-verde, em especial, é o campeão em concentração de flavanóides. Quem o consome diariamente conta com benefícios, como maior proteção para os vasos sangüíneos e redução do colesterol. Ele também protege contra a aterosclerose e reduz significativamente o risco de câncer.

Ovo: de vilão a protetor da saúde

Não é verdade que ovos elevam riscos cardíacos porque aumentam o colesterol. Ocorre, sim, um acréscimo tanto do mau colesterol, o LDL, quanto do bom, o HDL, mas a relação entre eles se mantém intacta e é o que importa.Ovos são ricos em carotenóides amarelos e laranjas, que reduzem em mais de 20% a incidência de catarata e em mais de 40% a degeneração macular do envelhecimento. Contêm vitaminas a, e e do complexo b e são uma das principais fontes de colina, essencial para a integridade de todas as células e para o desenvolvimento cerebral, especialmente na gravidez e amamentação, quando caem as reservas maternas.

Acabei de escrever uma nova Dica! Quer receber?

Junte-se aos mais de 223 mil leitores inteligentes que recebem dicas exclusivas sobre Saúde, Alimentação e Bem-estar e conquiste uma super saúde (É grátis)!

QUERO RECEBER

Acabei de escrever uma nova Dica! Quer Receber?

Junte-se aos mais de 223 mil leitores inteligentes que recebem dicas exclusivas sobre Saúde, Alimentação e Bem-estar e conquiste uma super saúde (É gratis)!
QUERO RECEBER