Alimentação

Viva o Sal: Saiba Por que Você não Precisa Dispensar o Saleiro

Basta você ter o prazer de comer alguma coisa, e certamente pode apostar que vai aparecer um “cri-cri” de plantão para lhe dizer como esse alimento lhe faz mal. Coma um filé, e ele choramingará sobre as gorduras saturadas… E nem pensam em jogar um pouquinho de sal na sua comida. Você está com vontade de morrer, ou algo assim?

Bem, na verdade, tudo isso não tem o menor sentido, especialmente em relação ao sal. Um novo estudo confirma mais uma vez que as diretrizes sobre ele que estão sendo enfiadas goela abaixo pelos oficiais de saúde tradicional estão erradas.

O que fazer então?

O sal não causa pressão arterial alta a não ser que você tenha uma doença renal. Estatisticamente, mais que 99% da população mundial consome mais que o nível recomendado, que são 1.500 mg por dia, segundo as autoridades de saúde.

O que se observa é que se consome quase o TRIPLO do nível de sal que nós “deveríamos” consumir, algo em torno de 4.200 a 5.500 mg por dia.

Nós comemos tanto sal que, se até metade do que você tem ouvido fosse verdade, nós deveríamos estar mortos a esta altura!

A maior reclamação, que você já deve ter ouvido incontáveis vezes, é que ele aumentará a sua pressão para cima como um foguete. Mas esse estudo prova que isso não tem sentido. O consumo de mais de 5 gramas de sódio por dia acrescentará 3 pontos à sua leitura sistólica (“o número de cima”).

O que recomendo para vocês é que consumam o sal numa dosagem adequada, e assim não terão problema algum. Em outras palavras, cortar o sal não fará muita diferença no seu nível de pressão arterial e, além disso, a pressão arterial não é o grande fator de risco que parece ser.

Então, uma dieta baixa em sal NÃO diminuirá a sua pressão arterial, NÃO protegerá o seu coração e NÃO salvará a sua vida – mas certamente pode arruiná-la, e talvez até ponha um fim nela. Apenas olhe a CIÊNCIA atrás disto:

  • De acordo com um estudo recente do Journal of the American Medical Association, pessoas da terceira idade com o menor consumo de sal são CINCO VEZES mais prováveis de morrerem por problemas cardíacos do que os indivíduos da mesma faixa etária com o maior consumo.
  • Outro estudo recente descobriu que as pessoas da terceira idade com baixo nível de sódio são 61% mais prováveis a sofrer fratura de espinha, 39% mais prováveis a sofrer outros tipos de fratura e 21% mais prováveis de morrer de qualquer causa.
  • E um estudo de 1995 descobriu que indivíduos da terceira idade eram mais prováveis de sofrer infarto quando faziam uma dieta baixa em sal.

Acho que está bem claro, porque toda vez que isto foi estudado objetivamente, os resultados têm sido iguais.
Então, esqueça as diretrizes tradicionalistas e siga as diretrizes de bom senso.

A única maneira de realmente consumir “sal demais” é comendo comidas embaladas, comidas expressas e comidas de lojas de conveniência que são praticamente feitas de sal – desde uma sopa enlatada até panquecas de restaurantes, tudo é absolutamente lotado de sódio nesses casos.

E quando você usar o sal, use o certo – e isso significa evitar aquele sal comum de cozinha. O único sal que vale a pena é o sal puro do mar de um leito marítimo limpo. Não deve ser cinzento, nem branco, e você terá de moê-lo você mesmo.

Referência bibliográfica:

  • Am J Hypertens. 2011 Aug;24(8):843-53
  • Arch Intern Med. 2011;171(13):1183-1191
  • JAMA. 2011 Nov 23;306(20):2229-38
  • Cochrane Database Syst Rev. 2014 Dec 18;(12):CD009217
  • Journal of Hypertension 2011 May;29(5):846-53
  • Journal of the American Medical Association 1997;277(20):1624
  • Hypertension, April 1994;23(4):531-550
  • Journal of The American College of Nutrition, 1995;14(5):428-438.
  • The Free Man’s Declaration for Health and longevity. William Campbell. 2013
Previous ArticleNext Article
Médico, Cirurgião Vascular especializado em medicina preventiva e alta performance. Possui vários artigos publicados em revistas médicas, além de 8 livros com temas relacionados à nutrição, medicina preventiva e esportiva. (CRM 47078)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *