Especiais

Será que precisamos mesmo nos preocupar com o Ebola?

Até bem pouco tempo atrás quase nada se ouvia falar sobre o vírus Ebola; a contaminação nos parecia muito distante, afinal ele estava localizado somente em países do oeste africano (Serra Leoa, Guiné e Libéria). Só que não demorou muito para o vírus chegasse à Europa, atravessando o oceano e chegando também à América.

O vírus Ebola possui uma taxa de mortalidade altíssima, chegando a ápice de 90% nos casos de contaminação. Dentro da escala de alerta emergencial a doença está no nível 1. E para que você tenha ideia do que isso representa, só tivemos alertas de nível 1 com a passagem do furacão Katrina no ano de 2005 e quatro anos mais tarde com a Gripe H1N1.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou estado de emergência de saúde pública internacional para o Ebola, no dia 8 de agosto deste ano.

Ainda que mais fortemente discutido nos dias atuais, o vírus Ebola foi descoberto há quase 40 anos atrás, mais precisamente em 1976 no Sudão. Ele possui cinco subtipos, sendo eles:

– Zaire ebolavirus (o mais virulento)

– Sudão ebolavirus

– Ivory Coast ebolavirus

-Ebola-Reston

– Bundibugyo ebolavirus

Os sintomas de infecção começam a ocorrer de seis a até 16 dias após a contaminação, levando à imunossupressão importante que pode levar a morte por desidratação por problemas gástricos. Os primeiros sinais de infecção são:

  • Sintomas gripais não específicos;
  • Aparecimento súbito de febre, diarreia, dor de cabeça, dores musculares, vômito e dores abdominais;
  • Dor de garganta e sangramento;
  • Em estágio mais avançado o doente pode apresentar choques, edema cerebral e distúrbio de coagulação, além de infecções secundárias. Podem acontecer também hemorragias logo após o quarto dia do aparecimento dos sintomas iniciais, chegando até à falência de múltiplos órgãos.

Como ocorre a contaminação

Ao contrário do que se imagina o Ebola não se espalha tão facilmente. A contaminação só ocorre por contato com o fluido corpóreo de pessoa infectada, estando descartado o contágio do vírus pelo ar.

Tratamento:

Embora diversas vacinas estejam sendo testadas, não existe ainda nenhum tratamento específico para o caso de contaminação pelo vírus. Na melhor das hipóteses teremos que aguardar até que surjam tratamentos seguros e eficientes.

[divider]

Referências Bibliográficas:

– CDC.gov, Emerging Infectious Diseases Dispatch, Volume 16, Number   12—December 2010

– MSDS Ebola

– Science News August 6, 2014

– webMD.com August 4, 2014

– Science News August 6, 2014

– New York Times July 13, 2014

Previous ArticleNext Article
Médico, Cirurgião Vascular especializado em medicina preventiva e alta performance. Possui vários artigos publicados em revistas médicas, além de 8 livros com temas relacionados à nutrição, medicina preventiva e esportiva. (CRM 47078)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acabei de escrever uma nova Dica! Quer receber?

Junte-se aos mais de 223 mil leitores inteligentes que recebem dicas exclusivas sobre Saúde, Alimentação e Bem-estar e conquiste uma super saúde (É grátis)!

QUERO RECEBER

Acabei de escrever uma nova Dica! Quer Receber?

Junte-se aos mais de 223 mil leitores inteligentes que recebem dicas exclusivas sobre Saúde, Alimentação e Bem-estar e conquiste uma super saúde (É gratis)!
QUERO RECEBER